Pesquisar
Pesquisar

Biden, Blinken, Sullivan, McGurk: o grupo da Casa Branca em busca da 3ª Guerra Mundial

Biden e seus 'estrategistas' se juntam a outros líderes sem noção da história, responsáveis pelo conflito no Vietnã e por anos de ataques ao Oriente Médio
Chris Hedges
Outras Palavras
São Paulo (SP)

Tradução:

O círculo interno de estrategistas para o Oriente Médio de Joe Biden – Antony Blinken, Jake Sullivan e Brett McGurk – tem pouca compreensão do mundo muçulmano e uma profunda animosidade em relação aos movimentos de resistência islâmica. Na visão deles, a Europa, os Estados Unidos e Israel estão envolvidos em um choque de civilizações entre o Ocidente iluminista e um Oriente Médio bárbaro. Eles acreditam que a violência pode submeter os palestinos e outros árabes à sua vontade. Eles defendem o poder de fogo esmagador dos militares dos EUA e de Israel como a chave para a estabilidade regional – uma ilusão que alimenta as chamas da guerra regional e perpetua o genocídio em Gaza.

Em poucas palavras, estes quatro homens são extremamente incompetentes. Eles juntam-se ao clube de outros líderes sem noção, como aqueles que se jogaram no massacre suicida da Primeira Guerra Mundial, entraram no atoleiro do Vietnã ou que orquestraram a série de desastres militares recentes no Iraque, na Líbia, na Síria e na Ucrânia. Estão dotados do poder presuntivo conferido ao Poder Executivo para contornar o Congresso, fornecer armas a Israel e realizar ataques militares no Iêmen e no Iraque. Este círculo interno de verdadeiros fanáticos rejeita os conselhos mais matizados e informados do Departamento de Estado e das comunidades de inteligência, que consideram a recusa da administração Biden em pressionar Israel para barrar o genocídio em curso como equivocada e perigosa. 

Brett McGurk. Foto: MUHAMMAD HAMEDBiden sempre foi um ardente militarista – ele estava clamando por uma guerra com o Iraque cinco anos antes da invasão dos EUA. Ele construiu sua carreira política respondendo ao asco da classe média branca pelos movimentos populares, incluindo os movimentos anti-guerra e pelos direitos civis, que convulsionaram o país nas décadas de 1960 e 1970. É um republicano disfarçado de democrata. Ele se juntou aos segregacionistas do sul para se opor à entrada de estudantes negros em escolas exclusivas para brancos. Ele se opôs ao financiamento federal de abortos e apoiou uma emenda constitucional que permite aos estados restringir o aborto. Ele atacou o presidente George H. W. Bush em 1989 por ser demasiado brando na “guerra às drogas”. Ele foi um dos arquitetos do Projeto de lei criminal de 1994 e um uma série de outras leis draconianas que mais do que duplicaram a população carcerária dos EUA, militarizaram a polícia e levaram à aprovação de leis sobre drogas que levaram as pessoas à prisão perpétua sem liberdade condicional. Ele apoiou o Acordo de Livre Comércio da América do Norte, a maior traição da classe operária desde a Lei Taft-Hartley de 1947 [que restringiu a atividade sindical no país como uma reação de um Congresso conservador a uma onda de greves após a Segunda Guerra Mundial]. Ele sempre foi um estridente defensor de Israel, e se gabava de ter obtido mais arrecadação de fundos para o Comitê Americano de Assuntos Públicos de Israel (AIPAC) do que qualquer outro senador.

“Como muitos de vocês me ouviram dizer antes, se não houvesse Israel, os EUA teriam que inventar um. Teríamos que inventar um porque… vocês protegem nossos interesses como nós protegemos os seus”, Biden disse em 2015, para um público que incluía o embaixador israelense, na 67ª Celebração Anual do Dia da Independência de Israel em Washington D.C. Nesse mesmo discurso, ele disse: “A verdade é que precisamos de vocês. O mundo precisa de vocês. Imagine o que isso significaria para a humanidade e o futuro do século 21 se Israel não fosse duradouro, vibrante e livre.”

Assista na TV Diálogos do Sul

Um ano antes, Biden despejou elogios efusivos a Ariel Sharon, o ex-primeiro-ministro e general israelense envolvido em massacres de palestinos, libaneses e outros na Palestina, Jordânia e Líbano – bem como prisioneiros de guerra egípcios – desde a década de 1950. Ele descreveu Sharon como “parte de uma das gerações fundadoras mais notáveis da história, não desta nação, mas de qualquer nação”.

Embora repudie Donald Trump e sua administração, Biden não reverteu a decisão de Trump de revogar o acordo nuclear com o Irã negociado por Barack Obama, ou as sanções de Trump contra o Irã. Ele abraçou o estreitamento de laços que Trump promoveu com a Arábia Saudita, incluindo a reabilitação do príncipe herdeiro e do primeiro-ministro Mohammed bin Salman, após o assassinato do jornalista saudita Jamal Khashoggi em 2017 no consulado da Arábia Saudita em Istambul. Ele não interveio para conter os ataques israelitas aos palestinos e a expansão das colônias na Cisjordânia. Ele não reverteu a mudança da Embaixada dos EUA para Jerusalém, feita por Trump, embora a embaixada inclua terra que Israel colonizou ilegalmente depois de invadir a Cisjordânia e Gaza em 1967.

EUA e Israel na areia movediça: o fracasso em Gaza e o fim da ordem imperialista mundial

Como senador por Delaware por sete mandatos, Biden recebeu mais apoio financeiro de doadores pró-Israel do que qualquer outro senador, desde 1990. Biden mantém essa marca, apesar de a sua carreira senatorial ter terminado em 2009, quando se tornou vice-presidente de Obama. Biden define o seu compromisso com Israel como “pessoal” e “político”.

Ele tem papagaiado a propaganda israelense – incluindo graves invenções a respeito de bebês decapitados e a disseminação do estupro de mulheres israelenses por combatentes do Hamas – e pediu ao Congresso para fornecer US$ 14 bilhões em ajuda adicional a Israel, desde o ataque de 7 de outubro. Em duas vezes, ele ignorou o Congresso para fornecer a Israel milhares de bombas e munições, incluindo pelo menos 100 bombas de 2.000 libras, usadas na campanha de terra arrasada em Gaza.

Biden e seus 'estrategistas' se juntam a outros líderes sem noção da história, responsáveis pelo conflito no Vietnã e por anos de ataques ao Oriente Médio

Fotos por: Hannah Foslien, Adam Schultz, Erin Scott e Reprodução/X
Aqueles que comandam o show na Casa Branca de Biden estão correndo atrás do arco-íris

Israel matou ou feriu gravemente um número próximo a 90 mil palestinos em Gaza, quase um em cada 20 habitantes. Destruiu ou danificou mais 60% das moradias. As “áreas seguras”, para onde cerca de 2 milhões de habitantes de Gaza foram instruídos a fugir no sul de Gaza, foram bombardeadas, com milhares de vítimas. Os palestinos em Gaza constituem agora 80% de todas as pessoas que enfrentam fome ou fome catastrófica em todo o mundo, de acordo com a ONU. Todas as pessoas em Gaza passam fome. Um quarto da população passa fome e luta para encontrar comida e água potável. A miséria extrema é iminente. As 335 mil crianças com menos de cinco anos estão em alto risco de desnutrição. Cerca de 50 mil mulheres grávidas vivem carência de cuidados de saúde e nutrição adequada.

E tudo poderia acabar se os EUA decidissem intervir.

“Todos os nossos mísseis, as munições, as bombas guiadas com precisão, todos os aviões e bombas, são todos provenientes dos EUA”, disse o major-general israelita reformado Yitzhak Brick para o Sindicato de Notícias Judaicas. “No momento em que fecharem a torneira, não dá para continuar lutando. Não temos capacidade… Todos entendem que não é possível travar esta guerra sem os Estados Unidos. Ponto final.”

Jake Sullivan. Foto: Patrick SemanskyBlinken foi o principal conselheiro de Biden para a política externa quando Biden era o democrata mais graduado no Comitê de Relações Exteriores. Junto com Biden, Blinken fez lobby pela invasão do Iraque. Quando era vice-assessor de segurança nacional de Obama, defendeu a derrubada do poder Muamar Gaddafi, em 2011, na Líbia. Ele se opôs à retirada das forças dos EUA da Síria. E trabalhou no desastroso Plano Biden para a partição do Iraque ao longo de linhas étnicas.

“Dentro da Casa Branca de Obama, Blinken desempenhou um papel influente na imposição de sanções contra a Rússia durante a invasão da Crimeia e do leste da Ucrânia em 2014, e posteriormente liderou apelos, em última análise, mal sucedidos, para que os EUA armassem a Ucrânia”, de acordo com o Atlantic Council, o think tank não oficial da OTAN.

Quando Blinken desembarcou em Israel após os ataques do Hamas e de outros grupos de resistência em 7 de outubro, ele anunciou numa coletiva de imprensa com o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu: “Apresento-me a vós não apenas como secretário de Estado dos Estados Unidos, mas também como judeu”.

Ele tentou, em nome de Israel, pressionar os líderes árabes para que aceitassem os 2,3 milhões de refugiados palestinos que Israel tinha a pretensão de varrer etnicamente de Gaza, um pedido que despertou a indignação de diversos líderes árabes.

Sullivan, o conselheiro de segurança nacional de Biden, e McGurk, são oportunistas consumados, burocratas maquiavélicos que atendem aos centros de poder reinantes, incluindo o lobby de Israel.

Sullivan foi o arquiteto chefe da mudança de direcionamento de Hillary Clinton para a Ásia. Ele apoiou o Acordo de Parceria Transpacífico, de teor corporativo e voltado aos direitos dos investidores, vendido como algo que ajudaria os EUA a conter a China. Trump acabou por matar o acordo comercial face à oposição em massa da sociedade dos EUA. O foco dele está em impedir a ascensão da China, especificamente por meio da expansão militar dos EUA.

Embora não esteja focado no Oriente Médio, Sullivan é um falcão da política externa que adota a força de forma automática para moldar o mundo às exigências dos EUA. Ele advoga por um keynesianismo militar, argumentando que os enormes gastos governamentais na indústria de armas beneficiam a economia nacional.

Num ensaio de 7 mil palavras para a revista Foreign Affairs, publicado cinco dias antes dos ataques de 7 de outubro, que deixaram cerca de 1.200 israelenses mortos, Sullivan expôs toda a sua falta de compreensão da dinâmica do Oriente Médio.

“Embora o Oriente Médio continue assolado por desafios perenes”, escreveu ele na versão original do ensaio, “a região está mais calma do que há décadas”, acrescentando que, face a fricções “sérias”, “baixamos a intensidade das crises em Gaza”.

Sullivan ignora as aspirações palestinas e o apoio retórico de Washington a uma solução de dois Estados; o artigo foi reescrito às pressas na versão online após os ataques de 7 de outubro. Ele diz no texto original: 

Numa reunião em Jeddah, na Arábia Saudita, no ano passado, o presidente expôs a sua política para o Oriente Médio num discurso aos líderes dos membros do Conselho de Cooperação do Golfo, ao Egito, ao Iraque e à Jordânia. A sua abordagem devolve a disciplina à política dos EUA. Enfatiza a dissuasão da agressão, a redução da escalada de conflitos e a integração da região através de projetos conjuntos de infraestruturas e de novas parcerias entre Israel e os seus vizinhos árabes.

McGurk, vice-assistente do presidente Biden e coordenador para o Oriente Médio e Norte da África no Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, foi um dos principais arquitetos da “arremetida” de Bush no Iraque, que acelerou o derramamento de sangue. Ele trabalhou como consultor jurídico da Autoridade Provisória da Coalizão e do embaixador dos EUA em Bagdá. Ele então se tornou o czar anti-ISIS de Trump.

McGurk não fala árabe – nenhum dos quatro homens fala – e veio para o Iraque sem qualquer conhecimento da sua história, dos seus povos ou da sua cultura. No entanto, ele ajudou a redigir a Constituição provisória do Iraque e supervisionou a transição legal da Autoridade Provisória da Coligação para um Governo Provisório iraquiano liderado pelo Primeiro-Ministro Ayad Allawi. McGurk foi um dos primeiros apoiadores de Nouri al-Maliki, que foi primeiro-ministro do Iraque entre 2006 e 2014. Al-Maliki construiu um estado sectário controlado pelos xiitas que alienou profundamente os árabes sunitas e os curdos. Em 2005, McGurk foi transferido para o Conselho de Segurança Nacional (NSC), onde atuou como diretor para o Iraque e, mais tarde, como assistente especial do presidente e diretor sênior para o Iraque e o Afeganistão. Atuou na equipe do NSC de 2005 a 2009. Em 2015, foi nomeado como Enviado Presidencial Especial de Obama para a Coligação Global de Combate ao Estado Islâmico. E foi contratado por Trump, até sua renúncia em dezembro de 2018.

Um artigo de abril de 2021 intitulado “Brett McGurk: um herói de nossos tempos,” na revista New Lines, do ex-correspondente estrangeiro da BBC Paul Wood pinta um retrato contundente de McGurk. Wood escreve:

Um importante diplomata ocidental que serviu em Bagdad disse-me que McGurk tinha sido um desastre absoluto no Iraque. “Ele é um operador estabelecido em Washington, mas não vi nenhum sinal de que estivesse interessado nos iraquianos ou no Iraque como um lugar povoado por pessoas reais. Foi simplesmente um desafio burocrático e político para ele.” Um crítico que estava em Bagdá com McGurk chamou-o de Maquiavel reencarnado. “É o intelecto mais a ambição mais a total crueldade para ascender, não importa a que custo.”
[….]
Um diplomata dos EUA que estava na embaixada quando McGurk chegou achou surpreendente seu avanço constante. “Brett só conhece pessoas que falam inglês. […] Existem cerca de quatro pessoas no governo que falam inglês. E de alguma forma ele se tornou agora a pessoa que deve decidir o destino do Iraque? Como isso aconteceu?”
Mesmo aqueles que não gostavam de McGurk tinham que admitir que ele tinha um intelecto formidável – e que trabalhava duro. Ele também era um escritor talentoso, o que não é surpresa, já que havia trabalhado como secretário do presidente da Suprema Corte, William Rehnquist. A sua ascensão reflectiu a de um político iraquiano chamado Nouri al-Maliki, com um carreirista a ajudar o outro. Esta é a tragédia de McGurk – e do Iraque.
[….]
Os críticos de McGurk dizem que a sua incapacidade de falar árabe fez com que ele não percebesse os tons cruéis e sectários do que al-Maliki dizia nas reuniões desde o início. Os tradutores censuraram ou não conseguiram acompanhar. Como muitos americanos no Iraque, McGurk estava surdo ao que acontecia ao seu redor.
Al-Maliki foi a consequência de dois erros dos EUA. O quanto McGurk teve a ver com eles permanece em discussão. O primeiro erro foi a “Solução dos 80%” para governar o Iraque. Os árabes sunitas estavam a organizar uma insurreição sangrenta, mas representavam apenas 20% da população. A teoria era que seria possível governar o Iraque com os curdos e os xiitas. O segundo erro foi identificar os xiitas com partidos religiosos de linha dura apoiados pelo Irã. Al-Maliki, membro do partido religioso Da’wa, foi o beneficiário disto.

Em um texto no HuffPost de maio de 2022, assinado por Akbar Shahid Ahmed, intitulado “O principal conselheiro de Biden para o Oriente Médio ‘incendiou a casa e apareceu com uma mangueira’”, McGurk é descrito por um colega, que pediu para não ser identificado, como “o burocrata mais talentoso que já viram, com o pior discernimento de política externa que alguma vez já tenham testemunhado.”

McGurk, como outros membros da administração Biden, está bizarramente concentrado no que virá depois da campanha genocida de Israel, em vez de tentar impedi-la. McGurk propôs negar ajuda humanitária e recusar implementar uma pausa nos combates em Gaza até que todos os reféns israelitas fossem libertados. Biden e os seus três conselheiros políticos mais próximos apelaram à Autoridade Palestina – um regime fantoche dos israelitas que é insultado pela maioria dos palestinos – que assuma o controle de Gaza assim que Israel terminar de arrasá-la. Eles apelaram a Israel – desde 7 de outubro – para que tome medidas em direção a uma solução de dois Estados, um plano rejeitado em uma humilhante repreensão pública à Casa Branca de Biden por parte de Netanyahu.

A Casa Branca de Biden passa mais tempo a conversar com os israelenses e sauditas, que são pressionados a normalizar as relações com Israel e ajudar a reconstruir Gaza, do que com os palestinos, que aparecem, na melhor das hipóteses, em reflexões tardias. O governo acredita que a chave para acabar com a resistência palestina se encontra em Riade, resumida num documento ultra-secreto apregoado por McGurk e cujo título é “Pacto Jerusalém-Jeddah”, conforme o HuffPost reportou. É incapaz ou não quer conter a sede de sangue de Israel, que incluiu ataques com mísseis num bairro residencial em Damasco, na Síria, no sábado, que matou cinco conselheiros militares do Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica do Irã e um ataque de drones no sul do Líbano no domingo, que matou dois altos membros do Hezbollah. Estas provocações israelenses não ficarão sem resposta, como evidenciado pelos mísseis balísticos e foguetes lançados no domingo, por militantes no oeste do Iraque que tinham como alvo o pessoal dos EUA estacionado na Base Aérea de al-Assad.

A ideia, à la Alice no País das Maravilhas, de que, uma vez terminado o massacre em Gaza, um pacto diplomático entre Israel e a Arábia Saudita será a chave para a estabilidade regional causa estupefação. O genocídio de Israel, e a cumplicidade de Washington, estão destruindo a credibilidade e a influência dos EUA, especialmente no Sul Global e no mundo muçulmano. Garantem outra geração de palestinos enraivecidos – cujas famílias foram massacradas e cujas casas foram destruídas – em busca de vingança.

As políticas adotadas pela administração Biden não apenas ignoram sorridentemente a realidade do mundo árabe, mas também a realidade de um Estado israelense extremista que, com o Congresso comprado e pago pelo lobby israelense, não poderia se importa menos com o que sonha a Casa Branca de Biden. Israel não tem nenhuma intenção de criar um Estado palestino viável. Sua meta é a limpeza étnica dos 2,3 milhões de palestinos de Gaza e a anexação do território de Gaza a Israel. E quando Israel acabar com Gaza, voltar-se-á contra a Cisjordânia, onde os seus ataques ocorrem agora quase todas as noites e onde milhares foram presos e detidos sem acusação desde 7 de outubro.

Aqueles que comandam o show na Casa Branca de Biden estão correndo atrás do arco-íris. A cavalgada da loucura liderada por estes quatro ratos obtusos perpetua o sofrimento cataclísmico dos palestinos, alimenta uma guerra regional e pressagia mais um capítulo trágico e autodestrutivo de duas décadas de fiascos militares dos EUA no Oriente Médio.

Chris Hedges | jornalista e professor


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul



As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Chris Hedges

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação