Pesquisar
Pesquisar

Biden começa a cumprir promessa e vai promover reencontro de 4 crianças com suas famílias de imigrantes sem documentos

Mais de 5.000 crianças foram separadas forçosamente de seus pais durante a administração Trump; democrata chamou separações de "tragédia humana".
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Washington

Tradução:

Em meio a fortes críticas sobre a crise na fronteira com o México, os Estados Unidos anunciaram que vão reunir, nos próximos dias, quatro famílias de migrantes separadas durante a administração de Donald Trump, como informaram fontes oficiais.

Mais de 5.000 crianças foram separadas forçosamente de seus pais durante a administração republicana desde 1º de julho de 2017, muitas delas sob uma política de “tolerância zero” para processar criminalmente qualquer adulto que entrasse sem documentos no país.

Explicando este plano à mídia estadunidense, o Secretário de Segurança Nacional, Alejandro Mayorkas, disse, na segunda-feira (3), que este é apenas o início de um processo mais amplo.

Especialistas citados pela mídia do país descreveram o fato como um ato simbólico para cumprir uma promessa de campanha do Presidente Joe Biden, que chamou estas separações de uma “tragédia humana”.

As famílias poderão entrar nos Estados Unidos através de um processo de emergência, conhecido como “liberdade condicional humanitária”, acrescentou Michelle Brane em outro discurso à imprensa.

Mais de 5.000 crianças foram separadas forçosamente de seus pais durante a administração Trump; democrata chamou separações de "tragédia humana".

Fibonacci Blue/ Flickr
"Famílias permanecem juntas" e "eu estou sendo criado para m importar", dizem cartazes segurados em protesto contra políticas de Trump

“Nestes casos de que estamos falando esta semana, as crianças estão nos Estados Unidos e os pais estão vindo se juntar a elas”, acrescentou Brane, que dirige uma força-tarefa criada por Biden com o objetivo de reunir famílias separadas.

Lee Gelernt, advogado sênior da União Americana das Liberdades Civis, que processou a administração Trump devido à política de separação, esclareceu que sua organização não sabe quantas crianças permanecem separadas de seus pais, mas o número ultrapassa mil.

A administração Biden enfrentou nos últimos meses um forte aumento das travessias de migrantes na fronteira, incluindo menores desacompanhados e famílias com crianças pequenas, em sua maioria da América Central.

Trump, conhecido por sua posição de linha dura sobre imigração, adotou, na primavera de 2018, uma política geral de “tolerância zero” para processar todos aqueles que cruzam a fronteira nacional sem permissão, resultando na separação em massa de pais e filhos.

O presidente republicano reverteu a política após um clamor internacional, mas em alguns casos, os pais foram deportados e os filhos permaneceram nos Estados Unidos com outros parentes.

Após tomar posse em 20 de janeiro, Biden se moveu rapidamente para reverter algumas das políticas de linha dura de seu antecessor nesta área, mas teve que lidar com um volume sem precedentes de imigrantes indocumentados na fronteira EUA-México, incluindo dezenas de milhares de famílias e crianças desacompanhadas, que carecem de condições mínimas onde estão detidas.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

Héctor Llaitul
Sem provas, justiça do Chile condenou líder mapuche Héctor Llaitul em prol de madeireiras
Palestina
Ocidente deveria se preocupar com massacre operado por Netanyahu livremente
Assange
Silêncio, imperialismo e guerra midiática: por que não podemos nos esquecer de Assange?
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda