Pesquisar
Pesquisar

Biden convoca nova Cúpula das Américas, mas não responde se Cuba, Venezuela e Nicarágua serão convidadas

Entre temas abordados estão transparência, corrupção, inclusão, equidade, sustentabilidade, “verde” o manejo “humanitário” da migração, a mudança climática
David Brooks
La Jornada
Nova York

Tradução:

O lema da nova Cúpula das Américas, que se realizará em Los Angeles entre 6 e 10 de junho é “Construindo um futuro sustentável, resistente e equitativo” na qual o governo anfitrião de Joe Biden promoverá o combate à pandemia, uma recuperação “verde”, o manejo “integral” do fenômeno migratório e o consenso hemisférico sobre a democracia, informaram altos funcionários em Washington.

Esta será a nona cúpula, e a primeira desde a inaugural em Miami, em 1994, a realizar-se nos Estados Unidos. À anterior, em 2018, no Chile, o então presidente estadunidense Donald Trump não compareceu .

Ainda não está pronta a lista de convidados, mas altos funcionários indicaram em resposta se Cuba, Venezuela e Nicarágua estarão presentes, que só serão bem-vindos aqueles governos que “respeitam” os princípios democráticos, e que a lista final será elaborada em consulta com a Organização dos Estados Americanos (OEA).  

Com um assombroso vocabulário que inclui “princípios democráticos”, transparência, corrupção, inclusão, equidade, sustentabilidade, “verde” e esforços “integrais” e “regionais” sobre o manejo “humanitário” da migração, a mudança climática, os direitos humanos, o respeito a grupos marginais, indígenas e mulheres, entre outros temas e conceitos, um par de altos funcionários do governo de Biden tentaram estabelecer o marco da agenda para a próxima cúpula.

Entre temas abordados estão transparência, corrupção, inclusão, equidade, sustentabilidade, “verde” o manejo “humanitário” da migração, a mudança climática

facebook / reprodução
Joe Biden promete que também promoverá o combate à pandemia

Sociedade civil e setor privado

Indicaram que não seria só um processo entre mandatários, mas também serão convocados a participar setores da sociedade civil e do setor privado.  

Recordaram que Biden sempre outorgou prioridade às relações com o hemisfério desde seus tempos como senador e depois vice-presidente, e que seu governo tem se dedicado a superar os danos causados às relações com a região durante a presidência de Trump. 

Doutrina Biden: quais as diretrizes da cúpula “pela democracia” convocada por Washington?

Ressaltaram que serão retomadas iniciativas regionais e bilaterais tanto dentro da América do Norte (o Diálogo Econômico e o Diálogo de Segurança com o México e a Cúpula de Líderes da América do Norte, como exemplos) como com Centro e Sul-América sobre vários temas, desde segurança a migração, governança democrática e outros mais.

Um alto funcionário do governo de Biden enfatizou os esforços para alcançar resoluções negociadas em crises como a do Haiti e da Venezuela e em torno a Cuba, onde o presidente estadunidense disse que tomou uma postura “dura com o regime, suave com o povo cubano”. 

Assista na TV Diálogos do Sul

Não fizeram referência ao consenso entre os países do hemisfério em oposição ao bloqueio estadunidense contra Cuba, expressada a cada ano na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas. 

Em resposta à posse de Xiomara Castro, em Honduras, o alto funcionário indicou que “temos ajudado para que seja exitosa”, embora não tenha mencionado o apoio de Washington ao golpe de Estado que derrocou, em 2009,  o governo do esposo da agora presidenta eleita.

O objetivo original da Cúpula das Américas era cristalizar o consenso “democrático” do hemisfério em um Acordo de Livre Comércio das Américas (ALCA), usando o Tratado de Livre Comércio da América do Norte como modelo.

Esse esforço foi primeiro confrontado por movimentos e redes sociais ao longo do hemisfério, que recusam as premissas neoliberais do “livre comércio” e finalmente derrotado em 2005 pelos governos progressistas que integraram a Aliança Bolivariana para os Povos de Nossa América (ALBA).

David Brooks, correspondente de La Jornada


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul

 

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

VocêSe pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação