Pesquisar
Pesquisar

Biden não é nenhum salvador: Progressistas questionam passado do político neoliberal

Para os ativistas nos EUA, esta eleição não se tratou de uma contenda dentre Biden e Trump, mas sim um batalha para resgatar direitos básicos
David Brooks
La Jornada
Nova York

Tradução:

A boa notícia é que a derrota de Trump foi um número recorde de 78.7 milhões de votos que entregaram o triunfo ao seu opositor democrata Joe Biden e sua companheira de chapa Kamala Harris (primeira mulher e primeira pessoa de cor a chegar à vice-presidência) freando assim por ora – se é que o presidente finalmente aceite ir embora – o avanço de um projeto neofascista nos Estados Unidos.

A má notícia é que Trump obteve 73 milhões de votos – o segundo total mais alto jamais registrado para um candidato presidencial – incrementando em mais de 9 milhões sua base eleitoral de 4 anos atrás, apesar de sua promoção de uma agenda populista de direito com todos os seus detalhes racistas e xenofóbicos (ainda assim, elevou seu número de eleitores latinos e afro-estadunidenses, alguns setores de mulheres e da comunidade gay) e seu manejo criminoso da pandemia. 

Como muitos concluem, derrotou-se Trump mas não o trumpismo e suas raízes e razões seguirão presentes. 

Não é que nada vá mudar. Por exemplo, Biden prometeu que de imediato renovará a proteção contra a deportação dos “sonhadores” – imigrantes que chegaram como menores de idade – afetando uns 700 mil, em sua maioria mexicanos; renovará a proteção temporária para centenas de milhares de imigrantes e proporá uma reforma para legalizar mais de 11 milhões de indocumentados, entre outras medidas. 

Ainda mais, prometeu reingressar imediatamente ao acordo de Paris sobre mudança climática e à Organização Mundial da Saúde, entre outras coisas. São mudanças limitadas mas significativas, e os que argumentaram que Trump e Biden davam no mesmo para o México e outros países latino-americanos talvez devesse consultar seus paisanos aqui dentro, como os jovens por todo o mundo que temem pelo futuro de seu planeta. 

Para os ativistas nos EUA, esta eleição não se tratou de uma contenda dentre Biden e Trump, mas sim um batalha para resgatar direitos básicos

Flickr / Joe Biden
O triunfo de Biden e Harris marca só o início da próxima etapa de luta para a democratização dos Estados Unidos.

Mas Biden não é nenhum salvador, e os progressistas não se esqueceram de que é um político neoliberal com uma longa carreira de 47 anos como representante fiel do establishment. Vale repetir que para o amplo leque de progressistas nos Estados Unidos, esta eleição não se tratou de uma contenda dentre Biden e Trump, mas sim um batalha para resgatar direitos básicos e outras conquistas sociais democráticas contra um assalto neofascista.

Biden faz campanha essencialmente oferecendo um “regresso à normalidade”. Mas progressistas coincidem que essa normalidade, produto de quatro décadas de neoliberalismo bipartidário, foi justamente o que levou a uma crise que culminou com o fenômeno de Trump.  

Mas, ao mesmo tempo floresceram forças progressistas que se expressaram através das campanhas de Bernie Sanders e outros, como movimentos sociais massivos incluindo os pela justiça racial, imigrante, ambientalistas, anti armas, de direitos indígenas, direitos das mulheres, e que não só foram fundamentais na derrota de Trump nesta eleição, mas são a chave para o futuro do país. 

O triunfo de Biden e Harris marca só o início da próxima etapa de luta para a democratização dos Estados Unidos, reiteram quase todas as forças progressistas que têm estado abordando o que significa reconstruir um país onde amplas capas sociais foram devastadas pelo neoliberalismo (incluindo algumas que formam parte da base de Trump). Sabem que será só por seus esforços de organização e mobilização constante que se conseguirão as mudanças necessárias para democratizar a fundo este país. Essa é a boa notícia. 

A má notícia é que, se fracassarem, advertem alguns como o jornalista Chris Hedges, poderia regressar um regime fascista cristão mais disciplinado que o de Trump, e portanto mais perigoso. 

O país que pretende ser “farol da democracia” para o mundo agora necessita do resto do mundo para acender e manter essa luz aqui dentro. 

“A coisa que fizemos mal é ficar no deserto demasiado tempo; o único que fizemos bem foi o dia que começamos a lutar”. Eyes on the Prize -Springsteen y Seeger Sessions 

https://open.spotify.com/track/6H58IiE3Pjg2V3CGTTYLFB?si=fx3OVHibRmyziBpqo4_HDQ


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

Lin Jian - China
China expõe contradições da UE sobre Direitos Humanos e critica interferências
sudao-refugiados
Fugir da guerra para passar fome nos países vizinhos: o martírio dos refugiados do Sudão
ngel Víctor Torres
Abandono da memória histórica deu espaço à ultradireita na UE, afirma ministro espanhol
berlim-afd-alemanha
Leste da Alemanha votou na ultradireita por revolta contra desigualdade, afirma especialista