Pesquisar
Pesquisar
Foto: X do Presidente dos EUA

Biden usa ofensiva do Irã como palanque eleitoral e finge defender direito internacional

De repente, o presidente dos EUA tornou-se o “comandante-chefe”, encabeçando as forças do bem no mundo, um nítido teatro em busca da reeleição
David Brooks
La Jornada
Nova York

Tradução:

Beatriz Cannabrava

Washington continua com a ilusão de que tem a autoridade moral para definir o que está bem ou mal no mundo, o que viola ou não o direito internacional. Faz grandes pronunciamentos, aplica sanções e ameaça com força militar os governos que não cumprem com a sua decisão sobre o que são as normas e as leis mundiais.

O presidente estadunidense e sua equipe denunciaram o ataque do Irã contra Israel deste fim de semana como violação à lei internacional. Biden regressou com grande urgência à Casa Branca no sábado (13) e emitiu uma foto dele e de sua equipe em um “quarto de situação”, sob uma coreografia teatral bélica já tão ensaiada e conhecida.

Leia também | Jogar comida em Gaza enquanto envia bombas a Israel é jogo macabro de Biden

Embora tudo tenha sido decorado com a retórica moral, não se pode descartar que muito disso tenha de fundo algo mais prático para um presidente que busca sua reeleição em novembro, e que está empatando ou perdendo nas pesquisas. Com isto, de repente, tornou-se o “comandante-chefe”, encabeçando as forças do bem no mundo.

Também ajudou a mudar a narrativa sobre a cumplicidade com o genocídio cometido por Israel, e em seu lugar, com a ajuda de quase todos os principais meios de comunicação, Gaza foi deslocada das primeiras páginas para ser substituída com “Israel sob ataque”. A retórica moral de defesa dos grandes princípios internacionais foi empregada agora contra o Irã, o inimigo do dia e adversário de tudo que é defendido por Washington.

Direito internacional e normas sagradas

Porém, como se comprovou repetidamente, os Estados Unidos decidem quando se aplica ou não o direito internacional e outras normas sagradas. Por exemplo, nunca denunciou o ataque ilegal de Israel contra o consulado do Irã na Síria, que foi a justificação de Teerã para sua resposta bélica este fim de semana.

Mais ainda, Washington tem negado que Israel esteja violando a lei internacional e humanitária em Gaza – algo quase universalmente condenado – mas continua fornecendo bombas e outras munições para continuar com o conflito. Até assombrou sua programação unilateral e falsa de que a resolução a favor de um cessar-fogo do Conselho de Segurança da ONU “não é vinculante”.

Leia também | EUA não vetaram cessar-fogo em Gaza, mas sabotam obrigação de que Israel cumpra resolução

Porém, essa parcialidade não é nada nova. Apenas nestes últimos 20 anos, a guerra lançada com propagandas oficiais contra o Iraque, as missões de assassinato por drones, os casos de tortura em Abu Ghraib e Guantânamo, os sequestros clandestinos de suspeitos por “terrorismo” ao redor do mundo – tudo isto violou o direito internacional e as normas, mas continua impune até hoje.

Os jornalistas e divulgadores que se atreveram a documentar ou divulgar estes atos e missões ilegais como Assange, Snowden, Manning, entre vários mais, têm sido presos ou exilados. Apesar de tudo isto, a retórica oficial continua sem mudança, com os Estados Unidos insistindo que é o guardião tanto prático como moral da liberdade, da democracia e da ordem internacional.

Leia também | Por que é em vão esperar que EUA deixem de apoiar genocídio em Gaza?

Chomsky resumiu a posição estadunidense sobre o direito internacional: “quando eles a fazem, é um crime; quando nós fazemos, não é”. “Gostamos da guerra… Gostamos da guerra porque somos bons nisso, e somos bons porque temos muita prática; este país só tem 200 anos e já tivemos 20 guerras maiores… E que bom que somos bons nisso; não somos bons em mais nada… Não podemos construir um autodecente… já não temos uma indústria siderúrgica, não podemos educar nossos jovens, não podemos oferecer saúde a nossos velhos, mas sim podemos bombardear até a merda teu país… Especialmente se o teu país está cheio de pessoas negras, essa é nossa nova prática: bombardear negros. Iraque, Panamá, Granada, Líbia, se tens alguns morenos em teu país, diga-lhes que estejam em alerta ou os vamos bombardear”.

O grande cômico George Carlin, quem também disse que “lutar pela paz é como trepar pela virgindade”. Ao que parece, a cúpula política estadunidense não se deu conta, ou não quer se dar conta, que para grande parte do mundo, e inclusive para muitos estadunidenses, sua autoridade, se alguma vez existiu, se tornou imoral.

La Jornada, especial para Diálogos do Sul – Direitos reservados.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

Trump
À frente em 5 estados-chave, Trump tira de Biden eleitores historicamente democratas
Carles Puigdemont (1)
Sugestão de Puigdemont após eleição na Catalunha cria tensão com governo Sánchez; entenda
Andrei Belousov - Rússia (1)
Rússia: bem-sucedida no front, estratégia militar vai se manter com novo ministro da Defesa
imigrantes-eua
Para agradar republicanos e democratas, Biden aprova medida que facilita expulsão de imigrantes