Pesquisar
Pesquisar

Biden volta atrás em sanções contra Rússia e aceita espécie de trégua com Moscou em 2022

Nem Vladimir Putin, nem Joe Biden vão ceder na defesa de suas conhecidas e antagônicas posições
Juan Pablo Duch
La Jornada
Moscou

Tradução:

Considerando que nem Vladimir Putin, nem Joe Biden iam ceder na defesa de suas conhecidas e antagônicas posições, os presidentes da Rússia e dos Estados Unidos – ao falar nesta terça-feira por telefone pouco mais de duas horas, menos o tempo que consumiu a tradução de suas palavras -, deixaram aberta a porta para que, dentro de um tempo razoável, tentativamente no começo do próximo ano, possam sentar-se para negociar suas diferenças, frente a frente, em uma cúpula presencial, na qual não poderá haver avanços sem concessões recíprocas. 

Entretanto, a escassa informação oficial de ambos os lados – escudando-se no caráter secreto da conversação dos mandatários e deixando de lado as filtrações interessadas que nunca faltam e pouco aportam – permite concluir que o Kremlin e a Casa Branca aceitaram dar-se uma espécie de trégua em seu confronto, agravado desde que a Rússia mobilizou parte importante de suas tropas e armamento convencional para a fronteira com a Ucrânia e este país, junto com os serviços de espionagem estadunidense, começaram a falar de um suposto plano de invasão russa em território ucraniano. Neste parêntesis de fim de ano, Moscou e Washington não vão tentar melhorar sua relação bilateral (nem sequer restabelecer o número de seu pessoal diplomático em cada país, diminuído pelas expulsões por “atividades incompatíveis com seu status”) mas tampouco empreender passos insensatos que pudessem desatar uma guerra em torno ao conflito da Ucrânia.

Nem Vladimir Putin, nem Joe Biden vão ceder na defesa de suas conhecidas e antagônicas posições

Wikimedia
Vladimir Putin e Joe Bide tiveram conversa por telefone nesta terça-feira (7)

Tudo indica que a Rússia se comprometeu a não começar uma operação militar contra seu vizinho eslavo, reservando-se o direito de intervir caso o exército ucraniano ataque as regiões rebeldes do sudeste desse país, o que poderia apresentar-se desde Washington como resultado exitoso da mediação do Biden. 

O visto desde Moscou, o qual se mostrará como grande triunfo de Putin, Estados Unidos ofereceu não aplicar nenhuma sanção econômica contra a Rússia nem fornecer mais armamento moderno a Kiev nem instalar tropas estadunidenses em território ucraniano. 

Portas adentro, fica a reação de Biden à proposta que com toda a segurança foi apresentada por Putin acerca do consenso em torno de um acordo juridicamente vinculante que outorgue garantias de segurança a todos os que assinarem, uma vez que a Rússia coloca como demanda prioritária  que os Estados Unidos e seus aliados aceitem pôr fim à expansão para o leste da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN).

Não é provável que Washington aceite renunciar às suas pretensões de hegemonia que encobre com a legítima aspiração das repúblicas ex-soviéticas, se chegado o momento de um referendo essa fosse a vontade majoritária de seus habitantes, de ingressar algum dia à OTAN, hipotética possibilidade que Moscou qualifica de linha vermelha que ninguém deve cruzar.

Na medida em que o tema da Ucrânia perca atualidade noticiosa e seja relegado a um segundo plano, tanto Putin como Biden quererão reunir-se para dar luz verde aos trabalhos dos grupos de funcionários e especialistas que acordaram criar há seis meses, em Genebra, para negociar distintos aspectos do controle de armamento, o que promete ser um complexo processo de estira e afrouxa até poder estabelecer um novo equilíbrio estratégico. 


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Juan Pablo Duch Correspondente do La Jornada em Moscou.

LEIA tAMBÉM

Trump
À frente em 5 estados-chave, Trump tira de Biden eleitores historicamente democratas
Carles Puigdemont (1)
Sugestão de Puigdemont após eleição na Catalunha cria tensão com governo Sánchez; entenda
Andrei Belousov - Rússia (1)
Rússia: bem-sucedida no front, estratégia militar vai se manter com novo ministro da Defesa
imigrantes-eua
Para agradar republicanos e democratas, Biden aprova medida que facilita expulsão de imigrantes