Pesquisar
Pesquisar

Bolívia apresenta munições enviadas por ex-presidentes Mauricio Macri e Lenín Moreno para apoiar golpe contra Evo

“O sucedido pode ser considerado uma reedição do denominado Plano Condor, uma campanha de repressão política e de terrorismo de Estado respaldada pelos Estados Unidos", diz diplomata
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
La Paz

Tradução:

O embaixador da Bolívia nas Nações Unidas, Diego Pary, qualificou como falta grave e violadora de tratados internacionais o envio ilegal de material bélico ao país em 2019, por parte da Argentina e do Equador. 

Entrevistado pela Bolívia TV, Pary enfatizou que houve intervenção de várias nações nos assuntos internos de seu país e que isso não é aceitável.

Leia também:

Documentos revelam que ex-presidente argentino Mauricio Macri enviou armas para apoiar golpe de Estado na Bolívia

O diplomata ressaltou que o ingresso de material bélico violou tratados internacionais e a Constituição Política do Estado. 

Material bélico enviado pelo governo argentino | Foto: Agência Boliviana de InformaçãoNesta segunda-feira (19), o ministro de Governo boliviano, Eduardo del Castillo, apresentou à imprensa parte das munições enviadas pelos ex-mandatários Mauricio Macri (Argentina) e Lenín Moreno (Equador) após o golpe de Estado contra o ex-presidente Evo Morales em novembro de 2019, encontradas nos depósitos da Polícia Boliviana.

Del Castillo precisou que em 13 de novembro deste ano ingressaram em solo boliviano, procedentes da Argentina, cerca de 27 mil cartuchos de balas de borracha, 28 gases aerossol MK-4, 19 gases aerossol MK-94, e dezenas de granadas de gás de diferentes tipos.

“O sucedido pode ser considerado uma reedição do denominado Plano Condor, uma campanha de repressão política e de terrorismo de Estado respaldada pelos Estados Unidos", diz diplomata

Jorge Mamani/ Agência Boliviana de Informação
ministro de Governo boliviano, Eduardo del Castillo, apresenta material bélico enviado por Equador e Argentina à Bolívia

Tráfico ilícito de armas

A partir da norma legal vigente, o titular de Governo acusou de tráfico ilícito de armas os ex-comandantes da Polícia Boliviana e da Força Aérea, Yuri Calderón e Jorge Terceros, respectivamente, assim como o ex-embaixador da Argentina na Bolívia, Normando Álvarez.

Sobre isso, no último domingo (18), o ministro da Defesa argentino, Agustín Rossi, afirmou que foi identificada a assinatura de Macri nos documentos de envio do material bélico. 

Macri foi acusado na última sexta-feira por contrabando agravado por enviar equipamento militar para apoiar a repressão na Bolívia após o golpe de Estado perpetrado contra Evo Morales.

Saiba+

Bolívia: Peritos internacionais vão investigar massacres ocorridos após golpe contra Evo

De acordo com o embaixador boliviano ante a Organização de Estados Americanos, Héctor Arce, a cooperação de alguns países conservadores contra um governo legalmente constituído e revolucionários na Bolívia “é um antecedente terrível e nefasto na luta pelos direitos humanos”. 

Para o diplomata, “o sucedido pode ser considerado uma reedição do denominado Plano Condor, uma campanha de repressão política e de terrorismo de Estado respaldada pelos Estados Unidos nos anos 70 do século passado”.

Redação Prensa Latina

Prensa Latina, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU
Haiti
Haiti: há pelo menos 20 anos comunidade internacional insiste no caminho errado. Qual o papel do Brasil?
Betty Mutesi
“Mulheres foram protagonistas na reconstrução da paz em Ruanda”, afirma ativista Betty Mutesi
Colombia-paz
Possível retomada de sequestros pelo ELN arrisca diálogos de paz na Colômbia