Pesquisar
Pesquisar

Bolsonarismo, fujimorismo, Opus Dei e Vox se reúnem no Peru em apoio a Dina Boluarte

A Fundação Disenso é o órgão a partir do qual o partido de ultradireita da Espanha pretende criar sua própria doutrina neoconservadora
Armando G. Tejeda
Diálogos do Sul
Madri

Tradução:

A extrema-direita estrangeira se mobilizou a favor da atual presidenta do Peru, Dina Boluarte, à qual lançou mensagens de “alento” para resistir, ao que eles consideraram “ações vandálicas” para “derrocar seu governo”, e assim se converta em um “exemplo” e “inspiração” para a resto da região. 

Os grupos neoconservadores ou neofascistas, que se congregarão na cidade de Lima nos próximos dias 29 e 30 são representantes do bolsonarismo, antigos fujimoristas, caras visíveis do Opus Dei e, é claro, o partido espanhol Vox, que está por trás da iniciativa. La Jornada teve acesso a uma parte do programa e da lista de convidados, embora ainda haja segredo em torno à reunião, sobretudo dos parlamentares que comparecerão. 

A Fundação Disenso é o órgão a partir do qual o partido de ultradireita da Espanha pretende criar sua própria doutrina neoconservadora

Wikimedia Commons
A presidenta do Peru, Dina Boluarte

Do México está previsto o comparecimento de representantes da Fundação Pátria Unida, criada pela ex-assessora do Partido Ação Nacional, Alice Galván, além de outros parlamentares da direita, que não confirmaram. 

Ademais, se apresentaram líderes de outras fundações e organizações sociais, e entre os convidados figura a criadora da associação mexicana Pátria Unida, Alice Galván.

Em sua carta de apresentação do encontro, os organizadores do fórum assinalam: “No Peru se trava uma batalha fundamental para o futuro da democracia em Ibero-américa”. 

A Fundação Disenso é o órgão a partir do qual o Vox pretende criar sua própria doutrina neoconservadora. Dentro dela, financiado com o tesouro espanhol e a União Europeia, é criada a “Carta de Madri”, na qual definem um território comum que chamam de “Iberosfera”, que é a área de influência para entrar, e seu objetivo é na Península Ibérica e na América Latina.

Armando G. Tejeda | La Jornada


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Armando G. Tejeda Mestre em Jornalismo pela Jornalismo na Universidade Autónoma de Madrid, foi colaborador do jornal El País, na seção Economia e Sociedade. Atualmente é correspondente do La Jornada na Espanha e membro do conselho editorial da revista Babab.

LEIA tAMBÉM

Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU
Haiti
Haiti: há pelo menos 20 anos comunidade internacional insiste no caminho errado. Qual o papel do Brasil?
Betty Mutesi
“Mulheres foram protagonistas na reconstrução da paz em Ruanda”, afirma ativista Betty Mutesi
Colombia-paz
Possível retomada de sequestros pelo ELN arrisca diálogos de paz na Colômbia