Pesquisar
Pesquisar

Bolsonaristas adiam tornar pedofilia crime hediondo e oposição indaga: Pintou um clima?

"O que aconteceu com os ‘defensores da família’? Bolsonaro pediu pra aliviar?, publicou o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) no Twitter
Walter Félix
Portal Vermelho
Brasília (DF)

Tradução:

A base de Jair Bolsonaro na Câmara impediu, nesta quarta-feira (19), a inversão de pauta do plenário para que fosse apreciado o projeto de lei (PL 1776/2015), que inclui a pedofilia no rol de crimes hediondos. O requerimento pedindo para que o projeto fosse colocado como primeiro item da pauta foi rejeitado por deputados bolsonaristas por 224 a 135 votos.

Ao encaminhar o voto a favor do requerimento para inversão da pauta, apresentado pela Bancada do PT, o vice-líder do PCdoB na Câmara, deputado Daniel Almeida (BA), ressaltou a importância de dar prioridade à proposta que coloca a pedofilia como crime hediondo.

“É muito importante considerar a pedofilia como crime hediondo. Esta prática está disseminada nas redes sociais, na sociedade, precisa ser fortemente combatida”, lembrou.

O parlamentar também citou o caso de Bolsonaro, que se referiu de forma imprópria a meninas de 14 ou 15 anos de idade, dizendo que havia “pintado um clima” entre eles.

Segundo Bolsonaro, não faz sentido pessoas passarem fome se governo dá Auxílio Brasil

“Tudo fica mais grave, quando um cidadão de mais de 60 anos visualiza meninas ‘arrumadinhas’, ‘pinta um clima’ e este cidadão é o presidente da República. Ele anuncia isso como se fosse algo normal. Não é normal! Precisa ser combatido”, disse.

Nas redes sociais, deputados da Bancada comunista condenaram a postura da base governista.


A vice-líder da Oposição, deputada Perpétua Almeida (PCdoB-AC) criticou a postura dos parlamentares que não aceitaram colocar a proposta em votação. “Só quero dizer uma coisa: O PL 1776/15 que inclui todos os casos de pedofilia como crime hediondo, foi rejeitado pelos deputados e deputadas que apoiam Bolsonaro”, escreveu.

O deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) usou o Twitter para questionar: “O que aconteceu com os ‘defensores da família’? Bolsonaro pediu pra aliviar? Será que PINTOU UM CLIMA para não PINTAR UM CRIME?”.

"O que aconteceu com os ‘defensores da família’? Bolsonaro pediu pra aliviar?, publicou o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) no Twitter

Senador Federal
Pelo texto, a pena deverá ser cumprida inicialmente em regime fechado, e o crime será insuscetível de anistia, graça, indulto e fiança

Em seu perfil na rede social, a deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) foi na mesma linha, em uma postagem que expõe o clima que se instalou nas hostes bolsonaristas às vesperas do segundo turno das eleições presidenciais:

“Resumo dos trabalhos da Câmara esta semana:
1. Governo apoia urgência para projeto que criminaliza institutos de pesquisa
2. Governo impede a votação de projeto que torna HEDIONDO o crime de PEDOFILIA.
É o que se chama legislar em causa própria né Jair PINTOU UM CLIMA Bolsonaro?”

A deputada Natália Bonavides (PT-RN) diz que bolsonoristas são hipócritas: “Tanta pressa pra criminalizar institutos de pesquisas e nenhuma pra combater a pedofilia? A prioridade deste governo nunca será a defesa das vidas!”.

A líder do PSOL na Câmara dos Deputados, Sâmia Bomfim (SP), afirmou que os deputados da base governistas têm como objetivo socorrer seu presidente. “Nunca foi sobre proteger crianças. Sempre foi sobre salvar Bolsonaro. Hipócritas!”, reagiu.


Projeto em análise

O relator do projeto, deputado Charlles Evangelista (PP-MG), apresentou parecer favorável, com ajustes no substitutivo aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ). Pelo texto, a pena deverá ser cumprida inicialmente em regime fechado, e o crime será insuscetível de anistia, graça, indulto e fiança.

Walter Félix | Portal Vermelho


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Walter Félix

LEIA tAMBÉM

Design sem nome - 1
Mortes, prisões e espionagem: jornalista palestina escancara ‘apartheid’ de Israel
Palestina-jovens
No 76° aniversário da Nakba, juventude internacional se levanta pela Palestina
Nakba
Crônica de uma Nakba anunciada: como Israel força “êxodo massivo” dos palestinos de Gaza
Questão-racial-Brasil (1)
Lima Barreto, 13 de maio e a questão racial no Brasil