Pesquisar
Pesquisar

Bolsonaro arrega, recorre a Temer, pede desculpas a Moraes e diz que nunca quis "agredir" STF

E ainda falou bem da China. Últimas 24 horas foram intensas. Sobrou tempo ainda para ele mandar áudio para caminhoneiros que... não acreditaram no PR
Vanessa Martina-Silva
Diálogos do Sul
Jundiaí (SP)

Tradução:

O imbrochável e incomível ocupante da cadeira presidencial arregou nos seus intentos golpistas — pelo menos por enquanto. Na tarde desta quinta-feira (9), Jair Bolsonaro divulgou uma nota desdizendo o que dissera “no calor do momento” e remarcando que nunca teve “intenção de agredir quaisquer dos Poderes”.

UFA! Podemos dormir tranquilas, caras leitoras! O inusitado da situação é que para redigir a carta à nação, ele chamou o maior escrivinhador de missivas que este país já pariu! Eu, se fosse você, teria cuidado, Naro!

Corre pelo Twitter um meme ótimo sobre o tema:

Na carta, Bolsonaro cita expressamente o ministro Alexandre de Moraes e o inquérito das fake news, do qual é relator. Será que é porque as investigações atingem diretamente a familícia e adjacências? Fica a reflexão.

Vamos lembrar que no ato na última terça-feira, feriado de 7 de setembro, em São Paulo, Bolsonaro chamou Moraes de “canalha”, disse que não mais cumpriria decisões do ministro, que a “paciência do nosso povo já se esgotou”  e que “ele tem tempo ainda de pedir o seu boné e ir cuidar da sua vida”.

Que a paciência já se esgotou, é verdade. Até quem não é de falar em impeachment, falou, pelo menos foi o que se ouviu reverberar pelo Palácio dos Bandeirantes:

Estrategista

O Portal UOL informa que Bolsonaro e Xandão (como os íntimos chamam o ministro Supremo) conversaram pelo telefone antes de a nota conciliatória ser divulgada. O diálogo também foi intermediado por Temer. 

O ex-vice-presidente foi chamado a Brasília para aconselhar os ineptos ocupantes do governo a como administrar os bloqueios que caminhoneiros fazem em parte do país — o nome da manifestação é locaute, na verdade, e é crime.

“Quero declarar que minhas palavras, por vezes contundentes, decorreram do calor do momento e dos embates que sempre visaram o bem comum”, diz o texto. 

Como se não bastasse a distopia, Bolsonaro tentou resolver a crise com os caminhoneiros que estão apoiando o governo, o que torna tudo ainda mais inusual, enviando um áudio para os líderes do movimento. Eles, porém, acharam que era piada e decidiram seguir com a paralisação. Segue o fio:

E ainda falou bem da China. Últimas 24 horas foram intensas. Sobrou tempo ainda para ele mandar áudio para caminhoneiros que... não acreditaram no PR

Montagem Diálogos do Sul
Após insuflar apoiadores no 7 de Setembro contra o STF e Alexandre de Moraes, Bolsonaro publica nota em que pede paz entre os poderes

E a China?

Ainda teve esse episódio! Depois de ter falado que coronavírus foi criado na China de propósito e de ter desdenhado da vacina chinesa, Bolsonaro mudou o tom diante do presidente comunista. Veja como ele fala manso com Xi Jinping:

Leia a íntegra da cartinha de BolsoTemer à nação:

 

Declaração à Nação

No instante em que o país se encontra dividido entre instituições é meu dever, como Presidente da República, vir a público para dizer:

1. Nunca tive nenhuma intenção de agredir quaisquer dos Poderes. A harmonia entre eles não é vontade minha, mas determinação constitucional que todos, sem exceção, devem respeitar.

2. Sei que boa parte dessas divergências decorrem de conflitos de entendimento acerca das decisões adotadas pelo Ministro Alexandre de Moraes no âmbito do inquérito das fake news.

3. Mas na vida pública as pessoas que exercem o poder, não têm o direito de “esticar a corda”, a ponto de prejudicar a vida dos brasileiros e sua economia.

4. Por isso quero declarar que minhas palavras, por vezes contundentes, decorreram do calor do momento e dos embates que sempre visaram o bem comum.

5. Em que pesem suas qualidades como jurista e professor, existem naturais divergências em algumas decisões do Ministro Alexandre de Moraes.

6. Sendo assim, essas questões devem ser resolvidas por medidas judiciais que serão tomadas de forma a assegurar a observância dos direitos e garantias fundamentais previsto no Art 5º da Constituição Federal.

7. Reitero meu respeito pelas instituições da República, forças motoras que ajudam a governar o país.

8. Democracia é isso: Executivo, Legislativo e Judiciário trabalhando juntos em favor do povo e todos respeitando a Constituição.

9. Sempre estive disposto a manter diálogo permanente com os demais Poderes pela manutenção da harmonia e independência entre eles.

10. Finalmente, quero registrar e agradecer o extraordinário apoio do povo brasileiro, com quem alinho meus princípios e valores, e conduzo os destinos do nosso Brasil.

 

DEUS, PÁTRIA, FAMÍLIA

 

Jair Bolsonaro

 

Presidente da República federativa do Brasil”.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Vanessa Martina-Silva Trabalha há mais de dez anos com produção diária de conteúdo, sendo sete para portais na internet e um em comunicação corporativa, além de frilas para revistas. Vem construindo carreira em veículos independentes, por acreditar na função social do jornalismo e no seu papel transformador, em contraposição à notícia-mercadoria. Fez coberturas internacionais, incluindo: Primárias na Argentina (2011), pós-golpe no Paraguai (2012), Eleições na Venezuela (com Hugo Chávez (2012) e Nicolás Maduro (2013)); implementação da Lei de Meios na Argentina (2012); eleições argentinas no primeiro e segundo turnos (2015).

LEIA tAMBÉM

Lula
Frei Betto | Para Lula, momento exige maior sintonia entre governo e movimentos sociais
Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
mães - palestina
Dia das Mães: algumas mães só querem a paz de presente, lembra ato pró-Palestina em Brasília
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização