Pesquisar
Pesquisar

Brasil deve ultrapassar EUA e liderar casos da Covid-19 no mundo, aponta estudo

Numero de casos deverá superar em meio milhão os que já foram registrados até o momento nos Estados Unidos
Redação Sputnik Brasil
Sputnik Brasil
Rio de Janeiro (RJ)

Tradução:

Publicada pelo jornal The Wall Street Journal, a pesquisa aponta que o número de infecções pela Covid-19 no Brasil pode chegar a 1,6 milhão, superando os 1,1 milhão de casos divulgados pelos EUA até o momento.

A apuração para o estudo contou com dados conhecidos e publicados pela comunidade científica até o último domingo (3), e teve a participação de instituições brasileiras, como a Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, da Universidade de São Paulo (USP).

“O Brasil já é o epicentro global do coronavírus”, declarou ao jornal dos EUA o especialista em modelagem computacional, análises numéricas e líder do Laboratório de Inteligência em Saúde da USP, Domingos Alves, que também integra o portal Covid-19 Brasil.

Numero de casos deverá superar em meio milhão os que já foram registrados até o momento nos Estados Unidos

Repórter Brasil
Número de infecções pela Covid-19 no Brasil pode chegar a 1,6 milhão.

Segundo a avaliação da Johns Hopkins, a subnotificação ocasionada pela baixa testagem da população é o que justifica os atuais números de infectados e de mortes no Brasil. De acordo com o levantamento, o Brasil realizou aproximadamente 1.600 testes por milhão de pessoas.

A título de comparação, os EUA – líder de casos e mortes no mundo, e acusado por não testar o suficiente – administram 20.200 testes por milhão, enquanto alguns países europeus estão realizando 30 mil.

Na semana passada, um levantamento feito pela agência AP com analistas brasileiros já apontava o potencial de que o Brasil seja o próximo epicentro do novo coronavírus no planeta.

O jornal dos EUA ainda ressalta que o aumento do medo pelo avanço da Covid-19 no Brasil se deve também às ações do presidente Jair Bolsonaro, um crítico amplo do isolamento social por afirmar que o trabalho e a economia deveriam ter o mesmo peso que os cuidados com a saúde – estratégia descartada por quase todas as nações, que seguem as orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Redação Sputnik Brasil

LEIA tAMBÉM

Congo-golpe-Christian-Malanga
Quem são e o queriam golpistas dos EUA mortos em ataque ao Congo em 19/5
Cuba-bloqueio
EUA mantêm Cuba como patrocinadora do terrorismo para afogar projeto cubano de soberania
Joseph-Stiglitz
Nobel de Economia defende reforma tributária nos EUA que cobre mais dos super riscos
Putin-Xi (1)
Do comércio à segurança, união China-Rússia ganha força e vira dor de cabeça para Ocidente