Pesquisar
Pesquisar

Brasil rumo à multipolaridade: o que esperar da reação dos EUA aos planos de Lula na China?

Operadores da defesa interna, comunidade acadêmica e especialistas nas relações internacionais sabem perfeitamente bem o que pode vir a ocorrer
Bruno Beaklini
Estratégia e Análise
Porto Alegre (RS)

Tradução:

Rumos do Brasil? – 1 

A delegação brasileira liderada pelo presidente Lula estava indo para a China, quase chegando na verdade, no exato instante em que começava a escrever estas palavras que resultam em artigo. Se metade dos acordos anunciados sair, já muda o jogo no país, no Continente e pode colocar o Brasil em rota de encontro com o capitalismo chinês e em colisão frontal com as projeções de poder dos EUA (https://www.washingtonpost.com/politics/2023/04/14/china-brazil-lula-xi-jinping/cad24430-da7e-11ed-aebd-3fd2ac4c460a_story.html).  

Continua após o banner

Não é pouco o que se apresenta. Os dois maiores desafios do planeta são reduzir a desigualdade socioeconômica e promover uma economia de baixo carbono. Por outro lado, em pleno ocidente, um quarto do eleitorado e boa parte das frações de classe dominante projetam o caos sem mais nem menos e a desagregação social através da manipulação de redes sociais – incluindo estas pelas quais trafegam as linhas aqui escritas. 

As saídas dos problemas do Brasil dentro de um capitalismo parcialmente soberano formam o sistema de solução para a América do Sul e talvez a América Latina toda. Até aí todos sabemos.

A incógnita é aferir qual a capacidade de melar o jogo das frações de classe dominante (o empresariado que não se poupou no apoio a Bolsonaro e cogitou golpe de Estado) ou arrivistas (como as elites políticas bolsonaristas) no cenário doméstico? Ou, o que o governo dos EUA vai fazer, estando ou não próximo da social-democracia brasileira (na lógica do “inimigo do meu inimigo pode ser meu amigo”)?

Considerando as “realizações” do governo Obama 1 e 2, com o Projeto Pontes e as operações de Lawfare que até o presente momento inviabilizam ao menos dois sistemas políticos (Argentina e Peru), podemos esperar tudo e mais um pouco.


Rumos do Brasil? – 2

O Brasil é um exemplo de “middle power”, e com propensão a “liderar” o bloco continental, senão em toda América Latina, ao menos na América do Sul e definitivamente no Cone Sul. Isso já quase ocorreu ao menos na virada do segundo governo Lula para o 1º de Dilma e agora em 2023 o desenho em termos do Sistema Internacional está ainda mais favorável.

Operadores da defesa interna, comunidade acadêmica e especialistas nas relações internacionais sabem perfeitamente bem o que pode vir a ocorrer

Foto: Ricardo Stuckert
Superpotência decadente se preocupa quanto a presença da China na economia e nas cadeias de alto valor agregado da América Latina

As condições para tal projeção de poder – e sem poderio militar incluído – estão mais que dadas, se e caso o país solucionar a sua asfixia com o rentismo e a vocação renovada de ser primário exportador. O alinhamento de FIESP e CNI com o novo governo, reeditando o pacto de classes de Lula e José Alencar, está sendo reeditado pelo atual presidente e o vice – várias vezes governador de 40% do PIB nacional – Geraldo Alckmin.

Alerto aos ufanistas de plantão que não se trata de tarefa fácil. O gargalo da relação Poder Executivo, Indústria e elite paulista foi o mesmo – O MESMO – que levou Vargas ao suicídio e pode estar sendo reeditado neste momento. Outro gargalo é o reconhecimento de que há uma parcela considerável do aparelho de Estado assumidamente protofascista, especialmente nas carreiras militares, jurídicas, correcionais e policiais. Exemplos não faltam. A bancada da bala e a Sessão da Tarde dos Horrores na Comissão de Segurança Pública da 3ª 11/04 (https://www.camara.leg.br/noticias/951902-audiencia-com-o-ministro-da-justica-na-comissao-de-seguranca-publica-termina-em-tumulto/), quando mais uma vez o senador eleito Flávio Dino (PSB/MA) e ministro da Justiça foi exposto em situações vexatórias e pantomimas é a prova disso. A laia bolsonarista pode não ter disposição para a defesa do país, mas para agir na luta intestina “topam tudo por mais recursos e espaços”. Qualquer semelhança com os “tigres da repressão política argentina” (como Alfredo Astíz – https://www.rtve.es/noticias/20111027/alfredo-astiz-represor-se-rindio-malvinas-sin-disparar-tiro/471339.shtml) e a vergonhosa conduta destes militares profissionais diante dos regimentos britânicos na Guerra das Malvinas (https://www.telam.com.ar/notas/202206/595340-rendicion-argentina-malvinas.html), não é nenhuma coincidência. 

Aí entra o outro fator. A “frente interna” de um processo nacional desenvolvimentista implica em um discurso de soberania nacional com perfil popular. Implica em luta popular – luta de classes – em pleno pacto social. Pode mudar, mas do jeito que está, sem classismo (que aponta para o avanço das conquistas populares) e sem mobilização de estilo nacional-populista (ratificando o pacto de classes mas com bandeiras de soberania e desenvolvimento), simplesmente a conta não fecha. De novo não fecha. 

Continua após o vídeo

Assista na TV Diálogos do Sul


Rumos 3 – Brasil, China e o multilateralismo ativo

O discurso do presidente Lula em Xangai (https://www.cartacapital.com.br/politica/o-discurso-de-lula-na-posse-de-dilma-rousseff-no-banco-dos-brics/) é muito revelador das possibilidades abertas do multilateralismo brasileiro. Não me surpreenderia alguma conversa informal entre a alta hierarquia diplomática do Ministério das Relações Exteriores do Brasil com a chancelaria da França, porque o recado do banqueiro Macron veio na semana anterior do anúncio da ampliação da carteira de projetos do Novo Banco de Desenvolvimento (NDB, na sigla em inglês), justo sob o comando da ex-presidenta Dilma Rousseff. Imediatamente os recados vieram, e não foram nada sutis. 

Não é a toa que o senador Sergio Moro (União Brasil/PR) já manifesta preocupação (https://twitter.com/SF_Moro/status/1646654799662792708), reproduzindo uma matéria do Washington Post com recados editoriais vindos diretamente do Departamento de Estado e do Pentágono (https://www.washingtonpost.com/world/2023/04/13/lula-foreign-policy/?utm_campaign=wp_main&utm_source=twitter&utm_medium=social). Supreendentemente, o ex-presidente dos EUA Donald Trump acerta na observação em entrevista para a Fox News em postagem difundida pelo deputado Eduardo Bolsonaro (PL/SP). O ex-dono e gerente de cassino afirma o óbvio (https://twitter.com/BolsonaroSP/status/1646584496639057920) quando diz: “nosso poder está na nossa moeda, se o mundo comercializar com moeda chinesa ou outras moedas, é como perder uma guerra mundial”. 

Será que a administração Joe Biden vai contar com o “deep state” para tentar conter o avanço da economia brasileira em um sistema multipolar? Ou vão apelar para o trumpismo tropical que já opera no Brasil e exerceu o Desgoverno Bolsonaro por vastos quatro anos, antecedido pela tenebrosa gestão Temer e o nefasto papel de militares de alta patente sob a batuta dos generais Sergio Westphalen Etchegoyen (liderando nas sombras) e o 01 no comando do Exército, Eduardo Dias da Costa Villas Bôas. Como já escrevemos anteriormente, a generala à frente do comando sul dos EUA nesta administração Joe Biden e Kamala Harris, Lt General Laura J. Richardson, repete por seguidas vezes a preocupação da superpotência decadente quanto à presença da China na economia e nas cadeias de alto valor agregado da América Latina (https://cuencahighlife.com/u-s-southern-command-general-warns-of-growing-chinese-influence-in-latin-america/). 

Continua após o banner

O alerta está feito e todos os operadores sérios da defesa interna, assim como a vultosa comunidade acadêmica e de especialistas no jogo duro das relações internacionais, sabem perfeitamente bem o que pode vir a ocorrer. Ainda que o momento político seja positivo – uma vez que a extrema direita se vê contra a parede e fraturada em todos os flancos –, não é possível novamente confiar de forma cega (ou seja, sem o devido preparo e antecipação de cenários) de outra traição da liderança industrial do país. A única saída da indústria é a única via de desenvolvimento do capitalismo brasileiro. Isso pouco ou nada tem relação com a luta de classes de forma direta (infelizmente), mas sim com a divisão internacional do trabalho e da criação de riquezas com garantia de prosperidade para mais da metade da população.

Não é pouco e para os EUA é muito, muito (https://www.washingtonpost.com/politics/2023/04/13/brazil-china-lula-xi/48d671e6-d9bf-11ed-aebd-3fd2ac4c460a_story.html)! A julgar pelo melancólico comportamento da defesa interna em 2009 – quando a metástase da Lava Jato e do Lawfare foi instaurado no Brasil e na América Latina – realmente é preciso preocupação e antecipação. 

Bruno Lima Rocha | Cientista político, jornalista e professor de relações internacionais (blimarocha@gmail.com / www.estrategiaeanalise.com.br)


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Bruno Beaklini

LEIA tAMBÉM

Lula
Frei Betto | Para Lula, momento exige maior sintonia entre governo e movimentos sociais
Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
mães - palestina
Dia das Mães: algumas mães só querem a paz de presente, lembra ato pró-Palestina em Brasília
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização