Pesquisar
Pesquisar

Brizola tinha razão

Antonio Máximo

Tradução:

Alcançar uma República, em nossa história já bem recheada de interpretações, do “patrimonialismo” ao “sentido da colonização”, do “homem cordial” ao “populismo”, à “colaboração de classes”, à “tutela militar” e “dependência associada”, (bastam tantas que já tenham sido atualizadas, agora, neste “presidencialismo de coalizão”), talvez dependa do amadurecimento das vísceras expostas que vivemos.

Antonio Máximo*
Antonio MáximoEm qualquer apostila está escrito: legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficácia, princípios fundamentais a reger o Estado Republicano.
Vale destacar a cozinha deste cardápio, preparada nos pratos servidos pela grande imprensa. De um lado o Globo, menos farisaico na defesa das “reformas”, do outro o “Estado de São Paulo”, tão hipócrita quanto a plutocracia que representa e que confunde atraso com conservadorismo e não hesita em jogar no ralo quaisquer escrúpulos na manutenção do vasco do Alvorada por considerá-lo o Condestável das “reformas”.
A propósito, Temer é fruto do “presidencialismo de coalizão” articulado a partir da “Carta aos Brasileiros”. E o que mais me surpreende é como se pode achar que o que caiu com a Dilma tenha sido, de fato, um governo de esquerda.
Brizola, um nacional-popular, no limite da radicalidade do espírito republicano, tinha razão quando dizia que certo tipo de esquerda era tudo do que a direita gostava.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Antonio Máximo

LEIA tAMBÉM

Lula
Frei Betto | Para Lula, momento exige maior sintonia entre governo e movimentos sociais
Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
mães - palestina
Dia das Mães: algumas mães só querem a paz de presente, lembra ato pró-Palestina em Brasília
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização