Pesquisar
Pesquisar

Busca de minerais em El Estor representa condenação à morte para guatemaltecos

Guatemala foi sequestrada por sua cúpula empresarial e casta política tão apodrecida como aqueles que condenaram a África a ser exemplo de miséria
Carolina Vásquez Araya
Diálogos do Sul
Cidade da Guatemala

Tradução:

Quando as potências põem seus olhos, seus capitais e sua influência nas riquezas de nações mais débeis e dependentes, é o momento em que estas nações deixam de sê-lo para transformar-se em colônias provedoras e engrossar o patrimônio de outros.

Esse colonialismo cru e sem dissimulo, ao qual nossos povos resistem desde suas débeis posições, arrasa com tudo, inclusive com o próprio conceito de soberania. Os exemplos da exploração de incríveis tesouros naturais no grande continente africano – com a consequente destruição de seus sistema políticos – deveriam abrir os olhos de sociedades mais bem providas de recursos.

Mas isso não acontece. O sistema político-econômico ao qual se tem condenado nosso continente e cuja causa tem sido a eliminação de líderes, a imposição de ditaduras de extrema direita (óbvias ou dissimuladas) e a miséria para as grande maiorias, foi aperfeiçoado a tal extremo que suas consequências passam inadvertidas após os argumentos do “investimento estrangeiro” como a grande panaceia para alcançar o desenvolvimento. Esta falácia é repetida em todos os discursos, cobrindo a extensão completa do leque político.

O panorama de El Estor, na Guatemala, é um dos exemplos mais representativos deste cenário de exploração crua e sem paliativos. Militariza-se a zona de exploração mineira, estabelece-se um estado de sítio, criminaliza-se toda ação comunitária, reprime-se a imprensa e se dedica o apoio incondicional da força pública à tarefa de “limpar o terreno” para evitar inconvenientes às companhias suíça e russa que tomaram conta dele, com a plena colaboração dos 3 poderes do Estado.. 

As imagens da exploração e saque das “terras raras” de El Estor são pavorosas. Mas isto não é novo nem desconhecido em outras regiões deste país, caracterizado por suas incríveis paisagens e seus enormes recursos naturais.

Guatemala foi sequestrada por sua cúpula empresarial e casta política tão apodrecida como aqueles que condenaram a África a ser exemplo de miséria

Pledge Times
O panorama de El Estor, na Guatemala, é um dos exemplos mais representativos deste cenário de exploração crua e sem paliativos.

Guatemala foi sequestrada por sua cúpula empresarial com a cumplicidade de uma casta política tão apodrecida como aqueles que condenaram a África a ser exemplo de miséria, morte e aniquilação de seu patrimônio.

A busca de minerais valiosos representa uma condenação à morte para um dos países mais belos do continente. Mas isso não é tudo: essa colonização por parte das grandes corporações não deixa nada para os donos da riqueza; só deixa a prostituição de seus entes políticos e uma sociedade emudecida, temerosa e submetida à violência cotidiana.

Nas redes sociais se pode observar à Polícia Nacional Civil – uma força repressiva que não aporta segurança à cidadania, por ser outro dos entes mais corruptos – trotando como cães amestrados ao lado das enorme gôndolas da companhia mineira, enquanto no resto do país as quadrilhas e as organizações criminosas operam à vontade.

O desempenho das autoridades, começando pelo mais débil, imoral e corrupto dos presidentes da região, está centrado no saque do pouco que vai sobrando na Guatemala, depois de uma larga corrente de administrações caracterizadas por seu comportamento delinquencial. 

Melhor arma contra opressão, Feira Internacional do Livro é sabotada por elite na Guatemala

Os povoadores de El Estor – que, por certo, é uma das mais belas paragens desta nação centro-americana – vivem em um ambiente de repressão e temor pelo simples fato de opor-se à destruição de seu entorno, ao roubo descarado de seus recursos e à repressão injusta imposta pelo governo.

Amparada por uma sentença da Corte de Constitucionalidade, a qual em 2020 declarou suspensas as operações da mineradora, a comunidade de El Estor exige, em seu pleno direito, a retirada da companhia mineradora e o término dos operativos repressivos impostos pelo governo de maneira inconstitucional.

É importante apontar que o operativo dessas companhias descansa, ao que parece, sobre um convênio ilegal e ilegítimo, cujo único propósito é engrossar os bens mal havidos do mandatário e sua quadrilha. 

A única coisa que deixarão as operações mineiras é destruição, mais miséria e menos água

Carolina Vásquez Araya, Colaboradora de Diálogos do Sul da Cidade da Guatemala

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Carolina Vásquez Araya Jornalista e editora com mais de 30 anos de experiência. Tem como temas centrais de suas reflexões cultura e educação, direitos humanos, justiça, meio ambiente, mulheres e infância

LEIA tAMBÉM

Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU
Haiti
Haiti: há pelo menos 20 anos comunidade internacional insiste no caminho errado. Qual o papel do Brasil?
Betty Mutesi
“Mulheres foram protagonistas na reconstrução da paz em Ruanda”, afirma ativista Betty Mutesi
Colombia-paz
Possível retomada de sequestros pelo ELN arrisca diálogos de paz na Colômbia