Pesquisar
Pesquisar
Foto: Wisam Zoghbour

Campo de refugiados de Jabalia, em Gaza, tem “cheiro de morte” após saída das tropas de Israel

Odor é resultado dos corpos em decomposição; extensão da grande destruição em Jabalia reflete o profundo ódio israelense contra a região
Wisam Zoghbour
Diálogos do Sul Global
Gaza

Tradução:

A cena de destruição no Campo de Refugiados de Jabalia, ao norte da Faixa de Gaza, após a retirada das forças ocupantes, parece como se um terremoto tivesse atingido todos os cantos do pequeno campo. Esta cena é a imagem marcante e mais proeminente na mente das pessoas, e a língua pode falhar em descrevê-la.

O cheiro da morte permeia o ar e a cena de destruição se manifesta em todos os lugares no Campo de Refugiados de Jabalia, em suas ruas, becos e vielas, como resultado da decomposição de alguns corpos dos mártires, e não se pode encontrar qualquer pessoa passando pelo campo, seja uma casa, um apartamento residencial, um prédio ou uma loja, que não tenha sido afetada pela destruição.

Leia também | Pogroms, censura, manipulação midiática: o que Ocidente esconde sobre o genocídio palestino

No entanto, a característica predominante das forças ocupantes é o assassinato, a destruição, o vandalismo, a intimidação e o tormento infligido a cada palestino e seus bens, para aterrorizá-los e forçá-los ao deslocamento e à expulsão, especialmente após o fracasso das tentativas de fome, sede e intimidação. Todos aqueles que encontrei durante minha visita ao Campo de Refugiados de Jabalia, em 31 de maio de 2024, após a retirada israelense, expressaram sua determinação em resistir e retornar, apesar do que ali se passou, e sua insistência em permanecer e reconstruir, apesar da magnitude do crime.

A extensão da grande destruição no Campo de Refugiados de Jabalia reflete o ódio israelense profundo ao campo, especialmente porque o campo em si foi o mesmo que testemunhou o início da Intifada das Pedras, em 1987, e o mesmo que infligiu e impôs grandes perdas ao inimigo israelense em cada incursão ou invasão, e o mesmo que ensinou ao mesmo inimigo lições de sacrifício e redenção.

Relatos 

A Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina no Oriente Próximo (UNRWA) relatou ter recebido, nas últimas semanas, relatórios chocantes de Jabalia sobre crianças mortas e feridas enquanto buscavam abrigo em suas escolas, explicando que os relatórios falavam sobre a destruição de seus escritórios devido a ataques aéreos israelenses e sua pilhagem por soldados israelenses. A UNRWA apelou pelo fim dos ataques às suas instalações e para que os países do mundo ajam para responsabilizar os perpetradores dos crimes israelenses.

A política de duplo padrão e hipocrisia internacional em relação ao que está acontecendo na Faixa de Gaza, com seus crimes de genocídio e crimes contra a humanidade, reflete a falsidade da comunidade internacional e seu apoio cego ao lado da ocupação e dos criminosos em detrimento das vítimas, e confirma a incapacidade das organizações internacionais e das Nações Unidas em fornecer proteção internacional ao povo palestino.

Leia também | Impunidade de Israel ameaça credibilidade da Justiça Internacional

O que continua acontecendo na Faixa de Gaza viola o direito internacional humanitário, os princípios dos direitos humanos e as resoluções legítimas do direito internacional, e alcança o status de crimes de guerra e crimes contra a humanidade, conforme descrito pelo Tribunal Penal Internacional. São crimes de genocídio, de acordo com as ordens emitidas pela Corte Internacional de Justiça, o que requer do Tribunal Penal Internacional agir rapidamente, emitindo mandados de prisão contra Netanyahu, Galant e sua equipe de guerra para enfrentarem a punição pelo que cometeram contra nosso povo e contra a humanidade como um todo, e requer da Corte Internacional de Justiça acelerar a aplicação das ordens para forçar o Estado de Ocupação a cessar a guerra de genocídio na Faixa de Gaza e permitir a entrada de ajuda humanitária, a abertura de passagens e garantir a reconstrução do que foi destruído pela ocupação.

Edição: Alexandre Rocha


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Wisam Zoghbour Diretor da Revista Liberdade de Gaza (Al-Hurriya) e membro do Secretariado-Geral do Sindicato dos Jornalistas Palestinos.

LEIA tAMBÉM

narendra-modi
Índia: Narendra Modi chega a 3º mandato enfraquecido e com rastro de autoritarismo
Neoliberalismo
Thatcher 2.0? Think tank Atlas Network invade Europa com negacionismo e ultra liberdade de mercado
Jesus-Chuy-Garcia
Vítimas da violência no México e nos EUA se unem contra armamentismo estadunidense
emmanuel-macron
Enquanto fascismo avança, Macron equipara esquerda à extrema-direita e rejeita frente popular