Pesquisar
Pesquisar

Cannabrava | Brasil: aumento da população de rua é a "maravilha" do capitalismo de Guedes

Não há um centro urbano sem população marginalizada. Além disso, famílias inteiras, com crianças e idosos, são forçadas a viver nas ruas, sem proteção
Paulo Cannabrava Filho
Diálogos do Sul Global
São Paulo (SP)

Tradução:

Segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), fundação de assessoramento ao governo, em 2020 havia 221.869 moradores de rua em todo o Brasil. Hoje, principalmente depois das paralisações promovidas pela Lava Jato e pela pandemia da Covid 19, é muito maior, mas ainda não dispomos de dados.

Maravilhas do neoliberalismo para reiterar a certeza de que o capitalismo mata. Não há hoje um centro urbano sem parte da população marginalizada, nas periferias. Além disso, famílias inteiras, com crianças e idosos, forçadas a viver nas ruas, sem a menor proteção. 70% dormem nas ruas e ainda sofrem todo tipo de discriminação.

Em 2009 eram 32 mil, já era um absurdo. De 2012 a 2020 foi de 92.515 para os 222 assinalados, um incremento de 139%. Quantos mais terão sido cominados a ir pras ruas como consequência das paralisações e desempregos?

Na capital de São Paulo, segundo a Prefeitura, em janeiro de 2022 eram 31.884 os moradores de rua. Em 2019 eram 24.344, um incremento de 31% em dois anos. Outros 3 mil compõem a Cracolândia, a maioria vivendo também nas ruas.

Não há um centro urbano sem população marginalizada. Além disso, famílias inteiras, com crianças e idosos, são forçadas a viver nas ruas, sem proteção

Unifesp
Brasil: aumento da população moradora nas ruas é uma das "maravilhas" do capitalismo neoliberal de Guedes

Movimento Nacional de População de Rua

Não só discriminação. Morte também. Até onde chega a maldade dessa sociedade racista, pois são manifestações explícitas de racismo. O Movimento Nacional de População de Rua, nasceu em agosto de 2004, fruto da indignação provocada pelos maus tratos infligidos a 15 pessoas e a morte de 7 em situação de rua na Praça da Sé, em frente à catedral de São Paulo.

Antes do Massacre da Praça da Sé, num 23 de julho, há 29 anos, não há como esquecer a Chacina da Candelária em que 8 crianças e adolescentes em situação de rua foram executadas a tiros pela PM

Dia 19 de agosto ficou como Dia Nacional de Luta da população em situação de rua, está para ajudar a organizar esse povo e lutar contra a invisibilidade decretada pelos poderes públicos. Rapidamente se estendeu por vários estados.

Movimento dos Sem Teto do Centro (MSTC), dirigido por Carmem Silva, integra mais de duas mil pessoas. Moradia não significa propriedade, significa direito. Direito a um teto com todos os recursos, direito à escola e ao emprego. Essa é a luta.

Paulo Cannabrava Filho, jornalista e editor da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul

 


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Paulo Cannabrava Filho Iniciou a carreira como repórter no jornal O Tempo, em 1957. Quatro anos depois, integrou a primeira equipe de correspondentes da Agência Prensa Latina. Hoje dirige a revista eletrônica Diálogos do Sul, inspirada no projeto Cadernos do Terceiro Mundo.

LEIA tAMBÉM

Jorge Glas
Equador: estado de Jorge Glas é "extremamente grave" e prisão constitui "tortura", alerta defesa
Sudão-Darfur-fome
Limpeza étnica e bola de barro para saciar a fome: entenda a crise em Darfur, no Sudão
Ossos-LWSB
Junto à fábrica de munições construída por Israel na Guatemala, o maior centro de extermínio do país
Primeiro-ministro-georgia-Irakli-Kobakhidze
Projeto de lei na Georgia que anula direitos LGBT+ visa eleições; intolerância atinge 90% da população