Pesquisar
Pesquisar

Cannabrava | Carta de empresários e líderes da sociedade civil foi para endereço errado

Deveria ter sido enviada a Brasília, não a Washington; causas da degradação do meio ambiente no Brasil estão aqui e têm endereço certo
Paulo Cannabrava Filho
Diálogos do Sul
São Paulo (SP)

Tradução:

Um grupo de pessoas enviou uma carta ao presidente dos Estados Unidos. Provoca-me um misto de vergonha e horror. Pedir misericórdia ao mandatário de uma potência imperial que nos subjuga. Acham o que? Que Washington mudaria de planos para atender a uns bobocas brasileiros?

Empresas e organizações da sociedade civil enviaram carta aberta ao presidente e congressistas dos Estados Unidos pedindo aprovação do AMAZON 21 Act, um fundo de US$ 9 bilhões para combater o desmatamento na Amazônia.

Lá as cartas já foram dadas. O problema é aqui.

Facebook derrubou mais de 60 perfis fakes de militares com mentiras sobre Amazônia

Carta como essa é para ser enviada aos 15 generais que conformam o alto comando do Exército, a quem se pode exigir que cumpra com seus deveres constitucionais. 

Carta como essa é para ser enviada para os comandantes da Marinha e da Aeronáutica, exigindo que parem de ser coniventes com a destruição da Amazônia. 

Carta ao Estado Maior das Forças Armadas inquirindo: como é que podem pactuar com a entrega da soberania?

“O Brasil concentra dois terços da floresta amazônica, a maior floresta tropical do mundo. Mais de 75% da floresta perdeu a resiliência desde o início do século XXI”, dizem os signatários, para logo acrescentarem que entre agosto de 2020 e julho de 2021, o bioma perdeu mais de 13,2 mil km², segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Prodes/Inpe), um avanço de 22%. Mencionam também que cerca de “17% das florestas amazônicas foram convertidas para outros usos e pelo menos outros 17% foram degradadas. Esta perda pode comprometer o papel do bioma nos ciclos globais de água…” e por aí segue…

Gente. As causas dessa degradação estão aqui e têm endereço certo. Essa carta foi enviada para o endereço errado. Deveria ter sido enviada ao presidente e aos congressistas sediados em Brasília, não em Washington.

Assista na TV Diálogos do Sul

Carta como essa deveria ser enviada para as empresas, para os advogados, para os executivos dos grandes bancos e financeiras, aos dirigentes partidários.

Humilhar-se pedindo 9 bilhões de dólares, algo em torno 45 bilhões de reais. Um nada. Quantia igual ao que foi o lucro da Petrobras em mãos espúrias no 1º trimestre deste ano (R$ 44,5 bilhões). O lucro líquido dos 4 maiores bancos em 2021, de R$ 81,62 bilhões, se taxado em 50% daria com sobra para financiar esse fundo.

Deveria ter sido enviada a Brasília, não a Washington; causas da degradação do meio ambiente no Brasil estão aqui e têm endereço certo

Gage Skidmore – Flickr

Segurança? Justiça? Emprego? É o que deveria ser cobrado às autoridades imperialistas dos Estados Unidos e aos dirigentes servis de Brasília

Muita gente importante firmando essa carta que não serve para nada.

O mais correto seria fazer um abaixo assinado de gente poderosa pedindo a manutenção e reequipamento do Inpe e um “fora Elon Musk”, que quer se assenhorear do sistema de comunicação sobre a Amazônia. Exatamente sobre a Amazônia que os preocupa, estão tirando o Inpe para colocar uma empresa estrangeira interessada em explorar as riquezas minerais da região.

Quem é Musk, tratado como herói? Musk é a própria varejeira, ávida de desovar no nosso território.

Assista na TV Diálogos do Sul

Façam carta aos congressistas em Brasília exigindo que se cumpram as leis de proteção ao meio ambiente. Mas, se os congressistas são os próprios predadores… Cabe a sociedade civil não mais financiá-los, não mais votar neles.

Carta aos generais e demais oficiais que controlam o Poder Executivo exigindo a manutenção do ensino público gratuito e de qualidade. Esses caras, desde a adolescência, estudaram em colégios militares públicos, se formaram na Academia Militar de Agulhas Negras, Aman, em Resende, no Rio de Janeiro, tendo casa e comida, assistência à saúde e ainda ganhando um soldo. Tudo às custas do povo brasileiro. É muita sem-vergonhice esses caras, que vivem sustentados com dinheiro público, pretenderem cobrar o ensino do povo que o sustenta. É demais de acintoso. 

Esse mesmo congresso, em Washington, a quem foi dirigida a carta, acaba de aprovar a liberação de US$ 40 bilhões (R$ 200 bilhões) para a guerra que está a massacrar o povo ucraniano e a arrasar com a economia dos países europeus. Merecem nosso desprezo.

Esse mesmo presidente destinatário da carta é quem quer realizar uma reunião de cúpula das Américas só com seus áulicos. Deveriam pedir a ele que respeite o Direito Internacional e os sagrados princípios da não intervenção e da solução pacífica das controvérsias. Desta vez o tiro de Biden está pela culatra. Dos 35 países das Américas e Caribe, até agora parece que só 5 confirmaram e 10 estão em cima do muro. 

Casa Branca confirma exclusão de Cuba, Venezuela e Nicarágua da Cúpula das Américas

Escrevam rechaçando não a OEA, mas todo o Sistema Interamericano que só serve aos interesses dos Estados Unidos. Agora nos toca fortalecer a Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac), o Mercosul e a União de Nações Sul-Americanas (Unasul), juntar essa força de Nossa América aos Brics e acabar de vez com as hegemonias imperiais, com o Norte rico às custas do Sul pobre explorado. 

Chega de colonialismo, chega de servidão intelectual.

É incrível, mas ainda há muita gente que pretende emular aqui o que veem como sociedade ideal estadunidense. Que sociedade é essa? Já foi o tempo em que todo mundo queria ser classe média consumista como o ianque. É o reino da desigualdade, do apartheid, do McCarthyism, dos senhores das guerras.

Uma sociedade em que a cada cinco dias ocorre uma chacina em escolas de crianças. Foram 27 só neste ano, com esta em que um menino de 18 anos matou 19 crianças e dois adultos, sendo uma professora. Foi no Texas. O que é o Texas? Texas era México, usurpado por meio da ocupação por colonos.

Não é só o Texas. Na realidade, os EUA tomaram mais da metade do território mexicano, o que é hoje Califórnia, Nevada, Utah, Arizona, Novo México e Texas. Quando os texanos se rebelaram, foram massacrados. Ser mexicano é guardar uma grande magoa com relação ao sofrimento imposto pela potencia do Norte. 

Assista na TV Diálogos do Sul

O Brasileiro não percebeu ainda que o seu sofrimento, como o do mexicano, tem a mesma origem e causa. Sem dar um tiro, os Estados Unidos tomaram conta dos centros de decisão e transformaram as Forças Armadas em tropas pretorianas a proteger seus interesses. E estamos forjando uma sociedade muito semelhante, insensível, inculta, preconceituosa, predadora, genocida.

Disputando manchetes com o massacre no Texas, temos mais um massacre no Rio de Janeiro: 26 mortos na Vila Cruzeiro, Complexo da Penha, Zona Norte, por um batalhão da PM, Bope. Nenhum preso, nenhum policial ferido. A ação visava prender chefes do Comando Vermelho ali reunidos. Era para prender? Entraram matando. Nada diferente da chacina em Jacarezinho, em que foram mortas 28 pessoas em 2021; ou daquela da Vila Operária, em 1998, em que foram mortas 23 pessoas. 34.654 roubos perpetrados na capital de São Paulo nos últimos 90 dias. Mata Atlântica devastada, não é só a Amazônia, é também o Cerrado, o Pantanal, nossos rios e mares.

Segurança? Justiça? Emprego? É o que deveria estar sendo cobrado pelos signatários da carta às autoridades imperialistas dos Estados Unidos e aos dirigentes servis de Brasília.

Deveriam escrever para os assassinos econômicos que ocupam o Ministério da Economia, mostrando que o rumo adotado, longe de mover a economia, só vai aprofundar a crise. Deveriam protestar contra o absurdo de uma taxa básica de juros em 13,25%. 

Segundo o especialista Gabriel Leal de Barros, em entrevista ao Poder 360, com a Selic nesse nível, o custo da dívida sobe R$ 580,1 bilhões, ou seja, a cada 1 ponto percentual, aumenta em R$ 387,3 bilhões a dívida pública, que supera R$ 7 trilhões, girando em torno de 80% do PIB.

A sociedade civil tem poder para exigir o câmbio de rumo na política econômica, retorno a um ciclo virtuoso de desenvolvimento, com investimento público em infraestrutura e financiamento barato para produção agrícola e industrial.

Paulo Cannabrava Filho é editor da Diálogos do Sul.


Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Paulo Cannabrava Filho Iniciou a carreira como repórter no jornal O Tempo, em 1957. Quatro anos depois, integrou a primeira equipe de correspondentes da Agência Prensa Latina. Hoje dirige a revista eletrônica Diálogos do Sul, inspirada no projeto Cadernos do Terceiro Mundo.

LEIA tAMBÉM

Lula
Frei Betto | Para Lula, momento exige maior sintonia entre governo e movimentos sociais
Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
mães - palestina
Dia das Mães: algumas mães só querem a paz de presente, lembra ato pró-Palestina em Brasília
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização