Pesquisar
Pesquisar

Cannabrava | Direita precisa agir contra golpe; seus partidos tampouco vão sobreviver

Não aceitar o resultado das urnas é o anúncio de um novo Pacote de Abril, conjunto de leis decretadas por Ernesto Geisel e que fechou o Congresso, em 1977
Paulo Cannabrava Filho
Diálogos do Sul
São Paulo (SP)

Tradução:

Eu fico a imaginar a situação dos 30 diplomatas convidados e cominados a ouvir as diatribes de Bolsonaro contra o sistema eleitoral. É muito constrangedor. O que fazer? Comunicar a seus governantes que a democracia no Brasil acabou, que está anunciado um golpe com todas as letras. Ou será que falta alguma?

Mais constrangedor é para os parlamentares, como os presidentes da Câmara e do Senado, Arthur Lira e Rodrigo Pacheco, empenhados que estão na reeleição de seus pares. Será que caiu a ficha? 

Assista na TV Diálogos do Sul

A direita tem que se dar conta de que para existência de seus partidos é preciso que as instituições sobrevivam. Tem que haver institucionalidade para que funcione, inclusive, essa democracia de fancaria.

Não aceitar o resultado das urnas é o anúncio de um novo Pacote de Abril, conjunto de leis decretadas por Ernesto Geisel e que fechou o Congresso, em 1977

Antonio Cruz | Agência Brasil
Edson Fachin, ministro do STF diz: basta! “É hora de dar um basta à desinformação e ao populismo autoritário”. E daí?

Não aceitar o resultado das urnas é o anúncio de um novo pacote de abril, conjunto de leis decretadas por Ernesto Geisel e que fechou o Congresso, em 1977. Aí não sobra para ninguém. Será que caiu a ficha? 

Alerta: A embaixadores, Bolsonaro mente sobre eleições e eleva risco de golpe a novo patamar

Edson Fachin, ministro do STF diz: basta! “É hora de dar um basta à desinformação e ao populismo autoritário”. E daí? Vai derrubar o governo que existe por ação direta de vossas majestades, digo cumplicidade de vossas magistraturas?

Agora é tarde. Ninguém mais acredita neles, desmoralizados a cada dia pelos militares que ocuparam o poder para ficar.

A tempestade é perfeita para uma virada completa na situação. Virada com o povo organizado em torno de uma frente de salvação nacional, entendendo que a luta é de libertação nacional. 

Luta que começa dentro de cada um de nós, a libertar-se primeiro da servidão intelectual, descolonizar nosso pensamento e construir um projeto de país junto com o povo em rebeldia.

Paulo Cannabrava Filho é jornalista latino-americano e editor da Diálogos do Sul.


Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Paulo Cannabrava Filho Iniciou a carreira como repórter no jornal O Tempo, em 1957. Quatro anos depois, integrou a primeira equipe de correspondentes da Agência Prensa Latina. Hoje dirige a revista eletrônica Diálogos do Sul, inspirada no projeto Cadernos do Terceiro Mundo.

LEIA tAMBÉM

Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
mães - palestina
Dia das Mães: algumas mães só querem a paz de presente, lembra ato pró-Palestina em Brasília
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização
Lula - 1 de maio
Cannabrava | Lula se perdeu nos atos de 1º de maio