Pesquisar
Pesquisar

Cannabrava | Evasão escolar e pobreza são verdadeiro genocídio da juventude brasileira

Desafio é enorme, mas soluções estão dadas na teoria e na prática dos nossos grandes mestres da educação como Anísio Teixeira, Darcy Ribeiro e Paulo Freire
Paulo Cannabrava Filho
Diálogos do Sul
São Paulo (SP)

Tradução:

Resultados do Censo divulgado nesses dias pelo IBGE mostram que a população diminuiu em relação às estimativas dos estatísticos. Frustrando uma previsão de 214 milhões de pessoas, foram registradas 203 milhões, um crescimento de 0,52%, pela primeira vez abaixo de 1%, a menor taxa nos 150 anos de história do órgão.

O Censo mostra um povo envelhecendo, com a população economicamente ativa diminuindo por falta de reposição pelos mais jovens. Em outras palavras, faltam jovens e falta vontade de constituir família, o que é muito grave para as pretensões de retomada do desenvolvimento.

Continua após o banner

Outro fato que se observa é que os velhos estão servindo de arrimo de família. A aposentadoria e pensão dos idosos garante a sobrevivência. Filhos que viviam sozinhos e mesmo os já constituídos em matrimônio estão voltando a viver com seus pais, maneira de dividir os gastos nessa época de crise sistêmica.

Isso decorre da natureza injusta do capitalismo selvagem resultante do pensamento único imposto pelo capital financeiro, a dominar a mídia e inclusive as universidades. Retomar o pensamento crítico é fundamental para a necessária retomada do desenvolvimento.

Leia também: Cannabrava | Maior parte dos brasileiros é analfabeta funcional. E nós com isso?

Desenvolvimento requer gente e gente qualificada. Este é o grande desafio. Recuperar o atraso a que foi relegado o sistema de educação vitimando a juventude, ou seja, o futuro da nação.

Isso se vê com a quantidade de jovens perfilando as filas dos Nem Nem: 49 milhões na faixa etária de 15 a 29 anos, 20% da população jovem, nem estuda, nem trabalha. Grande parte deixou de estudar por estar desempregada.

A má educação reflete na má qualidade de vida. A juventude está ficando obesa, devido a má alimentação e maus hábitos. Como não temos escolas de tempo integral, as crianças se alimentam mal, e induzidas pela propaganda e falta de dinheiro, comem porcarias industrializadas e não fazem atividade física. O índice de jovens obesos saltou de 9% para 17,1%, aumento de 90%.

Continua após o vídeo

Assista na TV Diálogos do Sul

A má educação reflete também na produtividade do trabalho. Entre 64 países pesquisados, o Brasil está na 61º posição, entre os piores do mundo.

A escola idealizada pelos nossos mestres, como Anísio Teixeira, Darcy Ribeiro e Paulo Freire, é de tempo integral, oferece três ou quatro refeições diárias, assistência médica e dentária, esporte, artes, lazer e acompanhamento no estudo das diversas disciplinas.

O que estão fazendo com nossa juventude é nada menos que um verdadeiro genocídio, pois os Nem Nem, analfabetos funcionais em grau máximo, estão socialmente mortos. 9 milhões com mais de 15 anos são totalmente analfabetos, dos quais o número de negros é o dobro em relação aos brancos.

O Censo Escolar de Educação Básica de 2022 aponta que 1,04 milhão de estudantes dos 4 aos 17 anos estavam fora da escola. Os maiores níveis se concentram entre crianças dessa faixa etária, com expressiva evasão na adolescência.

  • 4 anos:                   399.290

  • de 5 a 6 anos:       151.985

  • de 14 a 16 anos:    250.497

  • 17 anos:                  241.641

Segundo Gabriel Salgado, coordenador de Educação do Instituto Alana, o problema da evasão escolar mostra uma fragilidade do Estado na tarefa de garantir vaga à população, sobretudo às parcelas mais vulneráveis. Além disso, destaca que da população de 4 e 5 anos fora da escola, a maior taxa se encontra nas regiões Norte e Centro-Oeste, proporcionalmente, e nas áreas rurais. (Carta Capital 9/3/23, reportagem de Ana Luiza Basilio: https://www.cartacapital.com.br/educacao/os-desafios-para-reinserir-um-milhao-de-criancas-e-adolescentes-nas-escolas)

Continua após o banner

Para além da falta de vagas, um dos principais obstáculos é a pobreza. Dados da pesquisa da Unicef “As Múltiplas Dimensões da Pobreza na Infância e na Adolescência no Brasil”, divulgada em fevereiro, mostram que em 2019 ao menos 32 milhões de meninos e meninas (63% do total) viviam na pobreza em suas múltiplas dimensões, a englobar renda, educação, trabalho infantil, moradia, água, saneamento e informação. No caso específico da educação, o quadro piorou com a pandemia e a desigualdade de acesso pelos estudantes às atividades escolares, ministradas à distância. Em 2022, o índice de crianças privadas do direito à alfabetização subiu em relação a 2020, passando de 1,9% para 3,8%. A privação da alfabetização afetou principalmente crianças e adolescentes negros e indígenas, das regiões Norte e Nordeste.

Efeitos da pandemia a partir de 2020 foram desastrosos. Pesquisa do Ipec para a Unicef, em agosto de 2022, revela que 2 milhões de meninas e meninos de 11 a 19 anos que não haviam terminado a educação básica deixaram a escola. Eles representam 11% do total da amostra pesquisada.

Leia também: Cannabrava | Na pedagogia de quartel das escolas cívico-militares, a educação é inimiga

A pesquisa ouviu crianças de todas as regiões do país, e mostra que a exclusão afeta principalmente os mais vulneráveis. No total, 11% dos entrevistados não estavam frequentando a escola, sendo que na classe AB o percentual é de 4%, enquanto na DE chega a 17%. A maioria (48%) deixou de estudar “porque tinha que trabalhar”; ou porque “não conseguiram acompanhar as explicações ou atividades” (30%); desistiram porque “a escola não tinha retornado atividades presenciais” (29%); porque “tinham que cuidar de familiares (28%); por “falta de transporte (18%); “gravidez” (14%); “deficiência” não compreendida (9%); por “racismo” (6%); entre outros. (https://www.unicef.org/brazil/comunicados-de-imprensa/dois-milhoes-de-criancas-e-adolescentes-de-11-a-19-anos-nao-estao-frequentando-a-escola-no-brasil)

Desafio é enorme, mas soluções estão dadas na teoria e na prática dos nossos grandes mestres da educação como Anísio Teixeira, Darcy Ribeiro e Paulo Freire

Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
7 crianças e adolescentes foram assassinados a cada dia em 2021, 2.555 casos (83%) crianças negras

Delinquência infantil e juvenil

Esse panorama mostra que o que já era ruim antes da pandemia ficou pior, e que fica difícil distinguir o que fez mais dano a nossa juventude, se a pandemia ou os seis anos de desgoverno, com desmontagem do Estado a partir do golpe parlamentar que depôs a presidenta Dilma Rousseff em 2016.

O jovem “Nem Nem” é quase sempre sem família ou de família desagregada, seja por alguém estar preso, seja por abandono ou separação. É frequentemente aliciado pelo crime organizado. Olheiros e passadores prestam serviço desde a mais tenra idade.

Leia também: Cannabrava: No Brasil, trabalhador tem que lutar por liberdade econômica e política

A constituição de 88 privilegia a criança e o adolescente e foi regulamentada com o Estatuto da Criança e do Adolescente. Mas no Brasil a lei é só para privilegiados. O jovem delinquente é tratado pela polícia como são tratados os infratores independentemente de idade, mas relacionado com classe social e cor da pele. Sofre abusos, maus tratos, tortura nas mãos da polícia, e pior quando da polícia militar.

Para o jovem, julgado e mesmo sem ser julgado, a pena é o internamento nas unidades socioeducativas, a maioria verdadeiras escolas para o crime organizado.

Continua após o banner

Houve aumento da delinquência a partir dos anos 1980-1990, anos de neoliberalismo, governos de desmontagem das políticas públicas de alcance social, com abandono de setores cruciais como educação e emprego.

Em 2002 havia 9.555 adolescentes internos nas unidades socioeducativas; em 2006 já eram 14.974; em 2018, 25.084; em 2021, 13.884, segundo aponta o Anuário Brasileiro de Segurança Pública. Houve uma redução de 45,5% para meninos e de 44,7% para meninas.

Leia também: Cannabrava | Sob governo militar, Brasil vira grande cemitério e banaliza genocídio negro

Essa redução se deve, certamente, mais às políticas de isolamento e resguardo, por conta da proteção à pandemia da Covid 19, que às políticas públicas inclusivas que deixaram de existir após o golpe de 2014 e a farsa eleitoral de 2018. Em contraste, 7 crianças e adolescentes foram assassinados a cada dia em 2021, 2.555 casos (83%) crianças negras.

Problema dos mais graves não resolvido que só se resolve com boa educação. Não desaparece totalmente porque é da índole humana, mas se reduz a índices civilizados.

O desafio é enorme. Mas as soluções estão dadas na teoria e na prática dos nossos grandes mestres da educação. Nada a inventar. Basta seguir os ensinamentos teóricos e as práticas realizadas.

Paulo Cannabrava Filho, jornalista editor da Diálogos do Sul e escritor.
É autor de uma vintena de livros em vários idiomas, destacamos as seguintes produções:
• A Nova Roma – Como os Estados Unidos se transformam numa Washington Imperial através da exploração da fé religiosa – Appris Editora
Resistência e Anistia – A História contada por seus protagonistas – Alameda Editorial
• Governabilidade Impossível – Reflexões sobre a partidocracia brasileira – Alameda Editora
No Olho do Furacão, América Latina nos anos 1960-70 – Cortez Editora

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Paulo Cannabrava Filho Iniciou a carreira como repórter no jornal O Tempo, em 1957. Quatro anos depois, integrou a primeira equipe de correspondentes da Agência Prensa Latina. Hoje dirige a revista eletrônica Diálogos do Sul, inspirada no projeto Cadernos do Terceiro Mundo.

LEIA tAMBÉM

Lula
Frei Betto | Para Lula, momento exige maior sintonia entre governo e movimentos sociais
Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
mães - palestina
Dia das Mães: algumas mães só querem a paz de presente, lembra ato pró-Palestina em Brasília
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização