Pesquisar
Pesquisar

“Carta Aberta – correspondências na prisão”

Revista Diálogos do Sul

Tradução:

Núcleo MemóriaO Memorial da Resistência, instituição da Secretaria da Cultura gerida pela Associação Pinacoteca Arte e Cultura – APAC, apresenta a exposição “Carta Aberta – correspondências na prisão”, composta de aproximadamente 70 cartas – de dentro e fora da prisão – trocadas entre presos políticos e seus familiares e amigos entre os anos de 1969 a 1974. Também integram a mostra fotografias, cartões comemorativos e de solidariedade, artesanatos produzidos na prisão e uma obra “Carta a Sérgio Ferro” (1973) do artista e ex-preso político Alípio Freire. Conta, ainda, com o testemunho de ex-presa política sobre a importância das correspondências naquele contexto. Outros testemunhos deverão ser coletados durante o período da exposição. Com curadoria de Kátia Felipini e Luiza Giandalia e comunicação visual da Zol Design

A exposição “Carta Aberta – correspondências na prisão” foi realizada com o intuito de contar um pouco sobre um momento crucial na vida de pessoas que lutaram pelos ideais de liberdade e democracia, usurpados pela Ditadura Civil-Militar entre os anos de 1964 e 1985 no Brasil. São cartas que foram mantidas sob os cuidados dos próprios ex-presos e familiares por mais de 4 décadas, e que agora voltam a ganhar vida ao serem abertas. Seus conteúdos articulam elementos fundamentais da vida humana sob a drástica condição imposta pelo confinamento.
A mostra apresenta uma antologia dessas cartas, selecionadas a partir da definição de temas marcantes, como o da chegada na prisão; os cuidados para informar sem causar demasiada preocupação; as inúmeras descobertas e superações individuais e coletivas; a angústia constantemente sentida durante as transferências, e os processos de julgamento, que precedem a tão almejada liberdade.
Elas testemunham as vivências de ambos os lados – o de dentro e o de fora. Revelam experiências íntimas e profundas, bem como a necessidade de informar e ser informado e os mútuos esforços na incansável tentativa de promover um pouco de conforto para aquele que está distante.
A estrutura da exposição foi pensada a partir da proposta de um roteiro, que pode ser seguido pela numeração dos painéis, ou por meio de visita independente, permitindo outros trajetos de leitura, uma vez que os assuntos tratados perpassam todas as cartas.
A realização dessa exposição só foi possível graças à colaboração e a confiança de ex-presos políticos e familiares convidados que, ao entregarem suas cartas, permitiram que fossem abertas, lidas e expostas ao público. Em virtude do tempo de produção e espaço restritos, não foi possível contatar a todos(as) que por ventura ainda possam preservar suas cartas.
A mostra ficará aberta ao público de 10 de dezembro de 2016 a 20 de março de 2017, inaugurando o novo espaço de exposições temporárias do Memorial da Resistência de São Paulo, no 3º andar deste edifício.

Serviço:
Onde: Memorial da Resistência de São Paulo
Sala 2 – 3º andar
Largo General Osório, 66 – Luz
Quando: de 10 de dezembro de 2016 a 20 de março de 2017
Aberto de quarta a segunda-feira, das 10h às 18h
Entrada gratuita
Classificação livre


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Revista Diálogos do Sul

LEIA tAMBÉM

Héctor Llaitul
Sem provas, justiça do Chile condenou líder mapuche Héctor Llaitul em prol de madeireiras
protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"