Pesquisar
Pesquisar

Carta para o Cineasta Jorge Sanjinés

Revista Diálogos do Sul

Tradução:

Rosemberg Cariry*

Protesto Bryan

Caro Jorge Sanjinés, temos muitos amigos em comum, mas nunca nos encontramos, ?embora nossos destinos já tenham se cruzado em muitas oportunidades, pelos ?caminhos e descaminhos da América Latina e do Caribe. ??Escrevo-lhe imbuído de um sentimento provocado por um acontecimento ?trágico e de grande gravidade, que mexeu profundamente com os meus valores ?e horizontes de mundo.

Antes de tudo, quero lhe dizer da admiração profunda ?que tenho pelo seu país e do imenso respeito que tenho pelo seu povo. ?Por essa razão, necessito pedir perdão ao povo boliviano. ??Saiba o companheiro de cinema e de lutas libertárias que, de todos ?os países da América do Sul, sempre tive um especial afeição pela Bolívia, ?não pela sua pobreza de terra durantes séculos saqueada em suas riquezas ?naturais; não pelas civilizações autóctones destroçadas em suas grandezas ?e glórias; não pela sua tragédia colonial e os seus milhões de mortos, que ?foram devorados pelo engenho de moer gente e de produzir riquezas para a ?Europa; não pelos seus tesouros culturais e espirituais saqueados que hoje ?ornam museus de todo o mundo; não pela Pátria traída pelos golpes militares ?truculentos e a entrega das riquezas nacionais ao grande capital ?internacional.

Estas tragédias, estas feridas expostas, estas veias ?abertas, como bem o sabemos, poderiam compor a história de qualquer ?país do nosso continente. ??E, no mais, a condição de vítima não enobrece uma nação ou um povo. O que ?sempre me atraiu e fascinou na Bolívia reside na grandeza do seu povo formado ?por povos originários – antigos senhores das cordilheiras, das neves, das ?florestas e dos abismos, decifradores de estrelas, discípulos do sol e ?devotos da lua – da sábia convivência, cooperação e respeito para com a ?natureza, nos ciclos de mortes e renovações.

Amo a Bolívia em sua ?singularidade e generosa contribuição às culturas do mundo. Admiro as músicas ?e as culturas dos povos originários da Bolívia, os seus mistérios, as suas ?lendas, as suas cores e os seus temperos. Pertinho do céu, entre nuvens e ?voos plenos dos condores, La Paz é uma pérola encrustada na cordilheira-colar ?que ornamenta a América do sol. ??Ainda na década de noventa, considerei como sendo um significativo ?acontecimento histórico, o crescimento da presença boliviana no Brasil. ?Primeiramente, percebi os ponchos coloridos, as flautas andinas e os tambores, ?dos grupos que se apresentavam em praças públicas e ruas das capitais. Depois, ?eu os vi tocando em pequenas cidades do interior e até mesmo na romaria do ?Padre Cícero, em Juazeiro do Norte, ante o povo curioso e encantado pelos ?sons graves e misteriosos, pela harmonia dos ritmos encantatórios. Reconhecia ?ainda, sem as roupas típicas, perdidos nas multidões, aqui e ali, ?alguns rostos serenos e dignos de índios bolivianos.

Um dia, eu soube que São Paulo, passara a receber centenas de milhares ?de bolivianos que, fugindo da fome e da pobreza, buscavam no Brasil um novo ?lar. Fiquei muito contente com aquilo e disse para mim mesmo: “Benvindos sejais, ?ó filhos das cordilheiras e dos silêncios. Adentrai em nossas casa e tocai nossa ?alma com a vossa sabedoria e a vossa arte, ensinai-nos a ser o que deixamos de ?ser, homens em harmonia com a natureza, com o sol, com os rios e com a lua”. ??Uma sombra, porém, rondava a minha alegria. Não passou muito tempo para que ?eu descobrisse que esses milhares de bolivianos eram submetidos a regimes ?escravos ou semiescravos, forçados a trabalhar 16 horas por dia, em condições ?insalubres e inumanas, a troco de meio salário mínimo e o refúgio de poucas ?horas de sono em suas habitações miseráveis.

Como vivemos numa democracia, sob um governo que se diz popular e como o espírito ?da nação brasileira é decantado pela hospitalidade e solidariedade universal, ?pensei que as instituições governamentais amparariam estes bolivianos, lhes daria ?cidadania brasileira (mesmo para aqueles que quisessem guardar dupla nacionalidade) ?e os integraria à vida brasileira com salários dignos e direitos garantidos.??Pura ilusão! Houve um ensaio dessa política, mas muito pouco foi feito. Como este ?governo faria alguma coisa por estes hermanos se não faz por milhões de brasileiros ?que ainda “subvivem” nas cidades e nos campos, decaídos na miséria, vítimas ?de exploração e desesperança?

Todos os dias, nós lemos denúncias de brasileiros ?submetidos ao trabalho escravo e as condições inumanas nos latifúndios dos ?agronegócios, dos políticos desonestos, das multinacionais, que devoram a ?Amazônia para plantar os desertos – que são antecipados por algum pasto para ?engordar a gado e fornecer carne para exportação. ??O que esperar da elite brasileira que colhe riquezas e planta desigualdades? O que ?esperar de um “Estado democrático” que se impõe como legitimação do poder dos ricos, ?e quando a “esquerda” e a “direita” se unem para defender os interesses do ?grande capital?

Se o estado brasileiro, ante a crescente violência e a instabilidade, ?não consegue oferecer segurança, saúde e educação digna aos seus próprios cidadãos, ?como poderia amparar e proteger os novos hermanos bolivianos? Não, o Estado brasileiro?não abriga, nem protege os bolivianos, assim como não abriga e nem protege os ?africanos, os haitianos, os asiáticos ou gente pobre de qualquer nação que por aqui ?aporta, em busca da tão apregoada hospitalidade e alma gentil brasileira. Assim ?como os outros imigrantes pobres, os bolivianos foram entregues à própria sorte, ?jogados nos subterrâneos de São Paulo, nas garras de um capitalismo abjeto, entregue ?à sanha das máfias, das gangues e dos empresários neoescravagistas.

A própria ?imprensa começa a insuflar em algum segmento de classe média mal pensante uma ?onda (ainda envergonhada) de xenofobia, que encontra maior expressão e virulência ?nas hordas de skinheads e neonazistas que vagam impunes nas periferias das ?grandes cidades.??O Brasil vive a sua guerra civil, com centenas de mortos diários, com uma polícia ?recrutada nas favelas e nos sertões para matar favelados, camponeses e ?trabalhadores da periferia dos grandes centros urbanos, assim como batem com ?truculência e chegam a matar índios e camponeses sem terra. Pobre Brasil nesta ?guerra inglória de pobres contra pobres, de negros contra negros, de negros ?contra índios, de brancos contra mulatos, de miseráveis contra miseráveis.

Enquanto isso, os ricos, financiados com o dinheiro gerado pelo trabalho do ?povo, nas suas fortalezas e casamatas, cercam-se de cães policiais e de câmera ?vigilantes. Os mais ricos entre os ricos, simplesmente, vão morar em Miami ou ?Paris, enquanto continuam a explorar o suor alheio e a pisotear a decência humana. ?Nós, que aqui permanecemos, somos incitados a nos acostumar com o odor da morte ?e com a violência mais abjeta. Mas, uma submissão desta ordem seria amortecer ?em nossas almas a dignidade e compaixão que nos faz humanos.

Há poucos dias, assistindo a um noticiário, de um destes jornais televisivos, ?onde jorra sangue das palavras e o fascismo espirra pelos poros, uma notícia ?tocou a minha alma de uma forma profunda e inexorável. Aconteceu na periferia ?de São Paulo. Três assaltantes entraram na casa de um pobre boliviano – que havia ?seis meses chegara no Brasil e trabalhava em condições semiescravas em uma ?confecção – e exigiram tudo o que aquela família conseguira amealhar em dias ?e noites, feriados e dias santos de trabalho. Brayan Yanarico Capcha, de 5 anos ?anos de idade, estava entretido desenhando em pequenos pedaços de papel os ?convites do seu aniversário que aconteceria dentro de mais alguns dias. Durante ?os seis meses de estadia no Brasil, ele economizara centavo por centavo e dera ?aos pais três possiblidades de presente: um carrinho, um boneco do Pica-Pau ou ?um roupinha nova.

O sonho foi interrompido da forma mais brutal. Os pais de Brayan Yanarico Capcha, ?Veronica Capcha Mamani (24 anos) e a Edberto Yanarico Quiuchaca (28 anos), ?entregaram aos assaltantes todas as suas economias – R$ 4.500,00 (quatro mil ?e quinhentos reais) reais, economizados do pão, da roupa e da energia, no miserável ?tugúrio. O pequeno, tremendo de medo, vendo os pais ameaçados, sob a mira dos ?revólveres, ainda encontrou forças, para retirar de uma pequena caixa de papelão ?algumas poucas moedas que guardara, para a festa de aniversário e, chorando, ?ofereceu-as aos criminosos.

Indiferentes, eles vociferavam e batiam em seus pais, ?querendo mais dinheiro, possessos de fúria e imersos em sombras. O pequeno ?ajoelhou-se e, em português mal falado (era ele quem fazia um grande esforço ?de aprender o português para ensinar aos pais), pediu que não os matasse e ?depois se aninhou chorando nos braços da mãe (doce refúgio ante a maldade dos ?homens). Irritados com o rogo choroso da criança que pedia pela vida e dizia que ?queria voltar para a Bolívia, um dos assaltantes, a sangue frio, atirou na cabeça ?de Brayan Yanarico Capcha, encharcando de sangue o vestido da mãe. Ai, que ?desmedida dor! Alguém pode me dizer a diferença entre a dor desta mãe e a dor ?de Maria, ao ver descer da cruz o seu filho morto?

O filho de Maria era divino ?Brayan Yanarico Capcha era apenas uma pobre criança boliviana, sem direitos, sem ?escola e sem nenhuma proteção do estado brasileiro. Um criança alegre que, apesar ?de toda a pobreza, sonhava com um correr no parque, brincar no carrossel e chupar ?um pirulito. ??Não deixaram que ele realizasse nenhum dos seus pequenos e preciosos sonhos. ?E já não há quem possa medir tão incomensurável dor. Um crime como este transborda ?os anais da criminalidade cotidiana e ordinária e inscreve-se como símbolo de ?um tempo e de um mundo que se desencanta em dor, em miséria, em destruição, em ?brutalidade e em barbárie. ??Perdoe-nos Veronica e Edberto, se possível, em nome do seu filho mártir, por não ?o termos protegido e acalentado o seu pequeno sonho. Desculpe-nos por não ter-lhes ?avisado que o Brasil não é nenhum paraíso. A tiro de revólveres, golpes de picaretas, ?facadas, bombas de gás lacrimogênios e fogo ateado em corpos de inocentes, estamos ?destruindo o que tem restado em nós de esperança no amanhã.

Neste país, hoje dominado por uma lógica perversa de mercado e de exclusão, muito ?pouco se acredita no sonho, no amor, na esperança, na poesia, na solidariedade, na ?amizade… Estas palavras são vãs, diante da fúria absurda de alguns homens a serviço ?do grande capital e dos banqueiros criminosos que devoram corações e mentes, vidas e humanidades. ??Impediram o pequeno Brayan Yanarico Capcha de alcançar o futuro, mas não vão conseguir ?calar o significado mais profundo da sua voz. O gesto desta criança pobre, oferecendo ?as moedas que guardara para a festa do seu aniversário, em troca da vida dos pais, ?amplificou-se na minha alma e na alma de milhares de pessoas, do Brasil e de todo o ?mundo. Nunca antes, nos meus sessenta anos de vida, uma voz e um gesto haviam me ?tocado de forma tão intensa, profunda e dolorosa.

Pela voz de Brayan Yanarico Capcha, falavam todas as crianças pobres do Brasil, ?abandonadas nas ruas ou assassinadas pelo tráfico; falavam todas as crianças ?indígenas trucidadas pelos latifúndios e pelo agronegócio, pelas madeireiras e ?pelas mineradoras, ante a indiferença do governo brasileiro, em um genocídio ?sem fim. Pela voz de Brayan Yanarico Capcha falavam as crianças que padeceram ?de fome e sede nas secas periódicas; falavam as meninas violentadas e prostituídas ?nas estradas, nos garimpos e nas cidades turísticas; falavam as crianças palestinas aprisionadas e torturadas; falavam as crianças africanas mamando o leite inexistente ?nos seios da mães magras e semimortas.

Pela pequena boca de Brayan Yanarico Capcha ?falava a humanidade, despertando-nos, antes que venhamos a perder para sempre o que ?nos resta de dignidade e de humanismo. ??Soubemos que Brayan Yanarico Capcha voltou para a Bolívia em um pequeno caixão e ?foi sepultado no cemitério do pequeno povoado de Tacamara, a 100 km de La Paz. ??Por favor, caro Jorge Sanjinés, vá até este povoado e, no cemitério, sob a tumba ?de Brayan Yanarico Capcha, deposite uma rosa branca, como símbolo da esperança e ?do perdão que pedimos. Transmita a Veronica Capcha Mamani e a Edberto Yanarico ?Quiuchaca, bem como ao povo boliviano, a gravidade e a sinceridade da nossa dor.

Da minha parte, acenderei velas para que elas iluminem as trevas deste tempo e, ?depois, ficarei sentado de cócoras, como um índio boliviano, remoendo o silêncio e ?a dor, perscrutando os abismos da minha própria alma e procurando resposta para uma ?pergunta que me faço há anos e que nunca soube responder: Se nascemos animais, o ?que nos faz ser humano? Será que nos fazemos humanos aos poucos, à medida que ?construímos o espírito e a solidariedade? Ou será que, como hoje se apregoa, ?o homem é apenas uma construção do mercado financeiro e do horror?

Rosemberg Cariry??Fortaleza, Ceará, Brasil – 02 de julho de 2013??(Autorizada a livre circulação deste documento)

 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Revista Diálogos do Sul

LEIA tAMBÉM

Lula
Frei Betto | Para Lula, momento exige maior sintonia entre governo e movimentos sociais
Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
mães - palestina
Dia das Mães: algumas mães só querem a paz de presente, lembra ato pró-Palestina em Brasília
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização