Pesquisar
Pesquisar

Casal de ambientalistas e sua filha são assassinados a tiros às margens do Xingu, no Pará

Eles eram conhecidos na região por conta da atividade de criação, proteção e soltura de quelônios (tartarugas e tracajás) no rio Xingu há mais de 20 anos
Will Mota
Esquerda Diário
Belém

Tradução:

Neste domingo, 09, os corpos de José Gomes (conhecido como Zé do Lago), da esposa Márcia Lisboa e da filha de Márcia, Joene Lisboa, de 19 anos, foram encontrados próximo da residência onde moravam às margens do rio Xingu, na área rural do município de São Félix do Xingu, no Sul do Pará.

Eles eram conhecidos na região por conta da atividade de criação, proteção e soltura de quelônios (tartarugas e tracajás) no rio Xingu há mais de 20 anos. Foram brutalmente assassinados a tiros. Tudo indica que por pistoleiros, mas a motivação ainda é desconhecida.

Este triplo homicídio não pode ser banalizado pelo poder público.

Este triplo homicídio ocorrido no Sul do Pará não pode ser banalizado pelo poder público, como tantos outros já foram. Por isso, é preciso dar ampla repercussão a essa denúncia para que as autoridades do governo do Estado do Pará investiguem a fundo e a Justiça não deixem impunes os assassinos e mandantes deste crime bárbaro.

Veja o projeto que a família desenvolvia às margens do Xingu:

Eles eram conhecidos na região por conta da atividade de criação, proteção e soltura de quelônios (tartarugas e tracajás) no rio Xingu há mais de 20 anos

Reprodução
Zé do Lago e Márcia, assim como sua filha Joene, de 19 anos foram assassinados

Conflitos agrários

Entre 1985 e 2019, segundo dados da CPT (Comissão Pastoral da Terra), dos 1.815 assassinatos de trabalhadores e lideranças rurais ocorridos no Brasil em conflitos agrários, 1.202 assassinatos (66,22%) ocorreram no bioma amazônico.

A violência no campo na Amazônia é indissociável da questão agrária, ambiental e indígena. Enquanto esses problemas não forem enfrentados a partir de respostas estruturais, mais crimes de pistolagem contra lideranças do campo continuarão a acontecer em nossa região.

Assista na TV Diálogos do Sul

Lamentavelmente, há poucos meses o governador do Estado do Pará, Helder Barbalho (MDB), editou o decreto 1684/2021 que premia grileiros e invasores de terras públicas com a venda de terras a um preço no valor de 1,2% do valor de mercado, um subsídio de mais de R$ 6,7 bilhões para desmatadores no Estado que mais destrói a floresta no país.

Esse tipo de política que só favorece os latifundiários e grandes empreendimentos é responsável por toda a perpetuação da violência contra trabalhadores rurais, lideranças indígenas, camponesas e ambientalistas que se reproduz no Pará e em toda a região amazônica.

Zé do Lago, Márcia e Joene Lisboa, presentes!

Redação Esquerda Diário


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul

 

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Will Mota

LEIA tAMBÉM

Héctor Llaitul
Sem provas, justiça do Chile condenou líder mapuche Héctor Llaitul em prol de madeireiras
Palestina
Ocidente deveria se preocupar com massacre operado por Netanyahu livremente
Assange
Silêncio, imperialismo e guerra midiática: por que não podemos nos esquecer de Assange?
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda