Pesquisar
Pesquisar

Caso García Luna: quem vai responder pelo fracasso da "guerra às drogas" nos EUA?

Condenação de ex-oficial do México reforça discurso estadunidense de que consumo de drogas nos EUA é responsabilidade de outros países
David Brooks
La Jornada
Nova York

Tradução:

A justiça estadunidense se auto congratulou quando um júri declarou culpado a quem era a cara pública e o principal colaborador de Washington na chamada guerra contra as drogas no México; outro “triunfo” a mais das autoridades estadunidenses contra narcotraficantes mexicanos, colombianos e outros que agora estão atrás das grades e/ou cooperando com o Departamento de Justiça

“A condenação de García Luna claramente demonstra que a DEA não se deterá em nada para perseguir oficiais políticos corruptos que se envolvem no narcotráfico e na violência… e organizações de tráfico de drogas que ameaçam a segurança e a saúde do povo estadunidense”, declarou a administradora da agência antinarcóticos, a DEA, Anne Milgram quando um júri emitiu seu veredito na passada terça-feira no tribunal federal no Brooklyn. 

García Luna é condenado: um novo impulso para a guerra às drogas operada pelos EUA

A DEA, CIA, FBI, o Departamento de Estado e o escritório do czar antinarcóticos da Casa Branca, entre outros, empregaram esse mesmo argumento um tanto infantil de que os estadunidenses inocentes são envenenados por narcotraficantes e às vezes governos estrangeiros que inundam as ruas deste país com suas drogas – ou seja, dando a entender que não existiria o problema de drogas ilícitas sem estes traficantes transnacionais.

Mas, em efeito, se pode argumentar que, sem a demanda estadunidense, não haveria negócio de narcotráfico na América Latina. Um jornaleiro mexicano na Florida há alguns anos ofereceu uma explicação simples e lógica ao La Jornada e, sem saber, citando as regras do mercado livre: “se querem tomate, enviamos tomates, igual se há demanda por heroína, pois, lhes enviamos isso; tudo o que desejam nos Estados Unidos, nós os brindamos incluindo nossa mão de obra. Deveriam nos agradecer”

Condenação de ex-oficial do México reforça discurso estadunidense de que consumo de drogas nos EUA é responsabilidade de outros países

La Jornada
“Guerra contra as drogas” convém mais que nada a dois setores: narcotraficantes e governo dos EUA




Somente estrangeiros

Chama a atenção que durante mais de um século e sobretudo desde que se anunciou a “guerra contra as drogas”, por Nixon em 1971, as políticas antinarcóticos quase sempre identificaram estrangeiros – tanto imigrantes como outros países – como o “inimigo”, por exemplo imigrantes chineses e mexicanos ao longo de décadas, passando por colombianos e centro-americanos como também governos considerados como adversários políticos como Cuba, Venezuela, Bolívia ou Panamá (vale recordar que a invasão e derrocada de Noriega foi com um pretexto do combate contra o narco) entre outros. 

Que García Luna e El Chapo entre outros estejam atrás das grades junto com tantos mais de seus cúmplices, compadres e sócios ao longo dos últimos anos não só teve um efeito nulo sobre a produção, tráfico e uso de drogas, mas hoje em dia há mais drogas disponíveis e mais baratas do que nunca nas ruas dos Estados Unidos e as mortes por overdose de drogas se elevaram a níveis sem precedentes (mais de 100 mil anuais em média) durante esse tempo. Em termos puramente empíricos a “guerra contra as drogas” é um rotundo fracasso.

De fato, pode-se argumentar que a “guerra contra as drogas” convém mais que nada a dois setores: aos narcotraficantes, porque o comércio ilícito está no centro de seu negócio e seus enormes ganhos; e aos governos, sobretudo o estadunidense, já que essa “guerra” justifica orçamentos massivos, ampliação das forças de segurança e o controle e repressão de seus povos.

Essa “guerra contra as drogas”, elaborada em Washington e implementada por agências estadunidenses junto com suas contrapartes em outras partes do mundo, teve consequências devastadoras tanto dentro como fora dos Estados Unidos (vale recordar que o comércio do ópio quase anulado no Afeganistão pelo Taliban regressou a níveis recorde com a invasão estadunidense). Até agora, os encarregados dessa política não tiveram que prestar contas pelo fracasso, nem pelos massivos custos humanos, econômicos e sociais. 

Os responsáveis desse fracasso estavam ausentes no banco dos acusados no Brooklyn esta semana.

Bônus Musical 1 | Johnny Cash – Man in Black
Por seu aniversário este 26 de fevereiro

Bônus Musical 2 | Johnny Cash – Cocaine Blues Live at Folsom Prison

David Brooks | Correspondente do La Jornada em Nova York
Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:



As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
David Brooks Correspondente do La Jornada nos EUA desde 1992, é autor de vários trabalhos acadêmicos e em 1988 fundou o Programa Diálogos México-EUA, que promoveu um intercâmbio bilateral entre setores sociais nacionais desses países sobre integração econômica. Foi também pesquisador sênior e membro fundador do Centro Latino-americano de Estudos Estratégicos (CLEE), na Cidade do México.

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação