Pesquisar
Pesquisar

Catalunha é a "maçã da discórdia" nas eleições deste domingo na Espanha

Não há que se menosprezar o tremendo avanço eleitoral que as pesquisas outorgam ao ultradireitista Vox
Josetxo Zaldua
La Jornada
Madri

Tradução:

Um tema domina as eleições gerais espanholas de 10 de novembro. Chama-se Catalunha e os cinco partidos com presença no parlamento, da esquerda e a ultradireita não podem evitá-lo. Foi o ponto que surpreendeu a todos durante o debate de segunda-feira. É a maçã da discórdia, o centro da polarização extrema. Em um clima de evidente apatia eleitoral, as sondagens após o debate situam o PSOE como o ganhador e em segundo lugar, a surpresa preocupante, o direitista Vox, herdeiros genuínos e desavergonhados do fascismo espanhol encarnado na ditadura de Francisco Franco.

Pela centro-esquerda, o presidente socialista em funções, Pedro Sánchez, fingiu-se de morto enquanto seus quatro desafiantes se lançavam sobre sua jugular. Santiago Abascal, líder do ultradireitista Vox, foi de menos a mais. Era seu primeiro grande debate e ele administrou bem. Com seu discurso carregado de alusões xenofóbicas que parecem incidir cada vez mais na Espanha profunda. Tanto que as mesmas sondagens o situam no segundo lugar no debate.

Outra coisa será o veredicto popular de 10 de novembro. PSOE em primeiro lugar, PP atrás e Vox como terceira força política. As hostes de Pablo Iglesias – Unidas Podemos – ficaria em quarto lugar, e no que seria o último lugar ficaria Albert Rivera e esse híbrido político-eleitoral chamado Ciudadanos, ficaria no último vagão. 

Também parece claro que o panorama do dia seguinte, 11 de novembro, ficará como está desde abril: perfeitamente bloqueado em termos de governabilidade. Não se vê luz no fim do túnel, e tampouco se vê muita luz nos políticos da Espanha de hoje. Dá a impressão que não se importam absolutamente com este país.

Não há que se menosprezar o tremendo avanço eleitoral que as pesquisas outorgam ao ultradireitista Vox

Ãgência Brasil
O atual primeiro ministro pedro Sánchez lidera a corrida eleitoral

No debate da passada segunda-feira, e as principais redes de televisão o refletiram, os cinco aspirantes mentiram tanto como falaram. Os meios de terça-feira fizeram um excelente exercício jornalístico tratando de mostrar o debate. 

Não há que menosprezar o tremendo avanço eleitoral que as pesquisas outorgam ao Vox. Para aqueles que sofreram a ditadura em carne própria, para seus filhos, netos e bisnetos, é o retorno do pesadelo, e boa parte do país parece hoje inclinar-se por essa opção. Mão dura, guerra aos migrantes, guerra à Catalunha e ao País Vasco, guerra as leis sobre a igualdade de gênero, em suma, guerra a tudo o que cheire a vermelho. Há que recordar que na guerra civil encabeçada pelo golpista Franco, havia dois bandos; os nacionais e os vermelhos. Esse oprobrioso passado assoma descaradamente seu afiado perfil. 

Mas hoje e agora a campanha eleitoral está dominada pelo que acontece na Catalunha; aí parece estar o miolo de que vai suceder no próximo domingo. País caracterizado historicamente como pragmático, habitado por gente tranquila, Catalunha sempre foi, sem querer nem buscar, todo o contrário ao longo e violento conflito entre o Estado espanhol e o País Vasco. 

Mas como nada é para sempre, as coisas se inverteram e a enxaqueca para Madrid já não são os vascos irredentos, mas o catalães sublevados um dia sim e outro também. Ninguém se atreve a apostar sobre o final do drama. E não poucos temem que os resultados eleitorais de domingo sirvam para que algumas coisas mudem para que tudo continue igual.

*Josetxo Zaldua, enviado de La Jornada a Madri

**Tradução: Beatriz Cannabrava

***La Jornada, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Josetxo Zaldua

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação