Pesquisar
Pesquisar

Célio Turino | Para cumprir propósito, leis Paulo Gustavo e Aldir Blanc 2 têm desafios à frente

Por isso, aqui vão uma análise e algumas sugestões para aplicação conjunta, ágil e eficiente das normas conquistadas
Célio Turino
Mídia Ninja
São Paulo (SP)

Tradução:

As Leis Paulo Gustavo Aldir Blanc 2 são relevantes conquistas da sociedade brasileira. Elas são fruto de amplas e generosas mobilizações e conceituações, não somente do campo das artes e da cultura, como da sociedade em geral, tanto que foram aprovadas de forma quase unânime no Congresso brasileiro.

O significado dessas leis vai além do efeito imediato que elas produzem. Elas asseguram recursos substanciais que serão aplicados diretamente na cultura, de forma descentralizada, e representam um grande avanço na efetivação do Sistema Nacional de Cultura. Portanto, é fundamental que essas leis sejam implementadas com agilidade, eficiência e eficácia, pois isso garantirá resultados mais duradouros e consistentes.

Assista na TV Diálogos do Sul

Para a boa aplicação das leis há que entender a semente que as antecedeu, a Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc. Aprovada logo no início da pandemia de Covid, de forma ágil, em processo de consenso progressivo e com ampla participação popular, a Lei Aldir Blanc é um marco na história das políticas públicas de cultura, aplicando recursos substanciais (R$ 3 bilhões) e de forma descentralizada em todas as unidades da federação (todos os 26 estados mais o Distrito Federal) e 4.775 municípios (75% do total do país).

Isso na circunstância de um governo declaradamente inimigo das artes e da cultura e em contexto de pandemia aguda. O impulso de postos de trabalho na cadeia produtiva cultural, entre os diretamente beneficiados com recursos (450 mil) e o total de trabalhadores empregados em arte e cultura, foi de 855 mil postos de trabalho (Painel de Dados do Observatório Itaú Cultural), em um aumento de 13% em relação aos postos de trabalho em 2020.

Extrema-direita tenta destruir cultura para fazer do Brasil uma não-nação

Mesmo em meio a alguns tropeços na implantação sob determinados governos estaduais ou locais, os resultados positivos são inegáveis. Isso se deve aos princípios conceituais, claramente explicitados na LAB: universalidade, descentralização, desburocratização, diversidade.

A universalidade, como sabemos, não foi alcançada, até por conta dos recursos (R$ 3 bilhões) que, apesar de substanciais para a cultura, eram finitos, como os de agora também o são, mas cabe perseguir o objetivo, superando processos concorrenciais, com elevada demanda e poucos selecionados.

Em relação à descentralização e diversidade os resultados são inequívocos. Quanto à desburocratização, variou-se conforme a localidade, mas houve passos muito significativos, engenhosos e eficazes, cabendo aprender com as experiências e melhorando-as.

A lei também veio acompanhada de fórmula de cálculo (80/20) para distribuição prévia de recursos às unidades da federação, evitando lobbies e favorecimentos, uma vez que, antecipadamente, os estados e municípios já sabem o quanto irão receber.

Também nos prazos para implantação, a despeito de toda a má vontade e até oposição do governo à época, por conta da ampla mobilização e participação social, foi possível assegurar uma implementação relativamente ágil, dada as circunstâncias.

Por isso, aqui vão uma análise e algumas sugestões para aplicação conjunta, ágil e eficiente das normas conquistadas

Brasil 247
Ambas as leis têm natureza emergencial e os recursos são aplicados de uma única vez, havendo prazo para a execução

Cronologia

Recuperando a cronologia. As leis que deram origem à Aldir Blanc, em um total de cinco, foram protocoladas entre 29 de março de 2020 (encabeçada pela deputada Benedita da Silva (PT/RJ e diversos deputados e deputadas de vários partidos) e 16 de abril. Nesse mesmo mês, aconteceram diversas manifestações dos setores da cultura em defesa de uma lei de emergência e em 29 de abril de 2020, por solicitação da deputada Perpétua Almeida (PCdoB/Ac), aconteceu reunião com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (Dem/RJ), contando com a presença dos parlamentares Jandira Feghali (PCdoB/RJ), André Figueiredo (PDT/Ce), José Guimarães (PT/Ce), além de mim e da cantora Zélia Duncan.

Nesse encontro ficou acordada a tramitação em urgência de uma lei de Emergência Cultural, nomeando a deputada Jandira Feghali como relatora. A partir de então é gerada uma ampla mobilização social, com presença marcante dos Fóruns de Secretários Estaduais de Cultura, Secretários das capitais e regiões metropolitanas e da Confederação dos Municípios, e, sobretudo, de uma mobilização intensa e diária que envolveu mais de 40.000 fazedoras e fazedores de cultura, em todo o país, com centenas de encontros e capacitações, via movimento da Emergência Cultural.

Situação da Cultura brasileira é preocupante, diz Célio Turino

Nesse processo a lei ganhou a feição com que foi aprovada, incorporando as mais diversas sugestões. Foi tudo muito ágil:

• 28-29/maio – aprovada e sancionada a lei na Câmara dos Deputados, praticamente por unanimidade (com exceção do partido Novo, único a votar contra a aprovação da lei);
• 4/junho – sancionada a lei no Senado, sob relatoria do senador Jacques Wagner (PT/BA);
• 10/julho – publicação da MP que destinou R$ 3 bilhões para a LAB. O governo Bolsonaro, por má vontade, deixou para publicar a MP no último dia regulamentar, atrasando o processo em 37 dias;
• 17/agosto – ocorre a regulamentação 38 dias após a aprovação (também fruto de indisposição por parte do governo federal);
• 3/setembro – começam a acontecer os primeiros repasses de recursos da LAB;
• Depois disso, os prazos para regulamentação local, definição de editais e formas de transferência de recursos, inscrição, seleção, prazo recursal, contratos e pagamento, passaram a ter uma média de 90 dias ou mais.

Apesar dos percalços, toda a má vontade por parte do governo federal, entre a aprovação da lei em 4 de junho e o primeiro repasse efetivo de recursos, foram 4 meses até que o recurso chegasse nos estados e municípios. Dalí, mais o tempo para seleção de projetos e propostas nos estados e municípios, cujos prazos variaram a cada local.

Poderia ter sido mais ágil, a presidência da república poderia ter publicado a MP antes do prazo limite de 30 dias e a regulamentação poderia ter acontecido em menos de 38 dias corridos. Com isso teríamos ganhado uns 30 dias, encurtado o tempo para 90 dias, mas dentro da conjuntura e o governo de então até que conseguimos um resultado relativamente ágil.

Foram momentos de intensa mobilização e trabalho, com muita dedicação desprendida e voluntária de muita gente. Os recursos tinham que chegar na ponta o quanto antes, a cultura estava paralisada, os fazedores de cultura sem meio para sobrevivência. Como disse Betinho: “Quem tem fome tem pressa!”. Assim procedemos.

Juca Ferreira: destruição da cultura brasileira é o mesmo que destruir o país

Recapitular essa cronologia é importante para ficarmos atentos aos prazos, ainda mais no momento atual, em que as condições políticas são muito melhores. Afora a agilidade no prazo para regulamentação e implementação das duas leis, fazendo-as chegar na ponta o mais cedo possível, há que estar atento para a natureza de cada lei e de como elas se complementam e devem andar juntas.


Natureza emergencial

A lei Paulo Gustavo, assim como a primeira LAB, tem natureza emergencial e os recursos são aplicados de uma única vez, havendo prazo para a execução, que foi prorrogado para 31 de dezembro de 2023, por decisão do Supremo Tribunal Federal, uma vez que o governo anterior não adotou providências para seu cumprimento. A origem do recurso são os saldos existentes no FNC (Fundo Nacional de Cultura), apurado na ocasião da lei em R$ 3,9 bilhões, sendo esse o valor que deverá ser aplicado.

Esse saldo foi formado por ao menos uma década de contingenciamentos (quando o recurso está na conta do Fundo, mas o ministério do planejamento impede a sua execução, por conta de gestão de gastos do governo como um todo) e superávits.

É dinheiro acumulado de anos. Inicialmente, a LAB tinha por referência o uso desse recurso, em 2019 calculado em R$ 2,87 bi (daí os R$ 3 bi arredondados), mas por conta da perspicácia da deputada Jandira, foi possível incluir o recurso para a LAB no chamado Orçamento de Guerra para o enfrentamento à Covid. Isso foi muito bom, porque manteve os recursos no FNC possibilitando nova lei, a LPG, que os destravou.

Necessário se dar conta disso para compreender a natureza do recurso, que agora será liberado de uma única vez. É uma poupança de anos, que precisa ser muito bem aplicada. Outro ponto a levar em conta é que 75% do valor (aproximadamente R$ 3 bilhões) precisa ser aplicado exclusivamente no audiovisual, uma vez que arrecadado pelo Condecine tendo destinação direta ao FSA (Fundo Setorial do Audiovisual).

Cineclubes Brasileiros apresentam demandas ao Grupo de Transição da Cultura do Governo Lula

Foi a cadeia produtiva do audiovisual que contribuiu para esse fundo, que tem regras próprias e deve ser revertido para o mesmo. A parte restante, de um pouco mais de R$ 900 milhões, será destinada a todos os demais setores da cultura. Bem compreendidos, esses números e procedimentos devemos traçar uma boa estratégia para uma boa aplicação do recurso, que atenda o povo que faz e vive da cultura, como também à sociedade que se beneficia desse trabalho.

A Lei Aldir Blanc 2 (LAB2), por outro lado, tem outra característica. Ela é mais permanente, assegurando recursos orçamentários anuais de R$ 3 bilhões, pelo período de 5 anos, devendo ser reavaliada ao final desse período. Isso resulta em um total de R$ 15 bilhões, repassados com a mesma fórmula de distribuição da LAB, de modo que todos os estados, mais o distrito federal e todos os municípios do país sabem, de antemão, o valor que irão receber a cada ano, a começar em 2023.

Isso possibilita planejamento de médio prazo, que ultrapassa mandatos, inclusive. Outra característica é que ela funcionará como o Fundeb da Cultura, estruturando o Sistema Nacional de Cultura, realizando transferências financeiras para dar suporte orçamentário a uma série de atribuições locais e estaduais, da manutenção do patrimônio e manutenção de equipamentos culturais à aquisição de acervos, programas educativos em museus e bibliotecas ao financiamento à formação, produção/criação e circulação das artes, bem como à base comunitária e à diversidade.

Bem compreendidas e implementadas as leis se complementam. Sobretudo em 2023. Defendo que a regulamentação e implementação das Leis Paulo Gustavo e Aldir Blanc 2, aconteçam de forma concomitante, no máximo com diferença de um mês, uma vez que a tramitação da LPG por parte do novo MinC está mais adiantada. Esse passo precisa ser acertado já! Se isso não acontecer antevejo graves problemas à cultura, e que precisam ser evitados enquanto há tempo.

Primeiro. O recurso que a LPG destinará a todas as áreas da cultura afora o audiovisual é pouco inferior a um bilhão de reais. Um valor considerável quando visto no montante, mas que representa 1/3 do que foi a LAB em 2020. Com a LAB, muita gente ficou de fora. Agora, essa quantidade vai aumentar em 2/3. Isso vai gerar muita frustração, além de um dano efetivo na manutenção de postos de trabalho criados pela LAB (2/3 de 855 mil representa um corte de 570.000 postos de trabalho).

Ou os recursos finais a cada contemplado terão que ser reduzidos em 2/3, ou os contemplados o serão. Não é necessário que isso aconteça, caso a LAB 2 ocorra de forma concomitante, podendo cobrir essa diferença. Não há nenhuma justificativa técnica, operacional ou de política cultural que justifique para que a tramitação conjunta (no máximo, com diferença de um mês) não aconteça. Como pensador da Cultura e alguém que esteve bastante envolvido na LAB1 faço esse alerta e apelo enquanto é possível.

Segundo. A dimensão do Audiovisual na Lei Paulo Gustavo. O audiovisual é uma cadeia produtiva com características de indústria, são muitas partes envolvidas e muitos custos, anos de trabalho para que um produto se realize. Os recursos do FSA foram acumulados com muito sacrifício. As normas e legislações vem de ao menos duas décadas. O uso desse recurso de uma única vez será muito positivo, sobretudo no momento atual. Não coloco em questão, mas há que se aplicar conforme as especificidades da indústria do audiovisual e daqueles que construíram o Fundo.

Há que se respeitar pisos profissionais (como também em todas as áreas), a complexidade das contratações, envolvendo de roteiristas a motoristas, de atrizes a iluminadores e cinegrafistas, de estúdios a locações. A regulamentação terá que deixar isso muito claro, como também a aplicação nos estados e municípios. Por exemplo: editais para complemento de orçamento de obras em estágio avançado, mas não concluídas, subsídio para locações, coproduções ou consórcios (em que vários municípios ajudam a compor orçamento), circulação e difusão (incluindo TVs comunitárias, e não só).


Desestruturação

Se isso não ocorrer todo um setor da indústria cultural poderá ser desestruturado, e pior, não haverá poupança para reestrutura-lo nos anos seguintes, uma vez que as arrecadações do Condecine serão as de cada ano, não havendo saldo dos anos anteriores. Claro que a aplicação dos recursos do audiovisual devem contemplar o que já está previsto na LPG, como manutenção de salas, cineclubes, formação.

Também devem existir categorias para iniciantes não profissionais e comunitários, produções solo, podcasts e novas criações em diferentes formatos e difusão. Caso não haja um atendimento adequado às especificidades da indústria – e aqui, não me refiro às grandes empresas que têm plataformas de streaming e grandes financiamentos, mas sim a toda uma cadeia produtiva profissional que está em situação intermediária – haverá um grande problema na aplicação da lei.

Esta situação é particularmente crítica para essas empresas, que, por conta da pandemia, desgoverno anterior e crise econômica, têm enfrentado dificuldades para acessar recursos nos últimos anos. Com milhares de empresas e 300 mil profissionais envolvidos na atividade, espero que a regulamentação que está por vir já tenha levado esses fatores em consideração. No entanto, senti a necessidade de registrar minha preocupação a respeito desse assunto.


Conclusões

Por último. E me referindo às duas leis em aplicação concomitante ou próxima, trago algumas preocupações e sugestões:

• Serão dezenas de milhares de editais simultâneos. Faltará pareceristas qualificados. Pensem em editais regionais ou até mesmo estaduais, em cada temática. Isso irá garantir impessoalidade na seleção (muito importante), agilidade e qualificação técnica, além de poupar esforços e trabalho. Ao final, cada município repassará o recurso ao selecionado correspondente. É bem possível e não é complicado executar (se necessário eu explico como fazer).

• Categorizem os editais. Não é justo colocar um proponente iniciante ao lado de um profissional ou de um artista consagrado. Há espaço para todos. Há produções solo, coletivas, comunitárias, profissionais. É possível bem atender a todas, todos e todes. Desde que a métrica dos editais seja bem formulada, essa categorização facilita até no processo de seleção. E é muito mais justa.

• Vamos utilizar muito bem esses recursos de quase R$ 7 bilhões. Que sejam indutores de ações estruturantes e permanentes. Por exemplo, se destinarmos 30% da LAB 2 à Cultura Viva e aos Pontos de Cultura, poderemos financiar 5.000 Pontos de Cultura, ao valor unitário de R$ 120.000,00/ano, durante um período de 5 anos. Isso resultaria em um investimento total de R$ 600 milhões, o que ajudaria a sedimentar arte e cultura nos territórios brasileiros. Com os R$ 300 milhões restantes, poderíamos investir em outras ações da Cultura Viva, como Griôs, Interações Estéticas, Economia Solidária, Pontinhos, Cultura e Saúde, Pontos de Mídia Livre, entre outros. Também podemos considerar o fomento a festivais, caravanas e outras atividades culturais.

• Encantamento. O Brasil precisa se encantar com arte e cultura. A arte será a principal ferramenta para enfrentar o fascismo e as regressões civilizatórias. Que tudo seja feito com muita poesia e pouca burocracia. É possível! Deixo aqui uma sugestão: Caravanas Sérgio Mamberti de Arte e Cultura. Mil caravanas simultâneas de arte e cultura, com produção descentralizada e nas mais distintas linguagens, de apresentações artísticas a oficinas, alcançando todos os municípios e periferias do Brasil, a um custo unitário de R$ 300 mil, totalizando R$ 300 milhões. Se quisermos e soubermos fazer, encontraremos esse recurso nas leis Paulo Gustavo e Aldir Blanc 2, ou mesmo em apenas uma delas.

É o que eu tinha a dizer. Espero ter ajudado. Paz e bem.

Célio Turino | Escritor e gestor cultural, em Mídia Ninja.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Célio Turino

LEIA tAMBÉM

vintage-historic-photos-of-the-battle-of-berlin-1945-bw-10
A batalha de Berlim e a rendição nazista: entrevista com um combatente
Paris
Da Porte de la Villette à Bastille: uma jornada pela cultura e modernidade de Paris
Questão-racial-Brasil (1)
Lima Barreto, 13 de maio e a questão racial no Brasil
ASTROJILDOPEREIRA-MGLIMA-2023-OK
O marxismo de Astrojildo Pereira, fundador do Partido Comunista do Brasil (PCB)