Pesquisar
Pesquisar

Centro de Inteligência espanhol assume autoria de espionagem a celulares de políticos

CNI espionou-se nos últimos três anos 18 representantes do separatismo catalão, incluindo atual presidente da Catalunha, Pere Aragonés
Armando G. Tejeda
La Jornada
Madri

Tradução:

A diretora do Centro Nacional de Inteligência (CNI), Paz Esteban, compareceu ontem diante da comissão de segredos oficiais do Congresso dos Deputados e confirmou que se submeteu a vigilância e acompanhamento a um total de 18 líderes independentistas, entre eles o atual presidente da Catalunha, Pere Aragonés.

Esta espionagem foi revelada pela Universidade de Toronto e pela revista The New Yorker, está crescendo e a partir do independentismo são exigidos esclarecimentos e demissões ao “mais alto nível”.

Esteban compareceu diante de uma comissão parlamentar singular, pois é a única na qual todos seus membros estão obrigados a guardar estrito segredo de tudo o que aí se disser. O encontro foi feito com porta fechada, estão proibidos os celulares e nada do que se disse se faz público, pois se considera segredo oficial do Estado. 

CNI espionou-se nos últimos três anos 18 representantes do separatismo catalão, incluindo atual presidente da Catalunha, Pere Aragonés

Flickr: Christophe Morin
Primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, vê seu governo balançar por casos de espionagem envolvendo o serviço secreto do país

Recentemente, em uma iniciativa do Partido Socialista Obrero Espanhol, abriu-se pela primeira vez essa comissão a todos os partidos do Parlamento, incluídos os independentistas catalães e bascos e os representantes de Unidas Podemos e o Partido Nacionalista Vasco.

Na primeira sessão se confirmou que a partir do CNI espionou-se nos últimos três anos a 18 representantes do separatismo catalão por causa da declaração unilateral de independência falida de 2027 e o processo posterior, no qual se julgou uma parte de seus dirigentes, enquanto outros membros do governo se refugiaram em países europeus. 

Apesar da confidencialidade à qual se comprometem os membros da comissão, versões vasadas por assistentes indicaram que Esteban explicou que o acompanhamento a essas 18 pessoas foi ordenado sob o ampara de um juiz, que em função dos argumentos e provas apresentadas pelo serviço de inteligência, autorizou a espionagem que permitiu o acompanhamento e a captação de dados dos celulares através do chamado programa Pegasus, elaborado e operada por uma empresa israelense.

Entre as pessoas espionadas se encontram, além de Aragonés, o ex-presidente catalão Carles Puigdemont (refugiado na Bélgica), líderes separatistas como Josep Lluis Alay, Marcel Mauri e o deputado Carles Riera.

“Estamos perante uma flagrante violação do direito à privacidade, à participação política e institucional, tanto das pessoas espiadas como de todos aqueles que com elas têm estado relacionados”. E, portanto, Aragonés disse: “não se pode adiar a assunção de responsabilidades”.



As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul



Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Armando G. Tejeda Mestre em Jornalismo pela Jornalismo na Universidade Autónoma de Madrid, foi colaborador do jornal El País, na seção Economia e Sociedade. Atualmente é correspondente do La Jornada na Espanha e membro do conselho editorial da revista Babab.

LEIA tAMBÉM

milei-argentina-espanha
Ataques de Milei deixam relação diplomática Espanha-Argentina na corda bamba
Ebrahim Raisi (1)
Ebrahim Raisi, Robert Fico, Prigozhin e Gaza: dois pesos e duas medidas na imprensa internacional
Paris
Da Porte de la Villette à Bastille: uma jornada pela cultura e modernidade de Paris
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda