Pesquisar
Pesquisar

Cessar-fogo com Palestina é frágil, avaliam lideranças mundiais, que questionam disposição de Israel de cumprir acordos

Em comunicado, o Hezbollah destacou que ofensiva israelense uniu palestinos e que mundo assistiu a um massacre de crianças, mulheres e civis. “Vitória histórica estratégica"
Redação Diálogos do Sul
Diálogos do Sul
São Paulo (SP)

Tradução:

O cessar-fogo entre Israel e Palestina anunciado na última sexta-feira (22), é frágil, como avaliam lideranças palestinas e representantes de diversas nações do Oriente Médio. Muitos na comunidade internacional questionam o compromisso israelense de cumprir acordos, já que os viola repetidamente. 

Apesar da desproporção na quantidade de vítimas palestinas mortas na última ofensiva israelense, o subsecretário-geral do Hezbollah do Líbano, Naim Qassem, considerou que a unidade alcançada na Palestina minou os planos de Israel de promover a divisão e agora não há muitas causas, mas uma, e isso é uma vitória para os palestinos, disse ele. 

“Não é uma vitória comum, porque é de grande importância e marca um antes e um depois de agora em diante”, disse, em um comunicado transmitido pela rádio Al-Nur nesta terça-feira (25).

A equação é que não há mais separação entre Jerusalém (Al Quds, em árabe), Gaza e Palestina, explica Qassem, para completar que agora todos resistem e, embora tenha havido “muitos sacrifícios”, tratou-se de uma vitória histórica e estratégica.

Isso porque entre a opinião pública mundial, ficou destacado o massacre de Israel contra civis, mulheres e crianças e como o estado israelense destruiu edifícios, explica. 

Boicote

Apesar do cessar-fogo, em apoio à causa palestina, estivadores do porto de Durban, na África do Sul, se recusam a descarregar a carga do navio com bandeira israelense que atracou na quinta (21) no local.

Os trabalhadores sul-africanos prometem manter o boicote aos navios israelenses até que uma solução duradoura seja encontrada, já que Israel é um contumaz violador de cessar-fogo e de normas internacionais.

O presidente do país, Cyril Ramaphosa, também se opôs à ação do estado de Israel e declarou que “nunca haverá paz” até a resolução das “raízes de um conflito, neste caso, a ocupação ilegal de terras palestinas por Israel”. O político também relacionou o sofrimento palestino ao que seu povo viveu sob o regime de apartheid no século 20.

Na opinião pública mundial, destacou ele, ficou reconhecido o massacre de Israel contra civis, mulheres e crianças e como destruiu edifícios, um reflexo de sua opressão e injustiça na Palestina ocupada e em Gaza.

Outras manifestações

A desproporção com que a comunidade internacional trata a questão foi destacada, na última semana, pelo porta-voz do Partido da Justiça e do Desenvolvimento da Turquia, Omer Celik.

“O governo de Benjamim Netanyahu está matando crianças. As Nações Unidas fazem um apelo a Israel e Palestina, dizendo que o derramamento de sangue sem sentido, o terror e a destruição devem terminar imediatamente”, lamentou o porta-voz, para quem este tipo de declaração não faz mais que estimular Tel Aviv a intensificar as perseguições contra palestinos.

Ainda no país persa, o presidente Recep Tayyip Erdogan, em conversa com o papa Francisco, também na semana passada, destacou seu compromisso para colocar em prática esforços diplomáticos relacionados à causa Palestina. 

“Os objetivos dos ataques israelenses são, não só os palestinos, mas sim todos os muçulmanos, os cristãos, toda a humanidade”, disse Erdogan, durante a conversa com o sumo pontífice.

Repúdio ao sionismo

No mesmo sentido, o chefe da missão diplomática da República Islâmica do Irã no Equador, Ahmad Pajarba, ratificou o repúdio de seu país à situação.

Ele destacou que o regime racista israelense travou seis amplas guerras contra seus vizinhos e ocupou várias partes dos territórios de Egito, Jordânia, Líbano e Síria, além da Faixa de Gaza.

Ele também se mostrou incrédulo com a possibilidade de Israel cumprir qualquer determinação internacional, visto que tem, reiteradas vezes, descumprido todas as resoluções da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre a retirada das regiões ocupadas na Síria, Egito, Jordânia e Líbano.

“Além disso, rejeitou todas as iniciativas para resolver esse grave problema recusando-se também a aceitar a Palestina como país. Os estados e governos da ONU devem apresentar um plano mais programático e contundente para que acabe este problema”, enfatizou.

Pajarba também concordou com afirmações da chancelaria do Irã, que consideram a recuperação dos direitos palestinos, não só uma questão árabe-islâmica, como uma responsabilidade mundial.

Sobre este particular, insistiu: “falamos de um regime expansionista, com um amplo plano para formar um país sionista desde o Egito até o Iraque”.

Também comentou que, a fim de estimular uma solução pacífica para o conflito, e pela estabilidade na sensível região do Oriente Médio, o governo de seu país apresentou no ano passado um plano de paz às Nações Unidas.

A iniciativa propõe a realização de um referendo nacional na terra palestina com a participação de todos, incluindo judeus, cristãos, muçulmanos e seus descendentes residentes em outros estados, de modo a decidir seu sistema político.

“De nosso ponto de vista, este plano é totalmente factível e justo também. Pode acabar com esse conflito, com esse problema, essa ameaça”, concluiu.

Responsabilidade estadunidense

A responsabilidade dos Estados Unidos nas agressões de Israel à Palestina e o incentivo ao avanço dos colonos sobre os territórios palestinos tem sido destacada amplamente, como denunciam Amy Goodman e Denis Moyhihan neste artigo.

Porém, é importante observar também quem fornece os armamentos que são utilizados contra civis de Gaza. Somente neste mês, o governo dos Estados Unidos aprovou uma venda de mísseis guiados de precisão a Israel por US$ 735 milhões.

A ação gerou protestos no país e, de acordo com o jornal The Washington Post, a Casa Branca esperava a confirmação por parte da Câmara de Representantes após notificar a venda em 5 de maio, ou seja, uma semana antes de iniciados os ataques.

Apesar da contundente crítica de muitos congressistas, o diário estadunidense destaca que “Israel mantém uma ampla gama de defensores acérrimos na liderança democrata, incluindo o líder da maioria do Senado, Charles E. Schumer, de Nueva York.

Também figuram na lista o presidente do Comitê de Relações Exteriores do Senado, Robert Menendez (D), de Nova Jersey e o líder da maioria da Câmara de Representantes, Steny H. Hoyer (R) de Maryland, que alegam o suposto direito de Israel de defender-se.

Cifras oficiais deram conta de pelo menos 243 mortos, dos quais 66 crianças, 39 mulheres e 17 anciãos, sendo os feridos cerca de 1.910, enquanto do lado agressor os mortos foram 12.

* Com informações de Prensa Latina, Pravda, AFP, Brasil de Fato e DW

Colaborou Ana Corbisier 


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Diálogos do Sul

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação