Pesquisar
Pesquisar

Chile: Boric pede justiça a crimes de Estado cometidos durante estalido social, em 2019

"Não só é um ato de justiça às vítimas, mas também é um ato de justiça com a instituição policial", declarou Boric no aniversário dos protestos
Aldo Anfossi
La Jornada
Santiago

Tradução:

Completaram-se três anos da explosão social de 18 de outubro de 2019 no Chile e o presidente Gabriel Boric fez da data uma ocasião para reivindicar o levantamento popular em demanda de transformações estruturais, mas condenando os inúmeros atos de violência que o acompanharam, inclusive a destemperada repressão policial. Ao mesmo tempo, ele pediu à oposição avançar urgentemente nas reformas que ataquem as graves carências que provocaram a revolta.

Há três anos milhares de pessoas se manifestaram expressando um mal-estar acumulado por longo tempo, que clamava por maior justiça, igualdade e o fim dos abusos. Se manifestaram para que nem o tamanho da carteira nem o lugar de nascimento fossem condição para ter acesso a uma vida segura, uma saúde digna, a uma educação de qualidade e pela necessidade de contar com pensões que garantam aposentadorias dignas após uma vida de esforço”, disse a partir da sede do governo. 

Assista na TV Diálogos do Sul

“A explosão não foi uma revolução anticapitalista e, tampouco, como alguns têm dito nos últimos dias, uma pura onda de delinquência. Foi uma expressão de dores e fraturas de nossa sociedade que a política, da qual somos parte, não soube interpretar nem dar respostas”, afirmou, agregando que “expressou e trouxe muita dor e deixou enormes sequelas”, comprometendo-se a que “não vamos permitir que seja em vão”. 

Houve, disse, muitas advertências do mal-estar cidadão, mas a política foi incapaz por anos de acordar soluções ao ponto que “ainda não concretizamos as reformas que resolvam a debilidade dos direitos sociais, em saúde, pensões, educação, saúde mental, cuidado da infância e paz” e a demanda de dignidade. 


Reivindicou as reformas estruturais propostas em seu programa de governo, mas admitiu que estão bloqueadas ao ser minoria legislativa e porque não há acordo no mundo político. 

"Não só é um ato de justiça às vítimas, mas também é um ato de justiça com a instituição policial", declarou Boric no aniversário dos protestos

Brasil 247
Gabriel Boric, presidente do Chile




Crítica à violência social e policial

O presidente fez significativas reflexões em torno à violência que acarretou a explosão, à brutalidade com que respondeu o governo de Sebastián Piñera, com gravíssimas violações aos direitos humanos cometidas pela polícia durante a repressão dos protestos, causando dezenas de mortes, centenas de feridos, mutilados e abusos sexuais.

“É indispensável que na democracia os abusos policiais sejam investigados e sancionados; não só é um ato de justiça às vítimas, mas também é um ato de justiça com a instituição policial, cujo trabalho não deve ser confundido com atuações que foram gravíssimas e condenáveis, porque não são representativas do trabalho diário que mais de 60 mil carabineiros realizam dia a dia”, afirmou. 

Estallido social no Chile: 3 anos depois, persistem carências que levaram povo às ruas

Também assinalou que, desde o protesto, houve “condutas violentas destrutivas” que agiram “contra as próprias causas da explosão ao produzir uma crescente onda de rechaço na sociedade, cansada de ver como o vandalismo destrói os bairros, o comércio e o patrimônio, abrindo passo a ações que são delitivas”. 

Colocou que “desde a esquerda, devemos ser mais categóricos que ninguém em pôr um dique a essas condutas, em enfrentá-las sem complexos, denunciá-las e castigá-las. O protesto social não pode ser sinônimo de violência, não pode encobri-la nem a justificar, porque vai contra seus princípios e seus propósitos, e contra a sua vocação de maioria para mudar a realidade”.

O dia transcorreu com pequenas mobilizações em diversas cidades do país, algumas acompanhadas de incidentes e barricadas, com 25 mil carabineiros nas ruas, as quais na metade da tarde começaram a esvaziar-se pois os escritórios públicos, privados e os comércio fecharam as portas mais cedo, enquanto o transporte público foi retirado antes do anoitecer. À medida que caia a noite, em setores populares se acendiam fogueiras e bloqueavam avenidas.

Aldo Anfossi | Especial para o La Jornada, desde Santiago do Chile.
Tradução: Beatriz Cannabrava.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Aldo Anfossi

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei