Pesquisar
Pesquisar

Chile | “Com menos de 10% de aprovação, governo Piñera já acabou”, pontuam analistas

Analistas enfatizam a solidão política em que se encontra Piñera, que foi abandonado no Parlamento até por sua coalizão Chile Vamos
Aldo Anfossi
La Jornada
Santiago

Tradução:

Duas pesquisas de opinião divulgadas nas últimas horas no Chile, coincidiram em assinalar que o presidente Sebastián Piñera tem paupérrimos níveis de aprovação de um só dígito, confirmando o abandono em que se encontra pelo desencanto da situação econômica derivada da pandemia e pela condução do país desde a explosão social de 2019. 

A medição da firma TuInfluyes.com marcou 7% de respaldo e 81% de desaprovação ao governante, enquanto o Centro de Estudos Públicos (CEP) vinculado ao grande empresariado direitista, lhe deu 9% de aprovação e 74% de rechaço. 

O mínimo apoio social só se compara com os 6% de apoio que ele teve após os piores momentos da crise de governabilidade posterior ao levantamento social de 19 de outubro de 2019. 

Segundo os resultados do CEP, Piñera também é castigado na avaliação de personagens políticos, onde fica em último lugar entre 23 nomes, com 11% positivo e 70% negativo. 

Saiba+
“Inação irresponsável”: Aprovação de Piñera despenca com situação crítica da pandemia no Chile

De acordo com a TuInfluyes, 72% não têm nenhuma ou pouca confiança na informação oficial sobre a pandemia, 50% asseguram não ter recebido nenhum benefício social; e 45% qualificam sua situação econômica como má ou muito má.

Analistas enfatizam a solidão política em que se encontra Piñera, que foi abandonado no Parlamento até por sua coalizão Chile Vamos

Diario Concepción
O mínimo apoio social só se compara com os 6% de apoio que ele teve após os piores momentos da crise de governabilidade

Solidão política

Os analistas enfatizam a solidão política em que se encontra Piñera, abandonado no Parlamento por sua coalizão Chile Vamos -cujos deputados e senadores votam contra o governo e em coincidência com a oposição -, sem possibilidade de iniciativa e com seu governo afundando, praticamente sem apoio social. 

“As pesquisas de opinião estão dando consistentemente um nível de aprovação menos que 10% ao presidente. Nesta ocasião foi 9%. Os últimos eventos deixaram o presidente totalmente sozinho. Nem seus próprios partidos o estão apoiando no Congresso, aprovando leis que vão contra o que ele quer. Sua única possibilidade é estabelecer algum tipo de acordo com a oposição nos temas básicos, como o pacote de ajuda social pela pandemia e um pacote de reforma tributária. O tempo político de Piñera já acabou. Temos eleições em maio e em novembro e não há dúvida que passará como o presidente mais mal avaliado desde o retorno da democracia”, diz Claudio Fuentes, analista político da Universidade Diego Portales.

Leia também
Aprovação de impostos para “super-ricos” escancara isolamento político de Piñera no Chile

O acadêmico faz ver que “a oposição propôs negociar um pacote de ajuda social e reforma tributária”, mas “o problema é que o presidente não quer fazê-lo”.

Tampouco concede possibilidade a uma renovação do governo via reestruturação do gabinete, já que “aqui enfrentamos uma situação na qual o Presidente controla muito a gestão de governo pelo qual não creio que mude muito com uma mudança de gabinete”.

Axel Callís, diretor de TúInfluyes.com, diz que o governo está “afundado”, sem capacidade de iniciativa nem de manobra.

“Quando um governo perde os pilares que lhe dão sustentação à governabilidade, ou seja, suas bancadas parlamentares, seus partidos políticos, seus candidatos presidenciais e agora o Tribunal Constitucional, tecnicamente esse governo está afundado, porque não tem nenhum ponto de apoio para poder governar”.

Da mesma forma, os ministros do Comitê Político, aos quais corresponde conduzir a coordenação e acordos com o Parlamento e com Chile Vamos, demonstram irrelevância porque carecem de qualquer possibilidade de incidência. 

Múltiplos golpes

À somatória de golpes que tem recebido Piñera dos seus, agregou-se esta semana o fracasso, próximo ao ridículo, que sofreu no Tribunal Constitucional (TC), bastião ao qual tradicionalmente pede ajuda à direita para bloquear leis que lhe desagradam.

Leia também
“Constituinte é a chave da construção do Chile independente e soberano”, diz advogado chileno

Agora recorreu para impedir que uma “reforma constitucional transitória” aprovada esmagadoramente, permitisse aos poupadores de aposentadoria efetuar uma terceira retirada de 10% de seus fundos.

O TC, por sete votos a três, nem sequer acolheu a tramitação da petição, descartando-a em duas horas, assinalando que havia erros de forma em sua redação. 

A desafeição pelo mandatário continua se manifestando: agora seus parlamentares, em coincidência com os opositores, estão procurando legislar uma reforma tributária que grava os ricos e reduz o Imposto ao Valor Agregado a certos bens de consumo essenciais, invadindo assim o poder presidencial de ter iniciativa exclusiva em matérias de imposto, gasto fiscal e seguridade social. 

Na prática, para muitos, quem governa é o Parlamento. 

Aldo Anfossi, especial para La Jornada desde Santiago do Chile

La Jornada, especial para Diálogos do Sul — Direitos reservados.

Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Aldo Anfossi

LEIA tAMBÉM

ngel Víctor Torres
Abandono da memória histórica deu espaço à ultradireita na UE, afirma ministro espanhol
Pierre-Yevenel-Stephan
Pierre Stephan: conheça o primeiro ginasta do Haiti a disputar as Olimpíadas em 124 anos
Fujimori-Peru
PL no Peru que pode deixar Fujimori impune e engavetar 600 crimes viola direito internacional
José_Carlos_Mariátegui
O Amauta, mais urgente do que nunca no Peru