Pesquisar
Pesquisar

Chile: Para superar onda de conflitos, Boric anuncia reparação histórica a povos indígenas

Territórios mapuche foram invadidos por militares no século 19, entregues a colonos europeus no século 20 e entregues a empresas após o golpe de 1973
Aldo Anfossi
La Jornada
Santiago

Tradução:

O presidente chileno, Gabriel Boric, 48 horas depois de ordenar a implementação militar na macrozona sul do país em uma tentativa de frear a crise de segurança e de ordem pública existente ali, declarou ter “a mais plena convicção” que isso não resolverá o desencontro histórico entre o povo/nação mapuche e o Estado chileno, reiterando sua vontade de diálogo com as forças em conflito. 

“Se não nos fazemos cargo do fundo e só o abordamos a partir da vertente da ordem pública e da segurança, vamos nos equivocar; já outros governos tentaram esse caminho e fracassaram”, disse durante uma visita à localidade de Alhué, 140 quilômetros ao sudoeste de Santiago, onde inaugurou um centro de saúde familiar. 

Assista na TV Diálogos do Sul

“Temos que pôr mais empenho ao diálogo, esse é nosso objetivo e o que estamos fazendo, garantindo a segurança sem complexos ideológicos como me corresponde como chefe de Estado, e levando adiante um plano para abordar o problema de fundo, que é a dívida do Estado chileno com o povo/nação mapuche”, agregou. 

Nas regiões do BioBío, da Araucanía e de Los Ríos – no Wallmapu mapuche, de uns 72 mil Km², há 20 anos se desenvolve um crescente movimento indigenista pela recuperação de suas terras e autonomia; o conflito e a repressão policial deixaram centenas de mortos, tanto chilenos como mapuche, incontáveis feridos e grande perdas materiais, porque os órgãos de resistência mapuche incendeiam maquinaria agrícola, florestal e bens imóveis.

A maior parte dessas terras, uns cinco milhões de hectares, estão em posse de dois conglomerados florestais que os exploram intensivamente, para o qual arrancaram os bosques nativos e os substituíram por plantações de pinho e eucalipto.

Territórios mapuche foram invadidos por militares no século 19, entregues a colonos europeus no século 20 e entregues a empresas após o golpe de 1973

247 News Agency
"Temos que pôr mais empenho ao diálogo, esse é nosso objetivo e o que estamos fazendo, garantindo a segurança sem complexos ideológicos"

Livre trânsito e diálogo

“Tenho a mais plena convicção de que isto (recorrer às tropas) não resolve o problema e por isso decretamos um estado de exceção nas estradas para assegurar e garantir o livre trânsito”, disse Boric, agregando que seu governo se empenhará em um plano que inclui “a compra de terras para comunidades indígenas, a construção de caminhos, um diálogo (garantido) com observadores internacionais, uma recomposição de confianças, porque temos um problema de fundo que cresceu muito nos últimos anos”. 

O presidente o justificou porque “temos o dever de exercer todas as faculdades que a lei nos permite para garantir a segurança dos cidadãos em todo o território nacional, o abastecimento e o livre trânsito”. 

Com vitória de Boric, quais os desafios para a construção de um novo Chile popular?

Questionado acerca de por que seu governo decidiu não perseguir judicialmente o líder indigenista Héctor Llaitul, quem apelou “a organizar a resistência armada pela autonomia do território e para a nação mapuche”, Boric respondeu que “nosso governo persegue delitos, e o faremos com todo o peso da lei, mas nosso governo não persegue ideias nem declarações”. 

Llaitul, líder da Coordenadora Arauco Malleco (CAM), apareceu publicamente na quarta-feira em Temuco, 620 quilômetros ao sul de Santiago e capital da Araucanía, em uma manifestação em frente ao cárcere público dessa cidade, em solidariedade com os “presos políticos” mapuche – presos comuns para o governo chileno – e para exigir sua libertação. 

Os territórios mapuche, com o Chile desconhecendo pactos de coexistência pacífica subscritos em 1825, foram invadidos e apropriados em meados do século 19 por militares que assassinaram muita gente. No início do século 20 foram entregues a colonos europeus que formaram latifúndios e que após o golpe militar de 1973 passaram para a propriedade das florestais.

Aldo Anfossi, Especial para La Jornada desde Santiago do Chile.
Tradução de Beatriz Cannabrava.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Aldo Anfossi

LEIA tAMBÉM

PascualHernandezCUC
“Do genocídio praticado contra indígenas na Guatemala surgiu o termo palestinização”, afirma CUC
Peru-mulheres-indigenas-rio-maranon
Mulheres indígenas enfrentam petroleira para proteger Rio Marañón, no Peru
Cuba-bloqueio
EUA mantêm Cuba como patrocinadora do terrorismo para afogar projeto cubano de soberania
medicos-Cuba
Em 60 anos, médicos cubanos já socorreram 165 países e resistem à perseguição dos EUA