Pesquisar
Pesquisar

Chile perde uma das constituições mais progressistas do mundo por uma Pinochet 2.0

Segundo analista internacional, única forma de impedir mais retrocessos é um acordo entre o oficialismo e a direita tradicional mais moderada do país
Aldo Anfossi
La Jornada
Santiago

Tradução:

Ao mesmo tempo que a contra esquerda lambia as feridas que a derrota eleitoral do domingo (7), na eleição de conselheiros constitucionais, lhe deixou, e na qual a extrema direita se levantou como grande vitoriosa, o oficialismo teve que suportar ver piorar sua sorte quando pelo ajuste de um resultado perdeu um lugar que foi para os ultraconservadores. 

Assim o pinochetista Partido Republicano aumentou para 23 sua bancada no Conselho Constitucional de 50 integrantes; enquanto que por contrapartida a lista Unidade para Chile, que reúne comunistas, socialista e o Frente Amplio se reduziu a 16.

Continua após o banner

Esse câmbio está longe de ser um detalhe menor, porque tem o efeito de que a soma dos 34 conselheiros eleitos pelas direitas – republicanos mais o pacto Chile Seguro, composto por UDI, Renovação Nacional (RN) e Evopoli –, significa que controlam dois terços do órgão, uma maioria que será dirimente se devem criar comissões para resolver controvérsias. 

Os republicanos, que obtiveram 35,4% dos sufrágios, são contrários a substituir o atual texto e embora matizem qual será seu desempenho de agora em diante, tampouco ocultam seu propósito de referendar a submissão do Estado na economia, na liberdade de empreendimento e nos valores conservadores. 

“Nós acreditamos que esta Constituição é boa, tem que ter algumas modificações”, disse sua secretária-geral, Ruth Hurtado.

Leia também: Conselho que vai redigir nova Constituição no Chile é dominado pela extrema-direita

Também as direitistas UDI, RN e Evopoli estão em choque diante do avanço ultraconservador, que lhes arrebatou boa parte de seu eleitorado, para reduzi-la a 21% dos votos e 11 conselheiros. 

Conforme “o dia depois” transcorria, a centro-esquerda ensaiava explicações ao grande golpe e invocava uma espécie de olhar amplo que deveria primar para não impor uma visão unilateral. 

“Se redigirem uma Constituição partidária, não será representativa das maiorias nacionais. Esta é uma prova para a Política, com maiúscula, porque o diálogo é indispensável para conseguir acordos e construir este pacto social. Impor maiorias não permitirá fazê-lo”, disse a presidenta do Partido Socialista, Paulina Vodanovic.

Continua após a imagem

Segundo analista internacional, única forma de impedir mais retrocessos é um acordo entre o oficialismo e a direita tradicional mais moderada do país

simenon/Flickr
Manifestação com cartaz "Pinochet: morra sua herança", em setembro de 2011, em Santiago do Chile





Explicação do paradoxo

Cristián Fuentes, analista internacional da Universidade Central, em declarações à La Jornada, definiu o ocorrido como um paradoxo considerando que “há um ano Chile se aprontava para ter uma nova Constituição, uma das mais progressistas do mundo; hoje nos enfrentamos à possibilidade de não ter um nova Carta Fundamental ou a versão 2.0 da de 1980”. 

A única possibilidade de parar aquilo, diz, é a esperança de acordo entre o oficialismo e a direita tradicional mais moderada. 

Fuentes ressalta também os 21% de votos nulos e brancos, uma parte deles de uma certa esquerda que não confiou no atual processo. 

“Por que ocorreu isto? Pareceria que é expressão de raiva contra a classe política e de protesto pelos problemas econômicos, a migração descontrolada e o aumento do delito. Tudo isso no contexto de uma sociedade fragmentada, onde uma parte importante é despolitizada e com anomia, que foi obrigada a votar”, explica.

E quanto ao governo, agrega, “se encontra encurralado politicamente e deve resolver se insiste nas reformas prometidas, embora as perdas no Congresso, ou negociá-las a qualquer preço”. Ao mesmo tempo, é preciso continuar com o combate à delinquência (“que está dando resultados pouco a pouco”), atacando a migração irregular (“problema muito complexo de resolver”) e fortalecer os planos de ajuda econômica às famílias necessitadas, pois a inflação baixa a um ritmo lento e as taxas de juros se mantêm altas”. 

Tudo isso, com ainda três anos de governo pela frente.

Alfo Anfossi | La Jornada, especial para Diálogos do Sul – Direitos reservados.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Aldo Anfossi

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei