Pesquisar
Pesquisar

Chile: primeira comunista a governar Santiago é filha de brasileira e vem do movimento estudantil

Iraci Hassler contesta o modelo atual de governo distante das necessidades populares e quer promover maior participação cidadã
Hugo Gúzman
Portal Vermelho
São Paulo (SP)

Tradução:

Iraci Hassler, do Partido Comunista Chileno, derrotou o ex-prefeito Felipe Alessandri, do Renovação Nacional, o partido do presidente chileno Piñera, e será a prefeita da capital Santiago. A candidata eleita obteve 38,62% dos votos, contra 35,28% de Alessandri. Não há segundo turno nesta eleição.

Os chilenos foram às urnas no sábado (15) e domingo (16) para escolher os deputados constituintes que elaborarão uma nova constituição para o país e também votaram em prefeitos, vereadores e, pela primeira vez, governadores regionais, em mais uma etapa em direção a uma sociedade mais participativa. É a primeira vez na história do Chile que os comunistas vão governar a prefeitura de Santiago. Até 1992 a cidade era governada por um indicado do presidente.

Filha de mãe brasileira e pai chileno, Iraci iniciou a carreira política no movimento estudantil em 2011. Próxima aos movimentos sociais, Hassler contesta o modelo atual de governo distante das necessidades populares e quer promover maior participação cidadã.

Com familiares chilenos identificados no espectro político à direita e familiares brasileiros comunistas, Iraci se destacou com atuação no movimento estudantil e como vereadora. Ela tem formação acadêmica em economia e estudos culturais pela Universidade do Chile.

Em suas redes, a nova prefeita de Santiago comemorou a vitória e afirmou que se trata da derrota do neoliberalismo. “Nos propusemos a derrotar as administrações neoliberais e conseguimos. Hoje, Santiago inicia um novo ciclo, de resistência e cogestão social dos territórios”, disse Iraci Hassler.

Assim como no Brasil, comunistas no Chile convivem com estigmas impostos por discursos do establishment político e a vitória de Iraci representa um revés para o governo federal atual. Na visão de Hassler, a população vê com mais clareza o empenho dos movimentos sociais por uma sociedade mais participativa e justa, enquanto os discursos políticos neoliberais se distanciam da realidade. Para ela, é preciso “deixar os pés nas ruas” para se conectar à população.

“Veja, pessoas que não são militantes comunistas receberam a mesma estigmatização. Porque quando eles saem para se manifestar eles dizem que são comunistas, quando eles alegam alguma coisa eles dizem que são comunistas, quando eles chamam para se organizar, eles dizem que são comunistas. Então, as pessoas que buscam seus direitos, que desejam transformações, que buscam justiça, se sentem representadas por nossas lutas”, afirmou em entrevista quando ainda era candidata à prefeitura.


Nova prefeita de Santiago, Iraci Hassler, se elegeu com 38,62% dos votos | Foto: Reprodução Facebook / Irací Hassler Jacob

A entrevista de Iraci Hassler ao site El Siglo revela o projeto político, desafios e origens da primeira prefeita comunista de Santiago. Confira a entrevista completa de Iraci concedida à Hugo Guzman, do El Siglo, em 13 de novembro de 2020.

Iraci Hassler contesta o modelo atual de governo distante das necessidades populares e quer promover maior participação cidadã

Reprodução Facebook
É a primeira vez na história do Chile que os comunistas vão governar a prefeitura de Santiago.

Entrevista El Siglo (13/11/2020)

“A vereadora do PC que é opção à prefeitura de Santiago. Seu salto do movimento estudantil para o território e sua visão dos estigmas em relação aos comunistas.”

Hugo Gúzman / El Siglo: Muitas pessoas ficam impressionadas com seu nome e sobrenome: Iraci Hassler.

Iraci Hasller: Eles me perguntam muito, Hugo. É que o nome e o sobrenome são estranhos, a vida toda eu tenho que soletrar, eles erram muito. É que eles não são fáceis. Irací é um nome indígena brasileiro, minha mãe é brasileira. Todos os meus irmãos têm nomes brasileiros. O meu significa “reino das abelhas”, em tupí-guarani. Hassler é um sobrenome suíço, meu pai é chileno, mas sua família vem da Suíça. Meu nome é uma mistura muito peculiar.

Sua família vem da política, eles são comunistas?

Minha família mais próxima e direta não está relacionada à atividade política. Mas minha família brasileira sim, vários são comunistas, minha tia falecida há poucos anos foi uma grande referência para mim, minha prima que é militante do Partido Comunista, mas minha família aqui no Chile não é muito ligada à política. Na verdade, foi bastante surpreendente para eles e para elas quando entrei para o Partido Comunista e alguns não gostaram muito. Minha mãe ficou um pouco assustada, você pode se expor a diferentes situações. No começo ela me ligou no meio de todas as marchas, e bom, você tem que ver a repressão e a agressão contra os jovens, dos quais a gente demonstra, então ela estava certa. Bem, meu pai é de direita, mas mesmo assim tenho recebido apoio dele, apesar de termos diferenças ideológicas muito profundas.

Onde você fez o ensino médio e a universidade?

Na comuna de Ñuñoa, no Colégio Suíço. Então entrei na Universidade do Chile para a Engenharia Comercial com especialização em Economia, que é a forma de estudar economia em nosso país. Agora estou terminando o mestrado em estudos culturais e de gênero, também na Universidade do Chile, mas na Faculdade de Filosofia.

Quando você entrou na Juventude Comunista?

Em 2011, quando estive na Universidade, no meio do movimento estudantil onde participamos com muita força. Isso me fez querer participar mais amplamente. Eu estava focada na minha graduação, numa crítica à formação em economia, que é uma visão muito enviesada, apenas fixada no modelo neoclássico que sustenta o modelo neoliberal, e começamos a discutir que a economia é uma ciência social, humana. Eu fui orientadora escolar e lá tinha várias brigas, vi de uma perspectiva crítica. Também nos envolvemos no movimento estudantil com objetivos mais gerais, percebemos que havia problemas subjacentes, a desigualdade, a educação precária, a questão do endividamento. Isso me fez querer fazer parte de um espaço coletivo que realmente disputa o poder e pode se articular em diferentes espaços.

Em 2011, havia várias organizações políticas juvenis ativas. Por que você decidiu entrar para o JJCC?

Um dos motivos tem a ver com o ideológico. Nos cursos alternativos da Universidade, trabalhávamos muito com o Manuel Riesco, com o Hugo Fazio, com o CENDA (Centro de Estudos Nacionais de Desenvolvimento Alternativo), comecei a ler O Capital, do Karl Marx, vi que como a mais-valia de trabalhadores era obtida e vários outros itens. Para mim foi uma revelação decisiva que me impeliu a assumir a responsabilidade pela luta contra a apropriação do trabalho alheio que os capitalistas fazem e que não permite o desenvolvimento dos trabalhadores. Essa foi uma parte ideológica que assumi, compartilhando ideias comunistas e de transformação. Ao mesmo tempo, teve outra parte, que tem a ver com algo mais prático. La “Jota” tem desempenhado um papel muito importante no movimento estudantil, a presidência de Camila Vallejo era na Federação de Estudantes da Universidade do Chile (FECH), e em meu corpo docente havia um importante grupo de colegas da “Jota” com quem trabalhamos. Comparando com outras organizações, vi na “Jota” uma maior possibilidade de transformação estrutural de toda a sociedade, não só no espaço educacional ou universitário.

Na Universidade você era uma líder, você ocupou cargos na Juventude Comunista?

Sim, tive que assumir várias responsabilidades. Na Faculdade fui delegada da minha geração e participei do Conselho Docente, fui orientadora escolar e depois assumi como senadora universitária, o que foi uma experiência muito especial, diferente do que vivi como líder estudantil, porque é um espaço de pensar a Universidade a partir dos diferentes espaços que a compõem, alunos, funcionários, professores. Também desempenhar um papel de supervisão, aprovação de orçamentos, projetos. Em 2014 fui líder da FECH, fui secretária geral. Internamente na Juventude Comunista, assumi a chefia das massas da minha base, depois fui membro da cúpula dos estudantes comunistas, logo passei a ser membro do Comitê Central da “Jota” e membro de sua diretoria Liderança. Foi uma das maiores responsabilidades que já assumi. Naqueles anos fui aprendendo com a nossa organização e desempenhando diferentes funções, era responsável por gênero, finanças, municipal.

Você ainda é membro da Juventude Comunista?

Não. Em 2018, entrei para o Partido Comunista.

Você foi inserida na luta estudantil. Em que momento você dá o salto para batalhas territoriais e comunitárias? Porque você poderia continuar na área acadêmica, universitária.

Valorizo muito a luta universitária, toda aquela experiência de 2011, mas acho que para mim certos espaços se esgotaram ou se modificaram. Queria conhecer outros espaços e queria trabalhar em territórios. Olha, naqueles anos eu tinha me candidatado ao mestrado em políticas públicas, eu tinha ficado, mas dei uma virada e falei não, que era hora de sair daquele espaço, abrir a cabeça, ir pra outro espaço, e eu fui para o espaço comum. Já morei na comuna de Santiago, então já tinha um espaço. Conheci os espaços comunitários, os bairros, o património, as comunidades educativas – temos 44 estabelecimentos municipais de ensino –, o comércio, o turismo, que compõem esta comuna de mais de 500 mil habitantes e os milhares que passam pela comuna. Agora, do conselho, ainda quero estudar, continuar aprendendo.

Há vários anos trabalha na comuna de Santiago. Você conhece as pessoas, os migrantes, os idosos, os jovens, eu mencionei, a convivência nas praças, a pobreza, a realidade nas escolas. O que isso significa afetivamente?

Algo muito forte. Pareceu-me saber a precariedade, a pobreza que existe na comuna de Santiago. Veja o abandono, a discriminação, a falta de condições básicas para viver, a superlotação, o medo permanente de incêndios por sobrecarga de energia elétrica, aluguéis abusivos, a realidade do idoso. Esta é uma comuna maravilhosa, com um potencial tremendo, mas também com muita pobreza, que muitas vezes se esconde. Lembremos que o ex-ministro Jaime Mañalich, quando estava na Saúde, veio ao bairro Yungay e disse que não conhecia esse nível de superlotação, o que nos parecia muito grave porque ele estava tomando decisões em termos de saúde. É doloroso ver as deficiências e necessidades de tantas famílias. Porque o conselho tem poderes limitados. Eu gostaria de fazer muito mais, mas somos limitados.

Mas vemos um limite na institucionalidade, na Constituição e principalmente na administração municipal que não escuta ou não coleta propostas por motivos políticos, o que tem consequências para os vizinhos. Às vezes há a frustração de querer fazer muito mais, de poder mudar mais com as comunidades organizadas, com os vizinhos, com as suas organizações e para isso trabalhamos, por mais que sejamos institucionalmente e uma má política da atual gestão municipal.

A primeira vez que você concorreu a vereador, você venceu.

Sim, claro.

Como você fez isso? É difícil ser eleito pela primeira vez. Ouvi dizer que foi difícil para você ser eleito. De onde saiu a fórmula?, em uma comuna como Santiago.

Em deixar os pés na rua. Isso é o mais importante.

E mais sobre a fórmula?

Venho do movimento estudantil, sem raízes territoriais ou de Santiago. Não tinha conhecimento territorial para enfrentar uma campanha. Então o fundamental era conversar com as pessoas, conhecê-las, andar nas ruas, ir aos bairros, conhecer a realidade diretamente, estar nas ruas, nos lugares. E o papel da Juventude Comunista foi fundamental. Porque promovemos a campanha essencialmente com o “Jota” e havia uma juventude motivada, ansiosa e empenhada que estava todos os dias na rua. Acho que foi decisivo.

Como eles te receberam?

Muito bem, com muita conversa. Havia um apreço pelos jovens, havia um reconhecimento do movimento estudantil de onde eu vim, embora eles não me conhecessem diretamente, conheciam o movimento e por isso recebíamos apoio. Ainda existe aquela valorização da juventude.

Foi surpreendente quando você descobriu que havia ganhado um conselho em Santiago?

Eu me senti muito feliz e muito feliz. Sempre se fica com a dúvida até o último momento, mas não sei se foi tão surpreendente. Há dúvidas, expectativas, pensa-se se as pessoas foram votar ou não, então na hora da vitória foi um misto de surpresa, satisfação e alegria.

Depois de estar na rua, nos bairros, você chegou a uma grande sala, ao espaço institucional da Câmara Municipal. Custou para você se adaptar?

Isso me custa até hoje. Em parte, porque isso me custa naturalmente e em parte porque não estou disposta a me adaptar a essa estrutura institucional. Porque é um quadro institucional muito distante do povo, um suposto republicanismo mal compreendido, uma separação desse espaço institucional da política na rua, do que acontece na comuna. Tenho sido muito avessa a assumir as adaptações que deveriam ser feitas. Claro, há coisas formais que precisam ser feitas, mas isso não me custa muito. Uma posição forte na assembleia e também na Câmara. É como uma resistência a essa institucionalidade e a esse distanciamento do povo.


Como você se dá com o prefeito Felipe Alessandri? Bom, ruim, mais ou menos?

Entre mais ou menos e ruim.

Existem problemas de relacionamento dentro da atividade municipal?

O relacionamento com o prefeito Alessandri não tem sido fácil. Obviamente a gente se cumprimenta cordialmente, mas acho que ele tem algumas arestas autoritárias, surgem elementos do seu autoritarismo, do seu anticomunismo, tem hora que ele nem responde a perguntas ou pedidos. Também tem a ver com sua visão contra o movimento cidadão e a mobilização social. Nisso tivemos encontros muito fortes com o prefeito e acho que custaram uma relação que poderia ter sido mais colaborativa. Já fizemos muitas propostas para a Câmara Municipal e na maioria das vezes eles preferem não as aceitar, apenas diz “vamos discutir isso, vereador”, por isso não temos conseguido gerar uma relação de maior contribuição que pretendíamos. Mas ele não tem a intenção de colaborar.

Por que você decidiu se candidatar a prefeito e não continuar como vereador?

Abrimos um processo na comuna de Santiago, que é a Prefeitura Constituinte. Eu me sinto muito parte dessa construção, e não vejo isso na situação eleitoral agora, tem a ver com o papel que a gente tem conseguido construir com as comunidades há muito tempo, com os coletivos, com os vizinhos, com as comunidades educativas que querem se empoderar para fazer mudanças em favor da comuna. É um processo que alcançou a unidade entre o social e o político com vista a transformar a nossa comuna e penso que é um processo inédito em termos de participação. Abrimos uma porta desde a comuna de Santiago, mas também a nível nacional, com o processo constituinte, que é uma esperança, uma alegria e uma responsabilidade.

Quando fui vereadora durante quatro anos, vindo do movimento estudantil, de um apreço que existe para com a juventude, senti que poderia assumir essa responsabilidade. Além disso, é uma avaliação e uma proposta que vem das organizações sociais, que de facto registaram a nossa candidatura e que nos chamaram para a possibilidade de desempenhar este papel. Hoje a ideia é que o povo decida, por isso as primárias cidadãs que faremos me parecem tão relevantes. Vamos apresentar nossas propostas, nossas capacidades, nossa experiência, nosso programa, e serão os vizinhos e vizinhas que decidirão se seremos nós quem concorreremos à prefeitura em abril. Se assim o decidirem, irei com grande entusiasmo, com grande convicção, num papel que não é pessoal. Porque uma única pessoa não pode fazer as mudanças e cumprir os desejos, trata-se de um coletivo, de confiar no povo, nas organizações, e assim podemos alcançar grandes coisas e gostaria de exercer um papel importante neste caminho

Como serão essas primárias em Santiago?

Elas são chamadas de primárias cidadãs do Gabinete do Prefeito Constituinte. O Gabinete do Prefeito Constituinte reúne mais de 45 organizações na comuna e tem uma construção aberta programática por mais de um ano, que agora estamos apresentando aos vizinhos. Isso terá um processo de aprofundamento após essas primárias em 6 de dezembro. Entre as organizações que participam há 17 que são políticas, entre partidos, movimentos, redes, que cobrem o espectro da esquerda, em geral, inclui o Partido Comunista, o Partido Progressista, a Frente Ampla, o Partido da Igualdade, Rede Territorial, Line Popular, Victoria Popular, entre outros. Em termos de representações sociais, existem oito conselhos de bairro, patrimônio, mulheres, diversidade sexual e organizações ambientais.

Uma vez que a primária elege o candidato ou candidato, você está disposto a definir o candidato comum com a antiga Concertación ou Unidade Constituinte?

É um assunto que temos que discutir na assembleia da Prefeitura Constituinte.

No que se refere ao município de Santiago, em geral, onde você colocaria os eixos básicos para enfrentar no futuro?

Em linhas gerais, o nosso projeto encarna o momento de mudanças sociais e políticas que o país vive e, portanto, o elemento constitutivo que se discute a nível nacional é decisivo na proposta de Prefeitura Constituinte que construímos. Procura colocar a dignidade no centro e uma vida boa nos bairros.

Um elemento fundamental é uma proposta de co-governo do município com organizações sociais e organizações vizinhas. Queremos isso no nível da comunidade e em cada um de nossos bairros, potencializando o território nas decisões. Portanto, o elemento democratizante é fundamental nesse processo. Falamos de uma democracia constituinte, não dessa democracia indiferente e simbólica, mas de que efetivamente os cidadãos podem decidir como viver em seu território.

Uma mudança drástica na educação também é imprescindível, porque há criminalização e perseguição da comunidade educacional, repressão permanente, que tem causado profundos danos às comunidades educacionais. Temos comunidades educativas com capacidade de organização, trabalho, crítica e com elas temos que curar, construir e realizar um novo projeto de diálogo. A outra coisa é que propomos um projeto sustentável, que evidencia as alterações climáticas e exige uma nova política que, por exemplo, conserte e valorize os parques públicos, porque há uma grande perda do nosso património ambiental, dos pulmões verdes que não são só para nossa comuna, mas para a Região Metropolitana. Devemos avançar na segurança no campo preventivo, que é algo que está afetando os vizinhos, temos que estar à frente das situações de crime. Temos também um projeto feminista que reflete o momento de transformação em que estamos, para acabar de uma vez por todas com uma relação de desigualdade, discriminação, do que se definia como masculino sobre feminino, temos que acabar com a violência contra a mulher, com o não reconhecimento do trabalho doméstico, cuidado e parentalidade, que deve ser apoiado muito mais a partir do espaço municipal. Pois é, tem a questão da imigração, temos milhares de migrantes na comuna e temos que trabalhar os elementos de convivência, garantindo direitos, regularização e emprego.

Você é uma militante comunista. Você continua ouvindo estigmatizações. Aquele prefeito Daniel Jadue não pôde ser presidente porque é comunista, que talvez você não possa ser prefeito de Santiago porque é comunista. No entanto, se vê, objetivamente, o trabalho dos comunistas. Como você vê essa questão do anticomunismo e da estigmatização dos comunistas neste momento? O que acontece com você com essa construção sobre os comunistas? Seu trabalho ajuda a mudar isso?

Há uma estigmatização que vem de quem venceu, por assim dizer, nas últimas décadas em nosso país e impôs certo modelo. Eles também impuseram um medo, uma estigmatização permanente, eles usaram a mídia e atores políticos para isso. Porém, acho que foi mudando, e não é tão forte na população como está nos discursos públicos que têm muita visibilidade, considerando a conformação dos meios de comunicação de massa em nosso país.

Atuação cotidiana, conhecendo-se, desmistificando algumas coisas, rompendo com crenças. O prefeito Daniel Jadue, quando nos acompanhou na assinatura das farmácias populares aqui em Santiago, disse aos vizinhos que tinha boas notícias para eles, que não tinha comido nenhum ônibus em todos esses anos na comuna da Recoleta, fazendo piada de as coisas que eles querem instalar dos comunistas. E é que tem gente que instala esse tipo de discurso e isso é muito chocante. Mas quando as pessoas nos encontram, elas nos veem, nos veem trabalhando, percebem que somos seres humanos comprometidos, com convicções e que queremos mudar as coisas porque estão erradas. 

Existem pessoas como nós e nós que querem mudar as coisas, querem fazer o mesmo que nós, querem participar e não têm preconceitos em relação aos comunistas. Tem gente que tem desmantelado preconceitos no trabalho prático, na experiência. Veja, pessoas que não são militantes comunistas receberam a mesma estigmatização.

Porque quando eles saem para se manifestar eles dizem que são comunistas, quando eles alegam alguma coisa eles dizem que são comunistas, quando eles chamam para se organizar, eles dizem que são comunistas. Então, as pessoas que buscam seus direitos, que desejam transformações, que buscam justiça, se sentem representadas por nossas lutas.

Agora, acredito que tanto no Partido Comunista, como também na Juventude Comunista, e outras organizações, faltam maiores reflexões sobre o momento que vivemos para poder nos relacionar mais e melhor com o movimento social e de massa e exercer um papel de articulação mais poderoso com os cidadãos mobilizados. É verdade que hoje nenhum partido político pode reivindicar representar o que aconteceu no ano passado. Em todo caso, estamos diante de um processo de proximidade natural com o movimento social, pois muitas questões e muitas lutas que estão sobre a mesa foram levantadas há vários anos. Estamos próximos do movimento social, mas há muito o que trabalhar nessa reorganização e no que deveria ser uma abordagem da política que não cabe necessariamente ou apenas se enquadra nos partidos.

Com informações de El Siglo


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Hugo Gúzman

LEIA tAMBÉM

Javier_Milei
Milei bloqueia 5 mil ton de comida, deixa mais pobres com fome e inflama revolta na Argentina
Héctor Llaitul
Sem provas, justiça do Chile condenou líder mapuche Héctor Llaitul em prol de madeireiras
protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025