Pesquisar
Pesquisar

Chomsky: vivemos o momento mais perigoso da História

"Estamos numa confluência surpreendente de crises muito graves", afirmou o filósofo norte-americano há 4 anos
Carlos Russo Jr
Espaço Literário Marcel Proust

Tradução:

Numa entrevista ao “New Statesman”, há quatro anos, o linguista e ativista norte-americano, então com 91 anos, disse que os perigos atuais excedem os da década de 1930.

Alertou que o mundo se encontra no momento mais perigoso da história da humanidade devido à crise climática, à ameaça de guerra nuclear e ao crescente autoritarismo!

A realidade que vivemos nos dias de hoje atesta que o diagnóstico feito por Choamsky não somente se confirma a cada dia, mas que o tempo de não retorno talvez já tenha ocorrido! A guerra na Ucrânia, o genocídio dos palestinos por Israel, os desastres naturais que se sucedem, as ameaças do uso de artefatos nucleares, são apenas os exemplos mais gritantes da realidade terrível que vivemos!

“Não houve nada parecido na história da humanidade”, disse Chomsky. “Tenho idade suficiente para me lembrar, muito vividamente, da ameaça de que o nazismo poderia dominar grande parte da Eurásia, o que não era uma preocupação inútil. Os planejadores militares dos EUA previram que a guerra terminaria com uma região dominada pelos EUA e uma região dominada pela Alemanha… Mas mesmo isso, suficientemente horrível, não foi como o fim da vida humana organizada na Terra, que é o que estamos a prevendo”.

Chomsky foi entrevistado antes da primeira convenção da Internacional Progressista* (18-20 de setembro de 2020), uma nova organização fundada por Bernie Sanders, o antigo candidato presidencial dos EUA, e Yanis Varoufakis, o antigo ministro das finanças grego, para combater o autoritarismo de direita.

Num eco do slogan do movimento “internacionalismo ou extinção”, Chomsky alertou: “Estamos numa confluência surpreendente de crises muito graves. A extensão deles foi ilustrada pela última configuração do famoso Relógio do Juízo Final. Tem sido definido todos os anos desde o bombardeio atômico, o ponteiro dos minutos avançou e retrocedeu. Mas em janeiro passado, eles abandonaram os minutos e passaram para os segundos até a meia-noite, o que significa encerramento. E isso foi antes da escala da pandemia.”

Esta mudança, disse Chomsky, reflete “a crescente ameaça de guerra nuclear, que é provavelmente mais grave do que foi durante a Guerra Fria. A crescente ameaça de catástrofe ambiental, e a terceira coisa que têm vindo a registar nos últimos anos, é a acentuada deterioração da democracia, que à primeira vista parece não pertencer, mas na verdade pertence, porque a única esperança para lidar com as duas crises existenciais, que ameaçam a extinção, é lidar com elas através de uma democracia vibrante com cidadãos empenhados e informados que participem no desenvolvimento de programas para lidar com estas crises. ”

Chomsky acrescentou que “Trump conseguira algo impressionante: aumentar a ameaça de cada um dos três perigos. No que diz respeito às armas nucleares, ele decidiu continuar, e essencialmente pôr fim, ao desmantelamento do regime de controle de armas, que ofereceu alguma proteção contra desastres terminais. Ele aumentou enormemente o desenvolvimento de armas novas, perigosas e mais ameaçadoras, o que significa que outros também o fazem, o que está a aumentar a ameaça para todos nós”.

“No que diz respeito à catástrofe ambiental, ele intensificou os esforços para maximizar o uso de combustíveis fósseis e para acabar com as regulamentações que atenuam de alguma forma o efeito do desastre que se aproxima se prosseguirmos no nosso curso atual. ”

“Sobre a deterioração da democracia, virou piada. O ramo executivo do governo [dos EUA] foi completamente expurgado de qualquer voz dissidente. Agora resta um grupo de bajuladores. ”

Chomsky descreveu Trump como a figura de proa de uma nova “internacional reacionária” composta por Brasil ( tempos de Bolsonaro), Índia, Reino Unido, Egito, Israel e Hungria.

“No hemisfério ocidental, o principal candidato é o Brasil de Bolsonaro, uma espécie de pequeno clone do presidente Trump. No Médio Oriente, basear-se-á nas ditaduras familiares, os Estados mais reacionários do mundo. O Egito de Sisi é a pior ditadura que o Egito alguma vez teve. Israel deslocou-se tanto para a direita que é preciso um telescópio para o ver, é praticamente o único país do mundo onde os jovens são ainda mais reacionários do que os adultos. ”

Ele acrescentou: “[Narendra] Modi está destruindo a democracia secular indiana, reprimindo severamente a população muçulmana, ele ampliou enormemente a terrível ocupação indiana da Caxemira. Na Europa, o principal candidato é Orbán na Hungria, que está criando um Estado protofascista. Há outras figuras, como Salvini em Itália, que se diverte ao ver refugiados afogarem-se no Mediterrâneo. ”

Sobre o Reino Unido, ele disse: “ que a ameaça do governo do Reino Unido de “violar o direito internacional e romper totalmente com a União Europeia” “transformaria uma Grã-Bretanha em declínio ainda mais vassalo dos Estados Unidos do que já se tornou”.

Continua após a imagem

"Estamos numa confluência surpreendente de crises muito graves", afirmou o filósofo norte-americano há 4 anos

Foto: jeanbaptisteparis / Flickr
“O que a esquerda deveria fazer é o que sempre deveria fazer: deveria reconhecer que a verdadeira política é ativismo constante"




A Internacional Progressista

Chomsky descreveu a Internacional Progressista, cujo conselho também inclui o ex-chanceler John McDonnell, o romancista Arundhati Roy e o ex-presidente equatoriano Rafael Correa, como “uma coalizão pequena de pessoas comprometidas com um mundo de justiça, paz, participação democrática, de mudança social e econômica instituições, de modo que não sejam voltadas para o lucro privado de poucos, mas para as necessidades e preocupações da população em geral. ”

Depois de ter vivido 22 eleições presidenciais nos EUA, Chomsky alertou que a ameaça de Trump de se recusar a deixar o cargo caso fosse derrotado pelo candidato democrata Joe Biden não tinha precedentes. Foi profético. No Brasil, a tentativa de golpe de Bolsonaro copiou a aventura de Trump.

“Ele já anunciou repetidamente que se não gostar do resultado da eleição não sairá. E isto é levado muito a sério por dois oficiais militares de alto nível, ex-líderes militares, que acabaram de enviar uma carta ao presidente do Estado-Maior Conjunto, revendo para ele os seus deveres constitucionais caso o presidente se recuse a deixar o cargo e reúne ao seu redor as forças paramilitares que usa para aterrorizar as pessoas em Portland. ”

“Nesse caso, os militares têm o dever, a 82ª Divisão Aerotransportada, de removê-lo à força. Existe um projeto de integridade de transição, com pessoas de alto nível dos republicanos e dos democratas; têm realizado jogos de guerra perguntando o que aconteceria se Trump se recusasse a deixar o cargo – cada um deles leva à guerra civil, todos os cenários que conseguem imaginar, exceto uma vitória de Trump, levam à guerra civil. Isto não é uma piada – nada parecido aconteceu na história da democracia parlamentar”.

“O que a esquerda deveria fazer é o que sempre deveria fazer: deveria reconhecer que a verdadeira política é ativismo constante, de uma forma ou de outra. A cada dois anos surge algo chamado eleição, você deveria reservar alguns minutos para decidir se vale a pena votar contra alguém, raramente a favor de alguém”.

“Desta vez, a resposta a essa pergunta é esmagadoramente óbvia: os republicanos de Trump são tão ultrajantes, muito fora do espectro, que simplesmente não há dúvida sobre votar contra eles. Então você tira alguns minutos, vai até a cabine de votação, aperta uma alavanca, vota contra Trump, o que em um sistema bipartidário significa que você tem que empurrar o voto para o outro candidato”.


Os anarquistas e os elementos patológicos na sociedade

Questionado se ainda se identificava como anarquista, Chomsky respondeu: “Temos que perguntar o que queremos dizer com ‘anarquista’. Na minha opinião, todo mundo, se parar para pensar sobre isso, é anarquista, exceto as pessoas que são patológicas. O princípio central do anarquismo, desde as suas origens, tem sido que a autoridade, a dominação e a hegemonia têm o ônus da prova a dar, têm de provar que são legítimas. Às vezes são, às vezes você pode argumentar. Se não puder, eles devem ser desmontados”.

“Como eles deveriam ser desmontados? Bem, você tem que trabalhar nisso, você não pode fazer isso estalando os dedos. As organizações estão desenvolvendo elementos da sociedade futura dentro da atual. Mas penso que esse ideal é virtualmente universal dentro do nosso sistema moral, exceto por elementos realmente patológicos. ”

* Internacional Progressista. Um grupo de intelectuais e políticos fundou a Internacional Progressista em 2020, dentre eles, Fernando Haddad.

Ref.: Internacionalismo ou extinção. Chomski, N.. Ed. Crítica.

Carlos Russo Jr. | Proust


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul



As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Carlos Russo Jr Carlos Russo Jr., coordenador e editor do Espaço Literário Marcel Proust, é ensaísta e escritor. Pertence à geração de 1968, quando cursou pela primeira vez a Universidade de São Paulo. Mestre em Humanidades, com Monografia sobre “Helenismo e Religiosidade Grega”, foi discípulo de Jean-Pierre Vernant.

LEIA tAMBÉM

Netanyahu
Pouco há para comemorar na decisão da Corte Penal Internacional contra Netanyahu
Nationale Sozialisten,Demonstration,Recht auf Zukunft,Leipzig,17
Conluio da extrema-direita realizado em Madri é só a ponta do iceberg
EUA-fentanil
A DEA, a ofensiva contra o México, o fentanil e os mortos por incúria
Wang-Wenbin-China
China qualifica apoio dos EUA a separatismo em Taiwan como “grave violação” e exige retratação