Pesquisar
Pesquisar

Colômbia: 1º acordo entre Governo Petro e grupo ELN ampara refugiados indígenas

As negociações entre as partes foram interrompidas em 2019 por Iván Duque e retomadas recentemente pelo atual presidente colombiano
Redação Sputnik Brasil
Sputnik Brasil

Tradução:

O presidente da Colômbia, Gustavo Petro, anunciou neste sábado (3) a conclusão de um acordo entre seu governo e o grupo guerrilheiro Exército de Libertação Nacional (ELN) sobre o retorno de refugiados indígenas deslocados no oeste do país. É o primeiro desde a abertura das negociações de paz entre Bogotá e a guerrilha.

“O primeiro ponto de acordo que alcançamos com o ELN, apenas uma semana após o início das negociações, consiste em permitir que os deslocados por esta organização retornem às suas terras”, disse o presidente.

Petro não especificou a data do retorno dessas comunidades que fugiram dos territórios que ocupavam legalmente nas regiões de Choco, no noroeste do país, e Risaralda, no centro-oeste, por causa da violência entre narcotraficantes, grupos paramilitares e guerrilheiros do ELN, a última guerrilha reconhecida na Colômbia.

As negociações com o ELN, interrompidas em 2019 pelo governo anterior em resposta a um atentado que matou 22 pessoas, foram reabertas pelo presidente Petro, o primeiro presidente de esquerda da história da Colômbia, que chegou ao poder em agosto deste ano. Representantes do governo e do ELN iniciaram as novas negociações em 21 de novembro na Venezuela.

O governo e o ELN não concordaram com um cessar-fogo, mas concordaram em retomar todos os acordos e progressos alcançados desde 2016. Nas últimas semanas, as duas partes se deram promessas de confiança com a libertação de prisioneiros ou a redução das operações.

Após a suspensão das negociações em 2019, o quadro de membros do ELN passou de 1.800 para 2.500 membros, segundo estimativas oficiais.

Fundado em 1964 por sindicalistas e estudantes simpatizantes de Ernesto “Che” Guevara e da revolução cubana, o ELN é até hoje o último grupo guerrilheiro constituído ainda ativo na Colômbia, enquanto as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) assinaram um acordo de paz acordo em 2016.

Redação | Sputnik


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Sputnik Brasil

LEIA tAMBÉM

protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"
Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei