Pesquisar
Pesquisar

Colômbia debaterá legislação para regulamentar uso da força policial em protestos no país

A proposta busca proibir o uso de projéteis cinéticos de energia, o porte de armas de fogo e o uso de força letal
Redação Prensa Latina
Prensa Latina
Bogotá

Tradução:

Os congressistas colombianos debaterão um projeto de lei proposto pelos legisladores da oposição para regulamentar o uso da força e as ações da Polícia Nacional em manifestações públicas.

Os senadores Iván Cepeda, do Polo Democrático; Antonio Sanguino, da Alianza Verde; e María José Pizarro, representante da Coalizão Decentes na Câmara, autores da iniciativa apresentada desde o ano passado, procuram com esta proposta e outras, reformar a Polícia Nacional.

O projeto de lei estabelece que o uso da força é de natureza excepcional e só pode ser usado quando outros meios são ineficazes ou não garantem de forma alguma a obtenção do resultado pretendido.

Assim, membros da polícia ou do Esquadrão Móvel Anti-Distúrbios (Esmad) só podem usar força legítima quando estritamente necessário para evitar danos iminentes ou graves à vida de seu pessoal ou de terceiros, e na medida do necessário devido a uma grave perturbação da ordem pública.

A proposta busca proibir o uso de projéteis cinéticos de energia, o porte de armas de fogo e o uso de força letal

Wikimedia Commons
O projeto de lei estabelece que o uso da força é de natureza excepcional e só pode ser usado quando outros meios são ineficazes.

A proposta busca proibir o uso de projéteis cinéticos de energia, espingardas de calibre 12, o lançamento direto de objetos aos manifestantes, o porte de armas de fogo e o uso de força letal.

Também propõe colocar câmeras corporais para registrar em tempo real as atualizações dos membros da polícia e do Esmad, regular as transferências para proteção e proibir a dissolução de fato de protestos pacíficos.

Desde 28 de abril, a Colômbia vem sofrendo uma explosão social que resultou em quase 80 mortes, dezenas de lesões oculares, abusos sexuais, desaparecimentos, torturas e outros, principalmente devido aos excessos das forças de segurança e em particular do Esmad, de acordo com vários relatos.

Em meio a acusações contra a polícia por sua brutalidade contra manifestações pacíficas, o Presidente da Colômbia, Ivan Duque, anunciou no domingo 6 deste mês que seu governo solicitará ao Congresso a aprovação de um conjunto de transformações para aquele órgão.

Segundo o anúncio, a proposta prevê uma transformação abrangente da Polícia Nacional, que enfatiza a aplicação rigorosa dos direitos humanos, a certificação dos processos e uma mudança na imagem institucional da entidade.

Entretanto, numerosas personalidades, analistas, oponentes, entre outros, advertem que esta reforma só será cosmética porque o que a polícia colombiana precisa é de uma refundação e não de uma mudança.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação Prensa Latina

LEIA tAMBÉM

Héctor Llaitul
Sem provas, justiça do Chile condenou líder mapuche Héctor Llaitul em prol de madeireiras
protestos-peru
Cleptocracia, ignarocracia, bufocracia: o declínio do substantivo "democracia" no Peru
Bolivia-guerra-hibrida-eua (1)
Guerra híbrida na Bolívia entra em nova fase e EUA querem "mudança de regime" até 2025
Petro-Colombia
Petro reage a ataques de guerrilheiros contrários ao acordo de paz: "Não toleraremos"