Pesquisar
Pesquisar

Colômbia: Governo e ELN retomam diálogos de paz e negociam prorrogação de cessar-fogo

Rodada de debates segue até 6 de fevereiro; atual trégua nos confrontos está prevista para acabar na próxima segunda (29)
Jorge Enrique Botero
Diálogos do Sul
Bogotá

Tradução:

As delegações do governo colombiano e do Exército de Libertação Nacional (ELN) desmentiram, na última terça-feira (23), versões sobre um suposto acordo para prorrogar o cessar-fogo bilateral, vigente até o próximo 29 de janeiro, embora ratificassem sua disposição para conseguir uma extensão da trégua, no âmbito das negociações de paz que se levam a cabo.

Desde a Colômbia, o Comissário de Paz, Otty Patiño, disse que “já há um acordo de extensão por seis meses”, sem especificar que essa decisão era unilateral, o que fez com que alguns meios assegurassem que as partes cessariam hostilidades até o final de julho próximo.

Reunidas em um hotel a oeste de Havana, as delegações retomaram as negociações de paz, que chegam ao seu sexto ciclo e seu 13º mês, em meio a não poucas dificuldades derivadas principalmente das reclamações governamentais para que a organização insurgente abandone desde já todas as formas de violência, em especial o sequestro.

Durante sua recente viagem a Davos, Suíça, para participar do Fórum Econômico Mundial, o presidente Gustavo Petro disse a meios internacionais que seu governo condiciona a busca dialogada de um acordo de paz com o ELN a que essa guerrilha suspenda de imediato todo tipo de ações ofensivas.

Não obstante, os “elenos” – como se denomina esta força insurgente – esclareceram que a suspensão de ações militares e tudo o relacionado com a cessação de atividades financeiras, como a execução de sequestros, faz parte do último ponto da agenda de negociações, pactuada em novembro de 2022.

Fontes de ambas as partes disseram ao La Jornada que, antes de anunciar uma extensão do acordo ao fogo, avaliarão os resultados da atual trégua, vigente desde julho de 2023 e a primeira que o ELN aceita ao longo de seus numerosos intentos de buscar a paz pela via do diálogo.

“No passado ciclo (realizado no México), expressamos a intenção de prorrogar o cessar-fogo bilateral, nacional e temporal e, pensando em aperfeiçoá-lo, foram acordadas várias medidas que hoje se rubricam. Há um cessar-fogo que está vigente até 29 de janeiro”, precisou em sua conta no X (antigo Twitter) a delegação guerrilheira.

A atual rodada de negociações se prolongará até 6 de fevereiro e existe expectativa pela possibilidade de que, uma vez que terminem seus trabalhos em Cuba, as partes realizem o próximo ciclo no Vaticano, depois que o presidente Petro solicitou ao Papa Francisco na semana passada durante um encontro em Roma.

Além das negociações com o ELN, o governo realiza diálogos de paz com as dissidências das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), em desenvolvimento da estratégia de Paz Total impulsionada pela Casa de Nariño.

Jorge Enrique Botero | La Jornada, especial para Diálogos do Sul – Direitos reservados.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Jorge Enrique Botero Jornalista, escritor, documentarista e correspondente do La Jornada na Colômbia, trabalha há 40 anos em mídia escrita, rádio e televisão. Também foi repórter da Prensa Latina e fundador do Canal Telesur, em 2005. Publicou cinco livros: “Espérame en el cielo, capitán”, “Últimas Noticias de la Guerra”, “Hostage Nation”, “La vida no es fácil, papi” y “Simón Trinidad, el hombre de hierro”. Obteve, entre outros, os prêmios Rei da Espanha (1997); Nuevo Periodismo-Cemex (2003) e Melhor Livro Colombiano, concedido pela fundação Libros y Letras (2005).

LEIA tAMBÉM

Vox-Abascal-Milei
Xenofobia e delírios ultradireitistas: Vox reúne asseclas em Madri
Xi Jinping - Putin
Encontro de Xi e Putin fortalece relação histórica e aliança contra ofensiva “dupla” dos EUA
Alvaro-Uribe
Colômbia: Uribe pode ser condenado a 12 anos de prisão em julgamento por suborno e fraude
Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU