Pesquisar
Pesquisar
Foto: Facebook Gustavo Petro

Colômbia: Petro determina intervenção em gigante da saúde com contas suspeitas

Com quase 6 milhões de filiados, a Sanitas é a segunda maior empresa do setor e acumula reclamações de clientes
Jorge Enrique Botero
La Jornada
Bogotá

Tradução:

Beatriz Cannabrava

As elites tradicionais da Colômbia ligaram novamente seus sonoros alarmes depois que o governo do presidente Gustavo Petro ordenou, na manhã desta quarta-feira (3), a intervenção em uma das empresas mais poderosas do setor de saúde, considerada a joia da coroa dos banqueiros do país.

Argumentando que suas contas não estão claras e que o descontentamento de seus usuários está aumentando, a prestadora de saúde Sanitas ficou nas mãos de um interventor nomeado pela Superintendência de Saúde para – conforme se afirmou – evitar que a empresa tenha que ser liquidada a médio prazo.

Com quase 6 milhões de filiados, Sanitas é a segunda maior empresa do setor, depois da Nueva Eps, que também está sob intervenção e é operada pelo Governo, o que a oposição e os sindicatos patronais não duvidam em qualificar como um processo de “estatização” dos serviços públicos, como o presidente Hugo Chávez (2002-2013) fez na vizinha Venezuela.

Como costuma acontecer sempre que Petro anuncia as suas decisões, o primeiro a se pronunciar sobre a intervenção na Sanitas foi o ex-presidente Álvaro Uribe (2002-2010), que qualificou a medida de “ditatorial”: “por bem ou por mal, parece ser o desígnio oficial para que a cidadania fique sem boas seguradoras de saúde e, no final, somente disponha de estatismo, burocratismo e politicagem. Quem no setor privado voltará a investir em prestadores de serviços de saúde?”, perguntou o ex-presidente.

E como sempre acontece quando Uribe o interpela, Petro não tardou em respondê-lo por meio de sua rede social favorita, o aplicativo de mensagens X: “Nenhum estatismo, estimado ex-presidente Uribe: todas as clínicas, hospitais e consultórios que eram pagos pela Sanitas com dinheiro público seguirão, sem intermediários, sendo pagos com dinheiro público, ou seja, crescerão”, assegurou o atual chefe de Estado.

Após o meio-dia de quarta, a atenção do público se voltou ao Senado da República, em cuja sétima comissão foi submetida à votação uma proposição para arquivar o projeto de lei apresentado há mais de um ano pelo governo com o objetivo de dar uma virada ao setor, através de uma audaciosa reforma cujo eixo era a eliminação de intermediários financeiros, e a colocação em marcha de um ambicioso modelo de medicina preventiva e a ampliação da cobertura de serviços para as áreas marginais da periferia, em zonas rurais e urbanas.

Considerado como derrota do governo, o afundamento desta iniciativa – segundo a maioria dos analistas locais – obriga o presidente a buscar novos caminhos para impedir que seu pacote de reformas sociais naufrague nos instáveis labirintos do poder legislativo.

De acordo com o que foi o visto até hoje nos ambientes do Senado e da Câmara de Representantes, com as outras reformas-bandeiras de Petro – aposentadoria e trabalhista – poderiam correr a mesma má sorte da iniciativa sobre saúde, pois as maiorias legislativas da oposição estão apelando ao velho truque de impedir que haja quórum decisório nos debates.

O interesse pela saúde tem feito vir à tona um novo tema de discussão que preocupa ainda mais os setores tradicionais do empresariado e da política: a intenção de impulsionar uma Assembleia Constituinte, expressada por Petro há um par de semanas, sinal de que o chefe de Estado não ficará de braços cruzados enquanto vê como a atual institucionalidade lhe fecha o passo para reformas adiadas por décadas.

La Jornada, especial para Diálogos do Sul – Direitos reservados.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Jorge Enrique Botero Jornalista, escritor, documentarista e correspondente do La Jornada na Colômbia, trabalha há 40 anos em mídia escrita, rádio e televisão. Também foi repórter da Prensa Latina e fundador do Canal Telesur, em 2005. Publicou cinco livros: “Espérame en el cielo, capitán”, “Últimas Noticias de la Guerra”, “Hostage Nation”, “La vida no es fácil, papi” y “Simón Trinidad, el hombre de hierro”. Obteve, entre outros, os prêmios Rei da Espanha (1997); Nuevo Periodismo-Cemex (2003) e Melhor Livro Colombiano, concedido pela fundação Libros y Letras (2005).

LEIA tAMBÉM

Francia-Márquez-Colômbia
O que se sabe sobre atentado contra pai de Francia Márquez, vice-presidenta da Colômbia
dina-boluarte-peru (1)
Autoritarismo, impunidade, corrupção: Boluarte conduz Peru à catástrofe
Lançamento-livro-palestina4
Livro “Genocídio Isola Israel: Desafio é Criar o Estado da Palestina” é relançado nesta quinta (20), em SP
argentina-repressao-milei2
Milei infiltra agentes e manda espancar, prender e acusar manifestantes de terrorismo