Pesquisar
Pesquisar

Com 270 representantes da América Latina e do mundo, Foro de SP começa nesta quinta (29)

Encontro é “a mais importante plataforma de interação, intercâmbio entre partidos e movimentos sociais" da região, diz Ana Prestes, parte da organização
Murilo da Silva
Portal Vermelho
Brasília (DF)

Tradução:

O 26º Encontro do Foro de São Paulo acontece de 29 de junho a 2 de julho no Hotel San Marco, em Brasília.

Na última sexta-feira (23), aconteceu de forma online uma conferência de imprensa para apresentar o evento. A participação do presidente Lula está prevista, mas não foi confirmada, de acordo com Mônica Valente, secretária executiva do Foro de São Paulo.

Assista na TV Diálogos do Sul

Já na última segunda-feira (26), foi lançado um site do evento com a programação completa e os nomes de quem fará a apresentação nos seminários. Há o indicativo de que haja transmissão online, até mesmo como forma de demonstrar a transparência do que é debatido e combater as fake news que tentam atribuir ao encontro. A programação preliminar pode ser conferida aqui.

Conforme explicou Valente, serão cerca de 150 representantes da América Latina e do Caribe, dos partidos membros do Foro, entre eles: Brasil, Argentina, Uruguai, Bolívia Chile, Colômbia, Equador, Venezuela, Cuba, Panamá, República Dominicana, El Salvador, Nicarágua.

Continua após o banner

Como convidados serão, aproximadamente, 120 representantes de fora da América Latina. Estes nutrem relações políticas e intercâmbios com o Foro, sendo de partidos da esquerda europeia, do grupo Socialista Democráticos da América, de Bernie Sanders, de partidos da África, do Partido Comunista da China, da Rússia, Laos e Vietnã, entre outros.

Além disso, mais de 300 inscritos entre militantes do PCdoB, PT e convidados dos movimentos sociais, sindical, sem-terra, jovens e mulheres, estarão presentes para aprofundar o debate do eixo estratégico que é a integração regional da América Latina e do Caribe.

Encontro é “a mais importante plataforma de interação, intercâmbio entre partidos e movimentos sociais" da região, diz Ana Prestes, parte da organização

Divulgação
Para Ana Prestes, a exploração do que é tratado pelos países no Foro mostra a relevância que a organização ganhou

Ana Prestes

A secretária de relações internacionais do PCdoB, que participa da organização do evento, Ana Prestes, considera o Foro de São Paulo “a mais importante plataforma de interação, intercâmbio entre partidos e movimentos sociais de toda a América Latina”.

Segundo Prestes, justamente pela importância do Foro ao longo de tantos anos é que o encontro atrai a atenção e a cooperação de partidos de outros países.

O que é Foro de São Paulo e por que ele gera tanta polêmica e teorias conspiratórias?

“Debateremos a América Latina que é um território de paz, um dos poucos no mundo. Local onde os povos e as suas expressões partidárias e movimentos podem falar de uma agenda de paz, de uma agenda de integração econômica, de integração social, integração urgente em tantas áreas da logística e da infraestrutura. São povos comprometidos, especialmente desde o final dos anos 90, quando foram maturadas as lutas antineoliberais, que se tornaram projetos de transformação, projetos de governo. Então queremos que estes projetos possam conversar cada vez mais e se materializar em processos de integração”, colocou a secretária de relações internacionais do PCdoB.

Pietro Alarcón

Já Pietro Alarcón, representante da União Patriótica, partido que compõe a coalizão Pacto Histórico na Colômbia, base do presidente Gustavo Petro, destacou que a troca de experiências é fundamental para o novo governo colombiano.

“Para nós que assumimos a condução do executivo colombiano, desde agosto do ano passado, a troca de experiências, com outros partidos da América Latina que conduziram ou conduzem estados, como no caso do Brasil, é uma troca extremamente relevante. Nos possibilita, a partir do intercâmbio de experiências, gerar algumas iniciativas a partir desse aprendizado”, disse.

Continua após o banner

“[O debate] é fundamental para o momento que estamos com o presidente Gustavo Petro e a vice-presidenta Francia Márquez onde temos um desafio, que é a construção da paz total na Colômbia. O encontro do Foro de São Paulo possibilita a troca de experiências para a conquista dessa paz total e para o conjunto de reformas que são fundamentais para o caminho da democracia plena e da participação popular”, completou Alarcón.

Visibilidade do Foro

Sobre os ataques que o Foro de São Paulo atrai ao longo das décadas, Mônica Valente acredita que o encontro não servirá para aumentar a polarização entre esquerda e direita no país.

“Não achamos que a realização do Foro vai exacerbar ou deixar de exacerbar a polarização. O que nos interessa e acaba acontecendo no âmbito do país que sedia o encontro é ter uma aproximação com o que é verdadeiramente o Foro, os seus debates, participantes, ideias e esperamos com isso contribuir para que aqui no Brasil sejam difundidas as ideias do Foro como são”, afirmou.

Foro de São Paulo é decisivo para a unidade da América Latina, diz ativista

Para Ana Prestes, a exploração do que é tratado pelos países no Foro mostra a relevância que a organização ganhou.

“O Foro será explorado porque é um tema que está presente no debate político. É positivo pois mostra a relevância desse conjunto de partidos e movimentos que tem se debruçado sobre os temas mais complexos da atividade política, social e econômica da América Latina e Caribe e seu diálogo com o mundo.”

Continua após o banner

O colombiano Alarcón enxerga algo além de um confronto de esquerda e direita. Para ele alguns setores da direita encamparam projetos econômicos que se opuseram a massa popular.

“O cenário na América Latina não é um cenário de direita contra esquerda. É uma confrontação dos povos que querem a democracia, o bem-estar, a felicidade, e os projetos escampados por setores da direita que nos condenaram e condenam por meio de projetos econômicos à marginalidade e à pobreza. Esta é a confrontação fundamental”, diz.

Continua após o banner

No entanto, observa que a direita na América Latina vive um momento de baixa perante o forte ressurgimento da esquerda.

“Acho que a direita tem motivos de preocupação nesse momento, pois agora a esquerda tem a iniciativa política continental. Há um conjunto de transformações favoráveis a esquerda que tem acontecido através de frentes de unidade muito amplas.”

Também participaram da conferência Jorge Drkos, da Frente Transversal da Argentina e coordenador do grupo de comunicação e redes sociais do Foro, e Romênio Pereira, secretário de relações internacionais do PT.

Murilo da Silva  | Portal Vermelho


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Murilo da Silva

LEIA tAMBÉM

Gustavo Petro
Violação dos acordos de paz: entenda por que Petro vai denunciar a própria Colômbia na ONU
Haiti
Haiti: há pelo menos 20 anos comunidade internacional insiste no caminho errado. Qual o papel do Brasil?
Betty Mutesi
“Mulheres foram protagonistas na reconstrução da paz em Ruanda”, afirma ativista Betty Mutesi
Colombia-paz
Possível retomada de sequestros pelo ELN arrisca diálogos de paz na Colômbia