Pesquisar
Pesquisar

Com "A Bolsa ou a vida", Silvio Tendler vence 38º Prêmio de Direitos Humanos de Jornalismo

Documentário aborda o desafio de combater a desigualdade em tempos de pandemia frente à acumulação de riquezas pelo capital financeiro
REDAÇÃO ABI - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE IMPRENSA
ABI - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE IMPRENSA
Rio de Janeiro (RJ)

Tradução:

O cineasta e conselheiro da ABI Silvio Tendler ganhou o 38º Prêmio Direitos Humanos de Jornalismo na categoria documentário pelo seu filme A bolsa ou a vida em reconhecimento à coragem dos comunicadores na defesa da dignidade e direitos de todos os seres humanos que nascem livres e iguais. E ainda um prêmio especial: Pandemia Econômica, Social e Ambiental.

O documentário de Silvio Tendler faz a interrogação se no futuro pós-pandemia da covid-19, e se  a centralidade será o cassino financeiro e a acumulação de riqueza por uma elite ou uma vida de qualidade para todos, com menos desigualdade? O Estado se mostrou capaz de atender ao coletivo?

Confira o teaser de “A Bolsa ou a Vida”

Como garantir a vida sem direitos sociais e trabalhistas? Em qual modelo de sociedade queremos viver? O filme aborda o desmonte do conceito de bem-estar social e nos faz refletir sobre a incompatibilidade do neoliberalismo com um projeto humanista de sociedade.

Documentário aborda o desafio de combater a desigualdade em tempos de pandemia frente à acumulação de riquezas pelo capital financeiro

Arquivo/Diálogos do Sul
Com filme sobre desigualdades na pandemia, Tendler ganha prêmio de Direitos Humanos de Jornalismo.

O filme estreou este ano na 10ª Mostra Ecofalante, levantando o
Prêmio do Público de Melhor Filme. A direção e o roteiro são de Silvio Tendler e a fotografia de Tao Burity e Tainara Mello.

No elenco estão Aílton Krenak, Celso Amorim, o cineasta inglês Ken Loach, Ladislau Dowbor, Nabil Bonduki, Padre Júlio Lancellotti, Rita Von Hunty e
Yanis Varoufakis.

Assista na TV Diálogos do SuL

A bolsa ou a vida mostra ainda que poderemos ser a primeira geração a erradicar a pobreza extrema e a poupar as gerações futuras dos piores efeitos adversos da mudança do clima se cumprirmos os 17 objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) especificados, em 2015, na Agenda 2030 quando líderes mundiais se reuniram na sede da ONU, em Nova York, e decidiram um plano de ação para erradicar a pobreza, proteger o planeta e garantir que as pessoas alcancem a paz e a prosperidade.

Silvio Tendler lança “Dedo na Ferida” que discute o poder do sistema bancário

A Agenda 2030 e os ODS afirmam que para pôr o mundo em um caminho sustentável é urgentemente necessário tomar medidas ousadas e transformadoras. Os ODS constituem uma ambiciosa lista de tarefas para todas as pessoas, em todas as partes, a serem cumpridas até 2030.

A Bolsa ou a Vida, filme premiado, pode ser conferido no site do cineasta, bem como outras obras de Silvio Tendler.

Gratuitamente! Acesse http://caliban.com.br

Redação ABI – associação brasileira de imprensa

As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

VocêSe pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
REDAÇÃO ABI - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE IMPRENSA

LEIA tAMBÉM

Palestina
Ocidente deveria se preocupar com massacre operado por Netanyahu livremente
Assange
Silêncio, imperialismo e guerra midiática: por que não podemos nos esquecer de Assange?
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda
Design sem nome - 1
Mortes, prisões e espionagem: jornalista palestina escancara ‘apartheid’ de Israel