Pesquisar
Pesquisar

Com iminente derrota, Bolsonaro e cúpula militar simulam clima de guerra e instabilidade

É falsa a ideia de uma “crise institucional”, de um conflito real entre os poderes de Estado, como provocado por Bolsonaro e seus dirigentes fardados
Jeferson Miola
Jeferson Miola
Porto Alegre

Tradução:

Com o desnudamento da farsa da Lava Jato e dos crimes perpetrados contra o ex-presidente Lula pelo então juiz Sergio Moro e sua gangue integrada por comparsas do MP, da PF e do judiciário, a cúpula militar se deparou com um obstáculo praticamente intransponível para a continuidade do seu projeto de poder.

Esta cúpula militar que transformou as Forças Armadas numa milícia partidária acreditava que, como desta vez tomou o poder “pela via democrática-eleitoral” [sic], conseguiria permanecer no comando do país por muitos anos. No entanto, a restituição dos direitos políticos do ex-presidente Lula, em março de 2021, causou um abalo sísmico nessas pretensões.

A popularidade do governo militar já estava fortemente desgastada pelo desastre econômico, corrupção, disparada da inflação, desemprego, miséria, isolamento internacional e também devido à atuação irresponsável e criminosa na pandemia. Com Lula no cenário, o desgaste do governo aumentou enormemente e o horizonte de poder dos militares ficou comprometido.

É falsa a ideia de uma “crise institucional”, de um conflito real entre os poderes de Estado, como provocado por Bolsonaro e seus dirigentes fardados

Wikimedia
O projeto de poder dos militares não tem viabilidade em contextos democráticos e de estabilidade político-institucional

O projeto de poder dos militares não tem viabilidade em contextos democráticos e de estabilidade político-institucional. Para se reproduzir e se manter, precisa de um “ecossistema” conturbado, tumultuado e plasmado por mentiras, truculência e confusões.

Por isso produzem uma hibridização da política entre a distopia e a realidade. Com jogos diversionistas, encenações e táticas de dissimulação, convertem a arena da política em teatro de operações de guerra.

A cúpula militar, em especial o Alto Comando do Exército, arquitetou a eleição do Bolsonaro em 2018 num contexto com estas características de guerra híbrida. E desde 1º de janeiro de 2019 vem desgovernando o país num ambiente de sobressaltos, incertezas e ameaças permanentes.

É falsa a ideia de uma “crise institucional”, de um conflito real entre os poderes de Estado. O que existe, na realidade, é tensão e desestabilização constante provocada unilateralmente por Bolsonaro e dirigentes fardados.

Os poderes da República não estão se digladiando nos termos em que eles tentam aparentar. O que ocorre, na realidade, são investidas unilaterais, metódicas e sistemáticas do Bolsonaro e dos generais contra o STF e o TSE. Com este padrão, geram impasses e deixam o país permanentemente em suspenso e em pânico.

Esse diversionismo é estratégico, além de conveniente. Desse modo, desviam a atenção do desastre governamental e da trágica realidade do país. E, ainda mais importante: criando um clima de guerra, de instabilidade e caos, buscam se legitimar como garantidores da democracia e da ordem em razão da “desordem” causada por eles mesmos “ver aqui: Crise institucional ou caos programado?“.

A intensificação dos ataques ao STF e ao TSE nas últimas semanas, assim como a retomada das ameaças de tumultuarem a eleição, fazem parte deste método/plano.

Com a tendência de vitória eleitoral do ex-presidente Lula em outubro, Bolsonaro e os militares passam a ter como única opção promoverem a guerra política, o caos e a balbúrdia. Porque as condições para conseguirem emplacar uma ruptura institucional já foram menos dificultosas que são hoje.

Bolsonaro e os militares não têm absolutamente nenhum compromisso com a democracia, com o país e com a população brasileira. Diante da derrota, deixarão para trás um rastro de destruição e uma terra arrasada. Apostam no caos.

A impunidade de Donald Trump e dos autores intelectuais do atentado terrorista ao Capitólio, o Congresso dos EUA, é um exemplo estimulante para as pretensões presentes e futuras da extrema-direita brasileira.

Trump hoje exerce uma influência crescente, domina o Partido Republicano – classificado por muitos autores como um partido que ameaça a democracia –, e tem chances consideráveis de se eleger novamente à presidência dos EUA em 2024.

Bolsonaro aposta que repetindo a fórmula trumpista de guerra permanente se cacifa para liderar, a partir de 1º de janeiro de 2023, a oposição mais encarniçada e mais truculenta jamais vista na história do Brasil. Para isso, não faltarão as milícias clandestinas e as “milícias institucionais” – ambas fortemente armadas.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Jeferson Miola

LEIA tAMBÉM

g20-guarani-ms-3
G20 e universidade do MS fecham parceria para produção de conteúdo jornalístico em guarani
MST-40 anos
Brasil possui 2ª maior concentração de terras do mundo, vergonha que MST combate há 40 anos
Lula
Frei Betto | Para Lula, momento exige maior sintonia entre governo e movimentos sociais
Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news