Pesquisar
Pesquisar

Com indígenas em Brasília, Moro manda Força Nacional para sede da Funai

Ministro da Justiça autorizou uso da Força Nacional nos dias em que lideranças do sul da Bahia e do Xingu têm reuniões marcadas com presidência do órgão
Tiago Motto
CIMI
São Paulo (SP)

Tradução:

O ministro da Justiça Sergio Moro autorizou o emprego da Força Nacional na sede da Fundação Nacional do Índio (Funai), em Brasília, entre os dias 11 e 13 de março. A medida ocorre na mesma data em que uma delegação de 120 lideranças indígenas de povos do sul e extremo sul da Bahia e outra de 70 lideranças da bacia do Xingu se encontram na capital federal e cobre, basicamente, as datas em que os indígenas teriam agendas na Funai e no próprio Ministério da Justiça (MJ).

A determinação de Moro foi feita por meio de uma portaria publicada nesta quarta (11) – mesmo dia em a delegação dos povos Pataxó, Tupinambá, Pataxó Hã-Hã-Hãe e Kamakã fez um ato em frente ao MJ para tentar obter respostas sobre um pedido de agenda com o ministro. Depois de muita pressão, uma comitiva de lideranças foi recebida pelos secretários executivo e adjunto do MJ, mas sem a presença de Moro. O pedido de agenda com o ministro havia sido feito ainda em fevereiro.

A portaria garante o apoio da Força Nacional “nas ações de preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio, na defesa dos bens e dos próprios da União” no prédio onde fica a sede nacional da Funai.

Ministro da Justiça autorizou uso da Força Nacional nos dias em que lideranças do sul da Bahia e do Xingu têm reuniões marcadas com presidência do órgão

Tiago Miotto/Cimi
PM e Força Nacional aguardavam indígenas na frente do Ministério da Justiça e acompanharam de perto lideranças recebidas em reunião.

Também em fevereiro, a Federação Indígena das Nações Pataxó e Tupinambá do extremo sul da Bahia (Finpat) havia solicitado oficialmente uma agenda com o presidente da Funai, o delegado Marcelo Xavier. No mesmo dia da portaria de Moro, obtiveram a confirmação de duas agendas: uma na tarde de quinta-feira (12), para atender aos povos Pataxó e Kamakã, e outra na manhã de sexta-feira (13), para atender ao povo Tupinambá.

O uso da Força Nacional e a divisão da delegação desagradaram os indígenas da Bahia. Ontem, ao chegar no MJ, as lideranças também encontraram forte policiamento, com a presença do batalhão de Choque da Polícia Militar e da própria Força Nacional, que acompanhou inclusive a comitiva de lideranças que foi recebida pelos secretários no interior do MJ.

“Isso é uma decisão arbitrária, porque já temos agenda marcada, e ficamos surpresos de ver esse governo truculento que nos recebe com a Força Nacional dentro da Funai”, critica o cacique Sival Tupinambá, da Terra Indígena (TI) Tupinambá de Olivença. “A gente vê a divisão da nossa delegação como um processo de tentar dividir o povo e tentar enfraquecer os povos da Bahia, para não dar resposta sobre a demarcação de nossas terras tradicionais”.

Mesmo com reunião marcada com presidente da Funai, povos do Xingu foram recebidos por Força Nacional na manhã desta quinta (12). Foto: Rede Xingu +

Nas primeiras horas da manhã desta quinta-feira, funcionários da Funai registraram a presença de policiais da Força Nacional na entrada do prédio. No final da manhã, os indígenas dos povos Kayapó, Panará e do Território Indígena do Xingu, que tinham reunião agendada com o presidente do órgão, também ficaram indignados com a presença da barreira da Força Nacional.

“A Funai não recebe os índios que estão a favor da floresta, nem os índios que são contra mineração e contra o PL 191. Chegamos aqui e nos deparamos com a Força Nacional. Isso é certo? Antes, quando garimpeiros e madeireiros invadiam nosso território, a Funai acionava a Força Nacional para tirar os invasores. Mas hoje não, eles estão contra nós. Parece que a ditadura está voltando”, reclama Mydjere Kayapó, do Instituto Kabu e da Rede Xingu +.

Em nota de repúdio, o Conselho Nacional de Direitos Humanos (CNDH) afirmou que o pedido de presença da Força Nacional feito pela Funai na semana em que o órgão recebe reivindicações de povos indígenas “contraria sua missão constitucional”.

“O CNDH repudia a solicitação feita pela Funai e a determinação de utilização da Força Nacional por parte do Ministro da Justiça e Segurança Pública como ação intimidadora da legítima manifestação dos povos indígenas”, afirma a nota.

Retrocesso nas demarcações

A TI Tupinambá de Olivença e a TI Barra Velha, esta do povo Pataxó, estão entre as 17 terras em estágio avançado de demarcação que foram devolvidas à Funai pelo Ministério da Justiça e pela Casa Civil, para que sejam reavaliadas com base no Parecer 001/2017 da Advocacia-Geral da União (AGU), considerado inconstitucional.

Os Pataxó e os Tupinambá cobram que as terras sejam devolvidas ao MJ e tenham suas portarias declaratórias publicadas. As duas terras tem decisões do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e do Supremo Tribunal Federal (STF) retirando qualquer impedimento para a publicação das portarias e garantindo a posse do território aos indígenas.

*Com informações do Instituto Socioambiental (ISA)

Veja também



As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Tiago Motto

LEIA tAMBÉM

Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda
Design sem nome - 1
Mortes, prisões e espionagem: jornalista palestina escancara ‘apartheid’ de Israel
Palestina-jovens
No 76° aniversário da Nakba, juventude internacional se levanta pela Palestina
Nakba
Crônica de uma Nakba anunciada: como Israel força “êxodo massivo” dos palestinos de Gaza