Pesquisar
Pesquisar

Com mais de 315 mil mortes, ameaças à democracia no governo Bolsonaro não param

Para vivermos a plenitude da democracia e não aceitarmos o retorno da ditadura, não bastam notas de repúdio
Juliana Cardoso
Revista Fórum
São Paulo (SP)

Tradução:

“General, o homem é muito útil

Ele sabe voar e sabe matar

Mas tem um defeito:

Ele sabe pensar”

(Bertold Brecht)

Sancionada há seis anos, a Lei da “Semana Municipal de Reflexão sobre o Significado do Golpe Militar de 1964”, de nº 16.146/2015, propõe que a última semana do mês de março seja dedicada a repensar o significado do golpe de Estado ocorrido no Brasil há quase seis décadas. A proposição foi apresentada originalmente por nosso mandato e aprovado na Câmara Municipal de São Paulo.

Apesar de criada seis anos atrás, a lei continua atual diante da maior crise desde os anos 70, abalando a República e, em especial, as Forças Armadas.

A proposta de criação da Semana é perpetuar a memória do período “de chumbo” da História brasileira e, por seu caráter simbólico e pedagógico, trazer conexão com os dias atuais, sobretudo para que os fatos não caiam no esquecimento das próximas gerações, e estes, por sua vez, se comprometam com os valores da democracia.

Reflexões necessárias
Paulo Cannabrava Filho | Brasil vive sob uma ditadura, você percebeu?

Passados 57 anos do golpe civil-militar que destituiu o então presidente eleito João Goulart, e após 36 anos do retorno do país ao Estado Democrático de Direito, a pergunta que persiste é: a poeira cobriu essa fase da História?

Certamente não. O fato é que, por mais espantoso que possa parecer, ainda existem defensores saudosos do Regime Militar. Eles são minoria, mas não poupam as novas gerações de suas propagandas mentirosas nas redes sociais e até mesmo nas ruas.

Para vivermos a plenitude da democracia e não aceitarmos o retorno da ditadura, não bastam notas de repúdio

Agência Brasil
Como se não bastasse, até hoje existem mensagens que enaltecem os governos militares.

Tentativas de reescrever a história

Há algum tempo, as forças reacionárias tentam reescrever a História, negando a existência da Ditadura.

Ignoram os 475 mortos e desaparecidos reconhecidos oficialmente pelo Estado brasileiro, além do extermínio de mais de mil indígenas. Foi um período em que nossos antepassados foram obrigados a se exilar para escapar do horror e da morte.

Leia também
Governo Bolsonaro e o Genocídio dos Povos Indígenas no Brasil: Uma Tragédia Anunciada

Existe alguma razão para aplaudir uma página da nossa História na qual foram suprimidos os direitos de reunião, em que a liberdade de expressão era controlada, na qual vigorava a censura à imprensa, que as manifestações artísticas tinham de ser submetidas ao crivo de censores e que as violações aos Direitos Humanos viraram regra?

Uma página em que o povo não podia eleger presidente, governador e prefeitos nas capitais?

Como se não bastasse, até hoje existem mensagens que enaltecem os governos militares, associando-os ao sucesso no campo econômico. Mas não custa recordar alguns números e fatos.

Em 1964 o salário-mínimo era o equivalente a R$ 1.232. Em 1983, seu poder de compra foi reduzido para R$ 563, em valores atuais.

O Brasil da Ditadura Militar viveu crises de estagnação econômica como o da hiperinflação. Em 1979, indicador chegou a 77% e em 1984 o índice chegou a 223%.

Há ainda os que repetem falsos mantras, insistindo na afirmação de que no período não havia corrupção. Mesmo sob censura, a imprensa conseguiu registrar grandiosas obras sob suspeita de superfaturamento, como a Ponte Rio/Niterói, a Hidrelétrica de Itaipu, a Transamazônica e a Paulipetro.

Sobre o tema
Oito heranças da ditadura civil-militar que fazem parte do que há de pior no Brasil

A escalada recente da extrema-direita, respaldada na ala militar conhecida como “linha dura”, e que foi contrária à abertura do regime no começo dos anos 80, se intensificou com atitudes golpistas contra a democracia.

Ataques à Democracia

Além da negação da ciência, essas forças reacionárias que se guiam pelos valores do ex-capitão do Exército querem abolir o termo “ditadura” da História, enquanto fazem ameaças explícitas com medidas autoritárias para lograr um Estado policial.

Durante a campanha eleitoral de 2018, o deputado federal Eduardo Bolsonaro afirmou que “não precisava de jipe, bastava um soldado e um cabo para fechar o Supremo Tribunal Federal (STF)”.

Depois, em 2019, com o pai na Presidência, o mesmo indivíduo, conhecido como “02”, defendeu a reedição do AI-5 caso a esquerda “radicalizasse”.

Não faltaram outros episódios. No ano passado, Bolsonaro se fez presente em atos antidemocráticos de seus apoiadores em Brasília, pedindo o fechamento do STF e contra o Congresso Nacional.

Leia também
Perseguição e violência: 7 vezes em que o governo Bolsonaro se espelhou na ditadura

Os ataques às instituições e ao Estado Democrático de Direito não cessaram até hoje. Cinco ativistas foram detidos na semana passada por exibirem cartazes que diziam “Bolsonaro Genocida”.

Saiba+
Bolsonaro e a “Ideologia de Segurança Nacional” do Brasil

Rodrigo Pilha, um dos manifestantes, continua preso até hoje. Antes, o cartunista Renato Aroeira sofreu ameaças de ser enquadrado na famigerada Lei de Segurança Nacional por uma charge.

O youtuber Felipe Neto também sofreu com uma ação policial por publicar um tuíte associando Bolsonaro ao genocídio. Não é para menos. O país registra, com tristeza, mais de três mil óbitos diários na pandemia.

Saiba+
Contra ditadura Bolsonaro, Felipe Neto lança serviço gratuito com advogados para defender perseguidos pelo governo

A mais recente ameaça de Bolsonaro foi decretar Estado de Sítio, se contrapondo ao toque de recolher determinado pelos governadores para conter a transmissão do novo coronavírus. Ameaça desmentida após ser cobrado pelo presidente do STF, Luiz Fux.

Dica de leitura
No aniversário de 30 anos da Vala de Perus, livro destaca importância da memória

Enquanto resistimos às escaladas autoritárias, assistimos atônitos aos mais de 315 mil mortos pela Covid-19 no Brasil, muitos dos quais por incúria do governo federal.

Muitas perdas poderiam ter sido evitadas. Neste momento de muita dor, não há como se conformar com tantas mortes e nem naturalizar esse autoritarismo.  

Saiba+
Esconder números e desaparecer com os corpos: Bolsonaro repete tática da ditadura

Para vivermos a plenitude da democracia e não aceitarmos o retorno da ditadura, não bastam notas de repúdio.

O vírus do golpismo tem que acabar!

Juliana Cardoso é vereadora (PT) e vice-presidente da Comissão de Saúde da Câmara Municipal de São Paulo.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Juliana Cardoso

LEIA tAMBÉM

Lula
Frei Betto | Para Lula, momento exige maior sintonia entre governo e movimentos sociais
Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
mães - palestina
Dia das Mães: algumas mães só querem a paz de presente, lembra ato pró-Palestina em Brasília
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização