Pesquisar
Pesquisar

Com milhares nas ruas, centrais sindicais confirmam greve geral contra Bolsonaro

1.º de Maio foi marcado por mobilizações unitárias inéditas no Brasil, em defesa do emprego, das pensões e por Lula Livre
Redação AbrilAbril
AbrilAbril
Lisboa

Tradução:

A proposta de reforma da Previdência e o desemprego, que atingiu mais de 13,4 milhões de brasileiros em Março, estiveram no centro das manifestações do Dia Internacional do Trabalhador no Brasil, segundo refere o Brasil de Fato.

Também a luta contra a prisão política do ex-presidente Lula da Silva e a exigência da sua libertação imediata se fizeram sentir fortemente nas mobilizações deste Primeiro de Maio, que assumiram um carácter unitário inéditos no país, ainda segundo a mesma fonte.

Sobre a realização de uma greve geral, no próximo dia 14 de Junho, contra as políticas de retrocesso do governo de Jair Bolsonaro, os dirigentes das várias forças sindicais foram unânimes ao destacar a sua importância.

1.º de Maio foi marcado por mobilizações unitárias inéditas no Brasil, em defesa do emprego, das pensões e por Lula Livre

Rodrigo Pilha / Brasil de Fato
Cerca de 200 mil pessoas mobilizaram-se em São Paulo no Dia Internacional do Trabalhador

A única forma de defender o direito dos brasileiros à reforma é a luta nas ruas, é a greve geral, destacou o presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Vagner Freitas, em declarações à imprensa. A proposta de Bolsonaro e do seu guru, Paulo Guedes [ministro da Economia], é cruel para o povo. Querem acabar com a ajuda-doença, dificultar o auxílio-maternidade, acabar com o direito dos trabalhadores, sobretudo dos mais pobres, de receber as pensões e reformas. É por isso que vamos parar no dia 14, disse, citado pela Prensa Latina.

Por seu lado, o líder nacional da Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Adilson Araújo, alertou que, se a proposta não for travada, isso representará praticamente o fim do direito à reforma. Acrescentou que quem está a pagar a conta da crise é a classe trabalhadora», referindo-se ao governo de Bolsonaro como um executivo «desqualificado, despreparado, sem um projeto para o país.

200 mil em São Paulo

A manifestação do Primeiro de Maio reuniu na capital paulista cerca de 200 mil pessoas, segundo os organizadores. Guilherme Boulos, dirigente do Movimento dos Trabalhadores Sem Tecto (MTST), destacou a importância da união dos trabalhadores na greve geral para a defesa dos direitos da população: Aqui começa a luta que vai barrar a reforma da Previdência; no dia 14 de Junho o Brasil vai parar contra esse projeto que quer destruir a previdência pública. Eles não querem enfrentar privilégios, isso é mentira. Eles estão a atacar direitos, declarou.

No Rio de Janeiro, foi colocada uma nos Arcos da Lapa, no centro da cidade, com o rosto figurado de Lula da Silva e a exigência da sua libertação. Ali perto, na Praça Mauá, teve lugar a mobilização unitária promovida pelas centrais sindicais, em que participaram cerca de 10 mil pessoas.

Entre outros aspectos o ato ficou marcado pela exigência da libertação de Lula, preso político desde Abril de 2018, a denúncia da política de retrocessos imposta pelo governo de Bolsonaro, a lembrança de Marielle Franco e do seu legado, e a evocação da cantora carioca Beth Carvalho, que faleceu dia 30 de Abril e costumava participar das celebrações do Primeiro de Maio.

Direitos dos trabalhadores, Brasil afora

O Dia Internacional do Trabalhador foi também assinalado em estados como Ceará, Paraná, Paraíba, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Pernambuco. Na capital pernambucana, Recife, a juventude saiu às ruas em protesto contra a reforma da Previdência e contra os ataques à Educação promovidos pelo governo de Bolsonaro. Rosa Amorim, que é membro do Levante Popular da Juventude, afirmou que, a reforma for aprovada, os jovens vão entrar num mercado de trabalho sem direitos.

Mobilizações pelo mundo

De acordo com o Brasil de Fato, no Primeiro de Maio, brasileiros protestaram contra a reforma da Previdência e em defesa da liberdade de Lula em pelo menos dez cidades europeias: em Estocolmo, Hamburgo, Berlim, Colônia e Munique; em Barcelona, Lisboa, Genebra, Copenhaga e Bruxelas.

Também em pelo menos duas cidades da América do Norte – Cidade do México e Nova Iorque –, houve manifestações de rua em que a atual conjuntura brasileira não foi esquecida.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Redação AbrilAbril

LEIA tAMBÉM

Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
mães - palestina
Dia das Mães: algumas mães só querem a paz de presente, lembra ato pró-Palestina em Brasília
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização
Lula - 1 de maio
Cannabrava | Lula se perdeu nos atos de 1º de maio