Pesquisar
Pesquisar

Com o golpe contra Dilma, EUA castraram a potência que era o Brasil, diz Altamiro Borges

Em entrevista, o jornalista fala sobre o fato de a democracia brasileira estar sob ameaça. “Hoje os militares não estão no governo, eles são o governo”
Mariane Barbosa
Diálogos do Sul Global
São Paulo (SP)

Tradução:

Atualizado em 03/02/2022 às 13:25.

“Dizem que onde tem petróleo, tem sangue”, diz o jornalista, presidente do Barão de Itararé em entrevista à TV Diálogos Do Sul, ao ressaltar que o golpe de Estado aplicado contra a ex-presidenta Dilma Rousseff (2011-2016) teve um grande interesse do governo estadunidense. “Os EUA perceberam que o Brasil era uma potência e precisavam castrar essa potência”, explica.

O jornalista lembra que, às vésperas do impeachment, vários setores da esquerda “falavam que era coisa do Partido dos Trabalhadores (PT) para se defender” e critica o fato de não ter havido a percepção de que um golpe orquestrado pela direita brasileira estava em curso.

“Esse golpe, foi dado por uma direita que se unificou. Nele, você tem o casamento de vários interesses. O primeiro é do capital estrangeiro e, principalmente, do império, os Estados Unidos, que foram o principal articulador desse golpe”, expõe o jornalista, que ironiza ao dizer que “quando os documentos da CIA forem desclassificados, nós vamos saber de toda engenhoca que envolveu esse golpe”.

Em entrevista, o jornalista fala sobre o fato de a democracia brasileira estar sob ameaça. “Hoje os militares não estão no governo, eles são o governo”

Foto: Vanessa Martina
Altamiro Borges em Bate papo com Paulo cannabrava Filho na redação da revista Diálogos do Sul

Altamiro explica que um outro setor que unificou o impeachment foi a chamada “burguesia nacional”, que embora tenha lucrado muito durante o mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, abandonou o barco durante a crise.

“O próprio Lula se gabava disso: ‘vocês nunca ganharam tanto dinheiro na vida’”, conta. “Quando a crise internacional afetou o Brasil, eles romperam o pacto lulista da noite para o dia e voltaram ao espírito de sempre da burguesia brasileira ,que é um DNA fascista, um DNA golpista, um DNA contra a democracia”.

A casa civil passou a ser uma casa militar

Na visão de Altamiro, diante do governo de ocupação, a questão democrática brasileira está sob ameaça porque “hoje os militares não estão no governo, os militares são o governo” e aponta que “a eleição de Bolsonaro só existe porque teve o golpe do impeachment contra Dilma”.

Para o jornalista, uma possível solução para recuperar a democracia é a partir da combinação de três eixos: democrático, nacional e social, com esse último abrangendo a questão do trabalho.

“A Casa Civil passou a ser uma casa militar, então é uma questão democrática, que diz respeito à cultura, à liberdade de expressão, à luta dos sindicatos, tem a ver com democracia”, explica.  

O segundo eixo é a questão nacional, que abrange “soberania, com desenvolvimento, integração regional, é a luta da soberania, questão nacional”. Por último, a questão do trabalho, que é “a questão social contra qualquer tipo de regressão”.

Além disso, “o grande esforço é conseguir pontos de unidade, pontos de convergência, afinar o discurso e ter bandeiras de ação”, diz o jornalista. 

“O esforço deve ser [executado] respeitando que há uma diversidade [na esquerda], se não houvesse, não existiriam tantos partidos e tantas centrais, mas respeitar isso é ver pontos de unidade, e nós estamos precisando mais do que nunca de pontos de convergência, ao invés de ficar procurando pontos de divergência”, conclui.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:

  • PIX CNPJ: 58.726.829/0001-56 

  • Cartão de crédito no Catarse: acesse aqui
  • Boletoacesse aqui
  • Assinatura pelo Paypalacesse aqui
  • Transferência bancária
    Nova Sociedade
    Banco Itaú
    Agência – 0713
    Conta Corrente – 24192-5
    CNPJ: 58726829/0001-56

       Por favor, enviar o comprovante para o e-mail: assinaturas@websul.org.br 


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Mariane Barbosa

LEIA tAMBÉM

mapuche-carabineros
2 anos de estado de exceção na terra mapuche: "É muito chocante. Nos tratam como terroristas"
Macron - Nova Caledônia3
Revolta na Nova Caledônia: por que França tentou golpe e insiste em controlar arquipélago?
Venezuela-acordo (3)
Acordo de respeito às eleições entre Maduro e oposição é marco histórico para Venezuela
Rússia-Coreia-do-Norte2
Putin: Aliança com Coreia do Norte não deve preocupar, a menos que um de nós seja atacado