Pesquisar
Pesquisar

Com privatizações, Paulo Guedes prepara a quebra do sistema financeiro nacional

Redução das taxas de juros, estrangulamento do investimento público e do crédito ao setor privado, liquidação das reservas e crise internacional
Carlos Eduardo Martins
Diálogos do Sul
São Paulo (SP)

Tradução:

A novidade do Governo Bolsonaro em relação aos de FHC, Lula e Dilma, que se articularam com o protagonismo dos bancos nacionais no padrão de acumulação brasileiro, é que Guedes pretende deliberadamente quebrar o sistema financeiro nacional para usar o terror econômico e privatizar radicalmente o Estado brasileiro, liquidando-o, com atenção especial aos bancos públicos.

Para isso sua estratégia é a seguinte:

1) Aprofundar a EC 95 realizando um congelamento de gastos nominais

2) Baixar radicalmente os juros da SELIC

3) Estrangular o investimento público, restringindo radicalmente o crédito e reduzindo o BNDES a um papel decorativo 

4) Destruir as reservas brasileiras vendendo dólar para abater o principal da dívida pública, fortalecendo a sua demanda pelos agentes privados, a especulação e a fuga de capitais do país. Com a dolarização da economia brasileira estaria se comprando a adesão dos banqueiros e rentistas nacionais a este processo e compensando a transição para outro modelo. 

Redução das taxas de juros, estrangulamento do investimento público e do crédito ao setor privado, liquidação das reservas e crise internacional

Agência Brasil
Guedes pretende deliberadamente quebrar o sistema financeiro nacional e usar o terror para privatizar radicalmente o Estado brasileiro

A essa estratégia soma-se agora, para agudizá-la, a crise internacional sistêmica

Com esses ingredientes, redução das taxas de juros, estrangulamento do investimento público e do crédito ao setor privado, liquidação das reservas brasileiras e crise internacional estão colocadas todas as premissas para a quebra do setor financeiro nacional e o uso do terrorismo econômico para sua radical internacionalização e privatização do setor público brasileiro.

Liquidando os bancos públicos, Guedes imporá ainda um muro de contenção para futuras políticas keynesianas, que se tornou o verdadeiro pavor da burguesia nacional pela sua capacidade de gerar empregos e pressões sociais. 

Trata-se do capitalismo miliciano e chantagista de uma burguesia dependente que, na defensiva, abre mão do desenvolvimento das forças produtivas e vai se subordinando à liderança de uma lumpenburguesia servil que cobra comissões e vive de oportunidades cambiais para fabricar o seu próprio capital fictício. 

Como venho insistindo, neste processo as poupanças das classes médias, que não tem dinamismo e informação para acompanhar essas oscilações, virará água. 

A continuar neste diapasão, o nosso futuro será o capitalismo colonial, a superexploração do trabalho, o precarizado, o trabalho escravo, o neofascismo e as distopias.

Continuaremos aceleradamente transformando futuros médicos, engenheiros, assistentes sociais, psicólogos, sociólogos, advogados, dentistas, biólogos em entregadores de pizza no ubereats.

Carlos Eduardo Martins é doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo (USP), professor adjunto e chefe do Departamento de Ciência Política da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), coordenador do Laboratório de Estudos sobre Hegemonia e Contra-Hegemonia (LEHC/UFRJ), coordenador do Grupo de Integração e União Sul-Americana do Conselho Latino-Americano de Ciências Sociais (Clacso) e pesquisador da Cátedra e Rede Unesco/UNU de Economia Global e Desenvolvimento Sustentável (Reggen).


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Veja também


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Carlos Eduardo Martins

LEIA tAMBÉM

Lula
Frei Betto | Para Lula, momento exige maior sintonia entre governo e movimentos sociais
Lula-RS-Brasil (2)
Nas mãos de Lula, caos no RS é sequela do bolsonarismo: desmonte ambiental e fake news
mães - palestina
Dia das Mães: algumas mães só querem a paz de presente, lembra ato pró-Palestina em Brasília
RS - inundações
Chamado à solidariedade internacionalista: inundação no RS demanda mobilização