Pesquisar
Pesquisar

Com vacina própria: Cuba é o primeiro país da América Latina a vacinar 80% de sua população

A expectativa do governo é de que toda a população da ilha esteja vacinada com todas as doses necessárias até novembro desse ano
Gabriel Casoni
Esquerda Online
São Paulo (SP)

Tradução:

Cuba registra um dos mais altos índices de vacinação no mundo. Segundo o site de estatísticas Our Word In Data, 44% da população da ilha, de 11,3 milhões de habitantes, estão com a imunização completa (tomaram todas as doses) e 36% receberam a primeira dose. A expectativa do governo é de que toda a população da ilha esteja vacinada com todas as doses necessárias até novembro desse ano.

Vale notar que 1,6 milhões de crianças e adolescentes cubanos já receberam a 1a dose da vacina, sendo que 900 mil têm entre 2 e 11 anos. Cuba é o primeiro país do mundo a iniciar o processo de imunização de crianças a partir de 2 anos. 

As doses aplicadas na ilha são de vacinas elaboradas e produzidas no próprio país. Cuba desenvolveu quatro vacinas 100% nacionais: Soberana 1, Soberana 2, Soberana Plus e Abdala. 

Segundo a farmacêutica estatal BioCubaFarma, a aplicação de duas doses da vacina contra a covid-19 Soberana 02, combinada com uma da Soberana Plus, alcançou uma eficácia de 91,2% para prevenir a doença sintomática causada pelo coronavírus. Índice de eficácia semelhante ao da norte-americana Pfizer. 

A expectativa do governo é de que toda a população da ilha esteja vacinada com todas as doses necessárias até novembro desse ano

Facebook / Miguel Díaz-Canel
44% da população da ilha, de 11,3 milhões de habitantes, estão com a imunização completa e 36% receberam a primeira dose.

Validação internacional

Cuba já solicitou à OMS validação internacional de suas vacinas, bem como está submetendo a publicação dos estudos sobre a eficácia de suas vacinas em revistas científicas de renome  internacional, como a The Lancet. Além de vacinar sua população, Cuba irá exportar imunizantes a preços solidários.

O Vietnã já comprou 10 milhões de doses da vacina Abdala. México, Argentina, Irã e Venezuela também já demonstraram interesse na aquisição das vacinas cubanas.

Assim, as vacinas cubanas poderão cumprir um significativo papel na imunização dos países mais pobres, que até agora receberam percentual baixo de doses dos países mais ricos, que concentram grande parte da produção e aplicação das vacinas disponíveis no mundo, vendendo a preço elevado às nações da periferia do sistema o que sobra de imunizantes em seus países. 

Soberana 02: Cuba planeja produzir 100 milhões de doses de vacinas contra Covid-19

O feito de Cuba é notável, seja por ter produzido quatro vacinas próprias, seja por ter um dos maiores índices de cobertura vacinal contra a Covid no mundo. A realização cubana se torna ainda mais espetacular dado o fato de que o país — uma ilha com poucos recursos financeiros — sofre com um cruel bloqueio dos Estados Unidos há 60 anos, o que impõe severos danos e limitações à economia da ilha. Não há dúvidas de que a pesquisa científica e o sistema de saúde pública de Cuba são conquistas inquestionáveis da revolução socialista.

Gabriel Casoni é jornalista


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na Tv Diálogos do Sul

 

   

Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Gabriel Casoni

LEIA tAMBÉM

Milei
"Barbárie" e "desequilíbrio emocional": Petro e Fernández criticam nova selvageria de Milei
José Raúl Mulino
Eleição no Panamá simboliza crise sistêmica que atinge democracia "representativa"
Vox-Abascal-Milei
Xenofobia e delírios ultradireitistas: Vox reúne asseclas em Madri
Xi Jinping - Putin
Encontro de Xi e Putin fortalece relação histórica e aliança contra ofensiva “dupla” dos EUA