Pesquisar
Pesquisar

Como Bolsonaro, oposição da Bolívia usou robôs e milícias digitais para efetivar golpe

"Eles estão divulgando propaganda em inglês, seus nomes de contas são geralmente @ nomenúmeros e foram criados em novembro", diz jornalista
Victor Farinelli
Revista Fórum
Santiago

Tradução:

O golpe de estado contra o ex-presidente da Bolívia, Evo Morales, fez uso de milícias digitais nas redes sociais como um de seu métodos de ataque ao governo do ex-líder sindical. Uma série de contas criadas em novembro tem atacado aqueles que denunciam o golpe e espalhado notícias falsas.

“Há milhares de contas obviamente robôs atacando qualquer pessoa que tuíta sobre o golpe de direita na Bolívia. Eles estão divulgando propaganda em inglês, seus nomes de contas são geralmente @ nomenúmeros e foram criados em novembro. Há uma grande operação em andamento aqui”, denunciou o jornalista Benjamin Norton, do Grayzone Project.

"Eles estão divulgando propaganda em inglês, seus nomes de contas são geralmente @ nomenúmeros e foram criados em novembro", diz jornalista

Tercer Mundi
Policiais realizaram motim e, com o respaldo das Forças Armadas, apoiaram o golpe contra Evo Morales

Após a consideração, o comunicador foi vítima de ataques direcionados. Uma série de contas criadas logo após a postagem respondiam diretamente ao jornalista. “Hahaha, outra conta de bot do golpe na Bolívia que tem apenas 4 tweets, todos me atacando. Foi criado há 3 horas e segue uma pessoa: o líder do golpe de extrema direita boliviano Camacho. Esta campanha de desinformação pró-golpe de bot é tão óbvia”, criticou.

Um tuíte da agência de notícias Findes também mostra o ataque coordenado desses robôs, como expõe o usuário Bruno Silveira (@bslvra). “Entrei nos comentários desse tweet e todos os que estão acusando Evo e apoiadores de seu partido têm menos de dez seguidores e são contas criadas em novembro/2019”, diz.

Alguns usuários ainda denunciaram um possível elo do exército de milícias digitais do bolsonarismo do Brasil com os ataques virtuais na Bolívia. “Lotaram o twitter de bot de oposição ao Evo Morales, todos mais ou menos têm o mesmo perfil, são moças, bonitas, universitárias ou com emprego razoável, todos são de novembro, acabaram de entrar no twitter, guerra híbrida como no Brasil, à la Steve Bannon”, postou a usuária Renata (@Ondasmares).

Camacho e Bolsonaro

Apontado como comandante dos ataques, o líder opositor de extrema direita Luis Fernando Camacho já esteve no Brasil em conversa com o chanceler Ernesto Araújo, que afirma que não houve golpe na Bolívia. “Conseguimos o compromisso pessoal e governamental do chanceler Ernesto Fraga Araújo de elevar como estado brasileiro e garante da CPE [Constituição Plurinacional do Estado] a encomenda de interpretação da convenção sobre a reeleição indefinida para a CIDH (Comissão Interamericana de Direitos Humanos]. O Chanceler instruiu de forma imediata e na mesma reunião que se realize a consulta”, relatou Camacho, após encontrar o ministro brasileiro.

Em áudio filtrado pelo jornal boliviano El Periódico, um interlocutor golpista revela o apoio “das igrejas evangélicas e do governo brasileiro” ao golpe, e fala de um suposto “homem de confiança de Jair Bolsonaro, que assessora um candidato presidencial”. “Temos que começar a nos organizar para falar de política nas igrejas, como já se faz há muito tempo no Brasil, que já tem deputados, prefeitos e até governadores da igreja (evangélica)”, diz.


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.

Victor Farinelli

LEIA tAMBÉM

José_Carlos_Mariátegui
O Amauta, mais urgente do que nunca no Peru
Francia-Márquez-Colômbia
O que se sabe sobre atentado contra pai de Francia Márquez, vice-presidenta da Colômbia
dina-boluarte-peru (1)
Autoritarismo, impunidade, corrupção: Boluarte conduz Peru à catástrofe
Lançamento-livro-palestina4
Livro “Genocídio Isola Israel: Desafio é Criar o Estado da Palestina” é relançado nesta quinta (20), em SP