Pesquisar
Pesquisar

Como manipulação da fé enfraquece luta contra discriminação, exploração e injustiça

Em pleno século da tecnologia e ciência, o poder se apoia no debilitamento das capacidades intelectuais, físicas e psicológicas das sociedades
Carolina Vásquez Araya
Diálogos do Sul Global
Cidade da Guatemala

Tradução:

A maioria das ações projetadas a partir de qualquer âmbito de autoridade de nosso entorno social nos obriga a aceitar mitos, pensamentos ou decisões baseadas em uma verdade sobre a qual, em geral, não temos consciência.

A maneira como somos treinados desde a infância para receber instruções e modelar nossos pensamentos e crenças de acordo com preceitos supostamente inamovíveis e corretos, vai deixando sua marca no transcurso de nossa passagem por distintas etapas da vida. 

Walter Benjamin: Neopentecostais, Deus mercado e o capitalismo como religião no século 21

É assim como nos convertemos em parte de uma comunidade, cuja característica principal é a coincidência de valores, normas e uma concepção determinada da verdade. Tudo isso implica à aceitação tácita de sua condição como fundamento daquilo em que baseamos nossa conduta. 

A força derivada de uma posição de autoridade, nos sistemas imperfeitos de sociedades como as nossas, entranham enormes perigos.

Um deles é a confusa relação entre distintos centros de poder – político, religioso, econômico – cujas escalas de valores se encontram distorcidas e sujeitas a uma concepção de seus objetivos e seus postulados alheia ao interesse e ao bem-estar de seus povos.

Em pleno século da tecnologia e ciência, o poder se apoia no debilitamento das capacidades intelectuais, físicas e psicológicas das sociedades

cottonbro/Pexels
A deformação dos fundamentos que dão sentido à fé constituem uma evidência dos profundos alcances da manipulação

É assim como, em pleno século da tecnologia e das ciências, o poder se apoia no progressivo debilitamento das capacidades intelectuais, físicas e psicológicas das sociedades a partir das quais se alimenta sua força. 

Desde tempos remotos, as autoridades do âmbito espiritual – cujo império se considera indiscutível – invocam a submissão e a obediência cegas a preceitos associados com outros estamentos de poder, como apoio incondicional a sistemas verticais de discriminação, exploração e injustiça; e, para isso, apela à capacidade humana de aceitar a incomensurável força da fé como parapeito contra a força da razão.

Do medo ao desconhecido e a aceitação da pobreza como inevitável condenação divina, as estratégias concebidas pelas nações mais poderosas conseguem invadir os espaços espirituais de países do terceiro e quarto mundo.

Estratégias cuja efetividade tem consistido na submissão dos mais pobres em recursos intelectuais, econômicos e ideológicos, com o objetivo de manter um status estabelecido a partir dos poderes político e econômico. 

Enfraquecimento progressivo das política públicas

O enfraquecimento progressivo das política públicas no âmbito educativo é uma das formas mais perversas de um Estado para submeter a população a uma incapacidade de análise e reflexão provocada propositadamente; estas valiosas ferramentas intelectuais são consideradas, a partir dos centros de poder, como uma ameaça a qualquer projeto de governança.

É por isso a dicotomia existente entre os postulados políticos e a realidade das gestões governamentais na maioria dos países em desenvolvimento. Como apoio a esse debilitamento da força popular, se instaura de maneira paralela uma série de obstáculos ao acesso à saúde, à alimentação e a suas capacidades para gerir organizações comunitárias. 

A volta da religião, da família, de Deus e contra a corrupção

Costuma definir-se a fé como aceitação em uma crença, como uma convicção que admite o absoluto. A razão, por seu lado, é fundada na evidência.

A deformação dos fundamentos que dão sentido à fé, tal e como se tem evidenciado ao longo da história e, recentemente, na crise sanitária que experimenta o mundo, constituem uma evidência dos profundos alcances da manipulação e do engano exercido a partir desse âmbitos de poder contra a razão e o interesse público.

Assim como se deforma o conceito de verdade a partir do discurso político, escondido atrás do sermão religioso, igualmente se compromete o direito à saúde e à vida de milhões de seres humanos, cuja carência endêmica de recursos de análise e reflexão a condenam a aceitar como certos os conceitos vertidos a partir dos âmbitos de autoridade.

Por isso, nossas supostas democracias nascem desprovidas da força necessária para se consolidarem e por isso, também, os mais pobres se enfrentam em uma realidade onde a fé se confunde com a mais injusta resignação. 

Os povos se debatem entre as esperanças vãs e as realidades cruas.

Carolina Vásquez Araya, colaboradora de Diálogos do Sul na Guatemala
Tradução: Beatriz Cannabrava


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Carolina Vásquez Araya Jornalista e editora com mais de 30 anos de experiência. Tem como temas centrais de suas reflexões cultura e educação, direitos humanos, justiça, meio ambiente, mulheres e infância

LEIA tAMBÉM

Héctor Llaitul
Sem provas, justiça do Chile condenou líder mapuche Héctor Llaitul em prol de madeireiras
Palestina
Ocidente deveria se preocupar com massacre operado por Netanyahu livremente
Assange
Silêncio, imperialismo e guerra midiática: por que não podemos nos esquecer de Assange?
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda