Pesquisar
Pesquisar

Como vendedor ambulante, ter um colchão é sinônimo luxo para imigrantes nos EUA

Quando dá o dinheiro, Fulgencio compra pasta dental, mal regularmente escova com sal e carvão os poucos dentes que lhe sobram
Ilka Oliva Corado
Diálogos do Sul
Território Estadunidense

Tradução:

Liga o ferro e prepara um copo de água para salpicar com os dedos sobre a calça. Fulgencio segue com a tradição de seu avô materno, usa camisas e calças tradicionais, suéter de lã e sapatos tipo mocassim. Sempre com seu lenço de pano bem passado e cuidadosamente dobrado guardado no bolso de trás da calça. Usa a mesma cinta de couro há quarenta anos.

Já que tem sua muda de roupa pronta, vai banhar-se com a água fria do tonel, mas primeiro lava a muda de roupa do dia anterior e a deixa secando. Esfrega os calcanhares com a pedra pomes que compra no mercado na barraca de dona Juanita, que é a vendedora mais antiga, com trinta anos no posto – começou vendendo pashtes¹ e hoje tem pedra-pomes, sacos de areia vermelha, copal², dois veladoras, sete montes e charutos.

Assista na TV Diálogos do Sul

Quando dá o dinheiro, Fulgencio compra pasta dental, mal regularmente escova com sal e carvão os poucos dentes que lhe sobram. Molha o pescoço com Água Florida, costume antigo.  

Custa muito economizar para sortir sua mercadoria, aluga um quartinho de três por três metros nas proximidades do mercado La Presidenta, na capital guatemalteca. Sempre toma café da manhã no posto de dona Júlia, que viaja todos os dias às duas da madrugada a partir da Cidade Velha, Sacatepequez, até a capital, para que quando chegar a alba já esteja colocando suas duas mesas de pinheiro e encima os cestos com batatas doce, guisquiles cozidos, milho de três cozimentos, arroz doce e milho branco.

Na grelha, põe para esquentar as pamonhas de feijão, chiquilín e milho. Também vende pães com ovo e presunto e sucos de laranja preparados com ovos de pata. Antes vendia com ovos de parlama, mas desde que lhe explicaram a extinção das tartarugas deixou de comprá-los. 

Quando dá o dinheiro, Fulgencio compra pasta dental, mal regularmente escova com sal e carvão os poucos dentes que lhe sobram

Foto: Xiang Chen – Flickr

Vendedor ambulante em Nova York (imagem ilustrativa)

Fulgêncio sempre pede duas pamonhas de chiquilín e um milho branco que passa para pagar ao meio dia, quando vai comer seu almoço; um pão com feijão e arroz doce. Ele não tem posto, mas todos os dias às sete da manhã se coloca na entrada do mercado com a mercadoria que carrega em uma caixa de madeira que abre como maleta e pendura nos ombros. 

Senta-se em seu banquinho plástico e começa a oferecer seus produtos: chicletes, bombons, cigarros soltos e em maço, caracóis e uma ou outra bolacha. Quando se cansa ou se aborrece, deixa o banquinho encarregado e caminha pelos arredores do mercado, há ocasiões nas quais termina nas portas do Cemitério Geral ajudando os vendedores de flores. Assim é como estira os músculos e se refresca um pouco, depois volta para seu banco e regressa ao seu lugar. Há ocasiões em que fica adormecido e não consegue vender, mas algumas pessoas lhe deixam dinheiro em um canto da caixa. 

Não é muito o que consegue vender por dia, por isso Fulgêncio, com 75 anos, analfabeto, sem nenhum familiar vivo, ao finalizar sua jornada de trabalho oferece sua ajuda aos vendedores do mercado limpando e tirando o lixo; o que lhe dão se soma ao que ganha para pagar o aluguel e sua comida diária. 

Seu jantar, o prepara no pequeno fogão de mesa que tem no quarto que aluga, são verduras que salvou do lixo. Se lamenta por não ter uma geladeira para guardar os ossos de frango que as vendedoras jogam fora e de passagem alguns fígados e moelas para seu caldo. Mas tem um colchão que comprou novo na avenida Bolívar, é seu maior luxo, nunca havia tido nada novo na vida, às vezes acredita que sonhar com uma geladeira é pedir muito à vida e ser mal agradecido com o que tem, se até lhe sobra um travesseiro.


[1] Pashte: Esponja natural que provém da planta de nome luffa, que na Guatemala e na América Central se utiliza para o asseio pessoal ou para lavar pratos.
[2] Resina de árvore que se utiliza como incenso na espiritualidade maia em países da América Central e no México.

Ilka Oliva Corado | Colunista na Diálogos do Sul em território estadunidense.
Tradução: Beatriz Cannabrava.


As opiniões expressas nesse artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul

Assista na TV Diálogos do Sul


Se você chegou até aqui é porque valoriza o conteúdo jornalístico e de qualidade.

A Diálogos do Sul é herdeira virtual da Revista Cadernos do Terceiro Mundo. Como defensores deste legado, todos os nossos conteúdos se pautam pela mesma ética e qualidade de produção jornalística.

Você pode apoiar a revista Diálogos do Sul de diversas formas. Veja como:


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Ilka Oliva Corado Nasceu em Comapa, Jutiapa, Guatemala. É imigrante indocumentada em Chicago com mestrado em discriminação e racismo, é escritora e poetisa

LEIA tAMBÉM

Palestina-EUA-Israel
EUA tentam se safar! Israel usa, sim, armas estadunidenses para matar palestinos em Gaza
Bandeira-Geórgia
Geórgia: lei sobre “agentes estrangeiros” aumenta tensão entre governo e oposição
Design sem nome - 1
Mortes, prisões e espionagem: jornalista palestina escancara ‘apartheid’ de Israel
Trump
À frente em 5 estados-chave, Trump tira de Biden eleitores historicamente democratas