Pesquisar
Pesquisar

Condenados em protestos de 2013 denunciam criminalização de mobilizações populares

O caso dos 23 está sendo denunciado para organizações internacionais de defesa dos direitos humanos, como a ONU e Anistia Internacional
Jaqueline Deister
Brasil de Fato
São Paulo (SP)

Tradução:

Oito dos 23 militantes políticos condenados à prisão esta semana pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ) pelos protestos realizados em 2013 e 2014 contra os gastos com a Copa do Mundo concederam uma coletiva de imprensa no Sindicato dos Profissionais d

Entre os militantes presentes estavam estudantes e professores da rede pública de ensino e de universidade. Os manifestantes denunciaram a criminalização das mobilizações populares, a  seletividade da justiça brasileira em casos como o de Rafael Braga, Caio da Silva Souza  e Fábio Raposo Barbosa, os dois últimos foram acusados da morte do cinegrafista  Santiago Andrade da TV Bandeirantes em 2014.

Os militantes relataram que não se surpreenderam com a sentença. Durante as falas foi dito que o Brasil vive uma crise de representatividade e uma falsa democracia. Para Felipe Proença, que é educador e está entre os condenados, 2013 foi um divisor de águas das mobilizações.

O caso dos 23 está sendo denunciado para organizações internacionais de defesa dos direitos humanos, como a ONU e Anistia Internacional

ExNEpe
Manisfestação em defesa do direito de manifestação e dos 23 manifestantes

“2013 não termina em junho, tivemos uma greve histórica na educação em outubro. Lutaremos para reverter a situação, a justiça não vai nos calar”, afirmou o professor.

Camila*, professora do curso de Filosofia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), que está entre os 23 condenados, destacou que o processo de criminalização sofrido pelos militantes é misógino. Ela ressaltou o ataque midiático a Elisa Quadros, também conhecida como Sininho.

“Vivemos numa sociedade machista e patriarcal. O sistema precisa requentar uma figura de uma mulher maléfica para criar uma realidade que seja crível. Não é diferente ser mulher no processo dos 23, é difícil ser mulher na sociedade, no processo dos 23 isso é ressaltado”, destacou.

Os militantes também ressaltaram que a lei antiterrorismo contribuiu para a criminalização das lutas sociais. O papel da mídia hegemônica também esteve entre os temas abordados. Elisa, que hoje é mãe, destacou os ataques da mídia na destruição de sua imagem.

“Parem de criminalizar a gente, nós não somos assassinos, parem de destruir as nossas vidas”, ressaltou.

O caso dos 23 está sendo denunciado para organizações internacionais de defesa dos direitos humanos, como a Organização das Nações Unidas (ONU) e Anistia Internacional.

Na próxima terça-feira (24), às 18h, ocorrerá uma atividade em defesa dos 23 militantes no Instituto de Filosofia e Ciências Sociais (IFCS) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), localizado no Largo do São Francisco, no centro do Rio.

*Camila preferiu não ter o sobrenome divulgado

Jaqueline Deister, no Brasil de Fato | Rio de Janeiro (RJ)

Edição: Eduardo Miranda


As opiniões expressas neste artigo não refletem, necessariamente, a opinião da Diálogos do Sul do Global.
Jaqueline Deister

LEIA tAMBÉM

Héctor Llaitul
Sem provas, justiça do Chile condenou líder mapuche Héctor Llaitul em prol de madeireiras
Palestina
Ocidente deveria se preocupar com massacre operado por Netanyahu livremente
Assange
Silêncio, imperialismo e guerra midiática: por que não podemos nos esquecer de Assange?
Prancheta 55
Reino Unido decide expulsar mais de 50 mil pessoas solicitantes de asilo para Ruanda